Ainda em Alta РContinua̤̣o

Depois de começar a semana em queda, o otimismo voltou a tomar conta do mercado, levando o Ibovespa a uma valorização semanal de +1,9%. No mês, o desempenho do indicador foi igualmente positivo, fechando o período com ganhos de +7,7%.

No Brasil, a reunião do Copom manteve a taxa Selic em 14,25% ao ano. A decisão foi unânime, sinalizando que o Banco Central pode iniciar o ciclo de redução da taxa, ainda esse ano. Na esfera política, o mercado já está dando como certa a queda da presidente Dilma e o início do Governo Temer, que já vem articulando a composição do seu novo Governo. Ao que tudo indica, nos próximos dias essa novela vai chegar ao fim, abrindo espaço para o país voltar a se desenvolver. O dólar, terminou a semana em R$ 3,44.

Nos EUA, o Banco Central definiu pela manutenção da taxa de juros, insinuando que não tem pressa para elevá-la, contudo, o mercado continua na expectativa que o aumento da taxa deve ocorrer já no próximo encontro, em junho. Na Europa, o PIB do primeiro trimestre da Zona do Euro apresentou crescimento de 1,6%, em relação ao mesmo período do ano anterior. No cenário externo, as commodities continuam em trajetória de alta, sinalizando a perspectiva de melhora na economia internacional.

Na semana que se inicia, o destaque continua sendo o desenrolar da novela política no Brasil.

 

Momento do Mercado

A tendência de alta continua guiando os preços e deve permanecer desta forma enquanto a Lta (Linha Azul) for respeitada. O objetivo de 53,3 mil pontos, traçado no Panorama anterior, já foi rompido, transformando os 57 mil pontos no próximo objetivo do Ibovespa.

O suporte mais próximo dos preços está nos 52 mil pontos.

Enquanto acima dos 51 mil pontos o cenário permanece positivo.

Bons Investimentos,

Lucas Leal

lucas@officeinvestimentos.com.br


Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Panorama do Mercado – Ainda em alta

Tivemos uma semana positiva para a bolsa brasileira, a euforia continuou tomando conta dos investidores, levando o Ibovespa a uma forte valorização de +5,84% no período.

No Brasil, o destaque continuou sendo o avanço do processo de impeachment da presidente Dilma. A economia continua a deriva, sem comando e direção. O contrato de juros futuro com vencimento em 2018 recuou para 12,99%, o que sugere a redução da taxa Selic nos próximos encontros do Copom. O dólar terminou o período cotado a R$ 3,52, contando com forte atuação do Banco Central.

Na China, os dados do PIB mostraram que a economia continua em desaceleração, o primeiro trimestre deste ano apresentou crescimento de 6,7%, frente o mesmo período do ano anterior, foi a menor expansão, desde 2009. Nos EUA, a divulgação do Livro Bege mostrou que a atividade expandiu em abril e que o crescimento do nível de emprego está provocando elevação dos salários, o que deve continuar favorecendo a recuperação.

Na semana que se inicia, o principal destaque será a reação do mercado a votação do processo de impeachment no domingo. Na Europa, teremos a reunião do BCE.

Momento do Mercado

A resistência dos 51,4 mil pontos foi rompida, levando o Ibovespa ao objetivo dos 53,3 mil pontos. A tendência de alta continua sendo a principal referência dos preços e permanecerá desta forma enquanto a Lta (linha azul) for respeitada.

A próxima resistência está nos 57 mil pontos.

Caso a resistência dos 53,3 mil ponto seja respeitada, o Ibovespa deve testar o suporte dos 51,3 mil pontos.

Bons Investimentos,

Lucas Leal

lucas@officeinvestimentos.com.br


Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Panorama do Mercado – Lta no comando

Tivemos mais uma semana de alta volatilidade para bolsa brasileira, depois de começar o período em queda, os dois últimos pregões foram de recuperação, fazendo com que o Ibovespa terminasse o período em leve desvalorização de -0,53%.

No Brasil, o presidente do Banco Central ressaltou que a inflação permanece forte, o que deve reduzir a chance de queda da taxa Selic, no próximo encontro do Copom. A economia brasileira permanece sem rumo, mas o principal destaque continua sendo a novela do impeachment da presidente Dilma. Pela valorização que a bolsa vem apresentando desde fevereiro, tudo indica que o mercado já está precificando a mudança de Governo.

No cenário internacional, a queda de produção do petróleo nos EUA contribuiu com a forte alta da matéria prima. Os mercados internacionais continuam refletindo um cenário econômico favorável para os EUA e Europa, mas permanece atento ao andamento da economia chinesa.

Na semana que se inicia, no Brasil, a votação da comissão do impeachment será destaque. Na China, teremos a divulgação: do PIB do primeiro trimestre e dos dados da inflação de abril. Nos EUA, o Livro Bege irá atualizar os dados de como está o desempenho da maior economia do mundo.

Momento do Mercado

Os compradores continuam mostrando força e a resistência dos 51,4 mil pontos deve voltar a ser testada na semana que se inicia. A tendência de alta continua sendo a principal referência dos preços e permanecerá desta forma enquanto a Lta (linha azul) for respeitada.

