O MUNDO TODO LÊ

Jout Jout chorou

Livro "infantil" emociona a youtuber Jout Jout, reacende a discussão sobre "O que é um livro para criança?" e movimenta vendas. E você? Já chorou lendo um livro infantil? Eu já!

Emilia Nuñez (contatomaequele@gmail.com)
- Atualizada em

A youtuber Jout Jout (Maravilhosa!!!) fez um vídeo em que lê na íntegra o livro "A parte que falta", escrito e ilustrado por Shel Silverstein. O vídeo viralizou, teve mais de 3 milhões de views e levou o livro ao topo dos mais vendidos da Amazon, além de ter aumentado as encomendas do título pelas livrarias em cem vezes, fazendo com que a Editora Companhia das Letras imprimisse uma nova tiragem. Assisti ao vídeo de Jout Jout com muita alegria. Não é todo dia que uma grande influenciadora digital lê um livro infantil inteirinho e ainda se emociona com ele.

Teve um ponto me chamou bastante atenção: No momento em que ela chora vem a legenda:

HAHAHA! IMAGINA SE FOSSE A PROFESSORA LENDO PRAS CRIANÇAS!

Achei curioso e me lembrei das tantas vezes que me emocionei lendo livros infantis para meus dois filhos. Se um livro infantil te emocionar, não esconda! Pode chorar na frente da criança sim! E pode conversar sobre o que sentiu ao ler o livro! Livros infantis podem (e devem) emocionar, despertar perguntas, fazer rir, trazer a tona dúvidas, questões, mostrar soluções onde nunca teríamos imaginado sozinhos... Te garanto que se os livros infantis te impactam, tocam, comovem, sim, você está escolhendo os livros certos para ler com seus pequenos! Literatura "infantil" de qualidade é para todas as idades, mesmo quem não tem filhos ou alunos pode ler bons livros para infância.

Vou contar três episódios que aconteceram comigo enquanto lia para os meus filhotes e me vi no final com os olhos cheios de lágrimas!

1.   

A viagem (Francesca Sanna) – Esse livro é maravilhoso, um dos mais incríveis que temos em casa. Ele conta a história de uma mãe e seus dois filhos que precisam deixar a sua terra natal por conta da guerra. Inspirado em relatos reais e narrado na voz da criança, esse livro traz o tema dos refugiados com uma sensibilidade ímpar. E eu... chorei. Solucei lendo. Gael tinha menos de quatro anos e me olhou com seus olhinhos castanhos e cheios de carinho. Expliquei para ele que o livro tinha me emocionado pois é muito triste ter que deixar nossa casa e, também, que tinha achado muito bonito ver o quanto a mamãe do livro teve força para proteger seus filhos em uma viagem tão longa e difícil. Alguns meses depois fizemos uma viagem e pegamos um barco antes do sol nascer. Naquele momento, dentro do rio, tudo escuro ao lado, e com meus filhos bem próximos a mim, com frio por conta do vento, pensei no livro e me emocionei de novo. Na volta para casa, reli o livro com Gael e conversamos muito sobre a sorte de vivermos em paz e podermos sempre que quisermos voltar para casa.

    

      Um dia, um rio (Leo Cunha e André Neves) –

Neste livro temos a poesia de Leo Cunha nas palavras e a poesia de André Neves nas imagens. O livro versa sobre a tragédia do Rio Doce. A forma como André Neves comunica o desastre por imagens é de tirar o fôlego. Ler a o “grito de socorro tardio” do Rio em voz alta e ser impactado pelas imagens foi arrebatador para mim. Não teve jeito. Me emocionei e chorei mais uma vez na hora da leitura. Gael não ficou surpreso pois também estava comovido. Desde a página que o “menino-rio” encontra o “monstro de metal” e esse lança lama por todos os lados, seus olhos estavam arregalados. Logo depois da leitura fomos ao youtube ver vídeos. Ele queria ver o antes e depois do rio de verdade.

3

.   

Uma raio de luz – A história de Albert Eisntein (Jennifer Berne e Vladimir Radunsky) – Não achei que me emocionaria lendo esse livro, juro que não. Ele conta a história do pai da ciência moderna, Albert Einstein, história esta que já conhecia um pouco... Mas no final, a autora me acertou em cheio! Bobagem de mãe, eu sei... No final, depois que estamos todos encantados com a história e super inspirados, ela propõem “Mas Albert deixou grandes questões em aberto. Grandes questões e que os cientistas trabalham até hoje. Questões que um dia, quem sabe, vocês, responderão. Interrogando-se, pensando, imaginando...”. E estava eu fechando o livro, quando Gael com os olhos brilhando me pergunta: - Nós mamãe???? Pronto, nocaute, ali estava nos meus olhos uma lágrima discreta de felicidade.

E vocês? Já choraram lendo um livro para criança?