O rompimento da resistência dos 51,4 mil deve guiar os preços rumo aos 53,3 mil pontos.

O suporte dos 46,4 mil pontos é uma referência que precisa ser respeitada para garantir a continuidade do movimento de alta.

Bons Investimentos,

Lucas Leal

lucas@officeinvestimentos.com.br


Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Panorama do Mercado РNa acumula̤̣o

Estamos de volta com o Panorama!

Tivemos uma semana de alta para bolsa brasileira, levando o Ibovespa a uma valorização de +1,82%. O mês de março também foi positivo, terminando com ganhos de +16,67%.

No Brasil, o mercado continua tendo como principal referência à crise política, a cada notícia negativa para o Governo, a euforia toma conta. Da mesma forma, notícias positivas para o Governo levam os investidores a operar no lado da venda. A novela do impeachment deve continuar como principal referência nas próximas semanas. Na perspectiva econômica, a produção industrial brasileira registrou queda de -9,8%, em fevereiro, quando comparada ao mesmo mês do ano anterior.

No cenário internacional, o preço do petróleo continua sendo pressionado para baixo. O Irã, não tem demonstrado interesse de reduzir sua produção, prejudicando a iniciativa da Opep, que vem tentando reduzir a oferta da commoditie para elevar seu preço. Nos EUA, a taxa de desemprego do mês março foi de 5%, levemente superior aos 4,9% de fevereiro.

Na semana que se inicia, nos EUA, teremos a Ata da última reunião do Fomc. No Brasil, o destaque continua sendo a novela do Impeachment da Presidente Dilma.


Momento do Mercado

Os preços estão trabalhando há duas semanas numa acumulação curta, entre o suporte de 49,5 mil e a resistência de 51,5 mil pontos. Apesar desta acumulação, vale destacar, que a tendência de alta continua sendo a principal referência dos preços e será desta forma enquanto a Lta (linha azul) for respeitada.

O rompimento da resistência dos 51,4 mil deve guiar os preços rumo aos 53,3 mil pontos.

A perda do 49,5 mil pontos deve levar os preços para o suporte dos 46,4 mil pontos

Bons Investimentos,

Lucas Leal


Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Panorama do Mercado – Alto risco

Depois de começar a semana em queda, a forte alta de quinta-feira mudou o rumo do mercado, levando o Ibovespa a terminar o período com valorização de +2,37%.

No Brasil, a crise política tem sido a principal referência dos investidores. O patamar atual de preços do Ibovespa, sugere que o mercado já está precificando o impeachment, mas a reação adotada pelo Governo essa semana: levar os sindicatos, os movimentos sociais e os militantes para a rua mostrou que ainda tem força e vai fazer o possível para reverter o quadro. A disputa está ficando perigosa e pode nos levar a caminhos ainda desconhecidos, quanto mais demorar para chegar ao fim da crise, mais arriscado deve ficar o cenário. Nesse período, o mercado deve permanecer bastante volátil e qualquer vitória do Governo, no Congresso, na Justiça ou nas ruas, deve fazer o vento mudar de direção.

Nos EUA, O FED definiu pela manutenção do juros, mas reduziu a sua previsão para o número de aumentos na taxa de juros esse ano. A medida, que levou a desvalorização do dólar, mostra que a Autoridade Monetária americana está atenta a ação dos principais bancos centrais no mundo (Europa e Japão). Uma disputa cambial está em curso, cada país está tentando defender sua competitividade. Estas ações, ainda podem ser vistas como consequência da crise de 2008, a qual arrefeceu somente com as injeção artificial de trilhões de dólares no sistema financeiro americano e posteriormente no Europeu.

Na semana que se inicia, teremos vencimento de opções na segunda, mas o destaque vai continuar sendo o desenrolar da crise política as cenas dos próximos capítulos vai definir o humor dos investidores.

Momento do Mercado

Conforme antecipado no Panorama anterior, o rompimento das resistência dos 49,5 mil pontos deve guiar os preços rumo ao 53,3 mil.

O cenário positivo está mantido, enquanto a Lta (Linha Azul) for respeitada.

A perda dos 49 mil pontos eleva o risco de reversão do movimento.

PS: Devido ao feriado de semana santa, o Panorama só estará de volta 2 de abril.

Bons Investimentos,

Lucas Leal

lucas@officeinvestimentos.com.br


Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Panorama do Mercado РAinda na resist̻ncia

Tivemos uma semana volátil para bolsa brasileira, depois de altas e baixas o Ibovespa terminou o período com valorização de +1,13%.

No Brasil, a falta de novidades concretas do campo político reduziram a euforia do mercado, a denúncia do MP de São Paulo contra o ex-presidente Lula foi o maior destaque.

Na Europa, o Banco Central voltou a adotar medidas de incentivo a economia, no encontro desta semana, a Autoridade Monetária cortou a taxa de juros das operações de refinanciamento para 0%, reduziu a taxa de depósito em 10 pontos base, para -0,40%, e definiu que o programa de compra de ativos será ampliado para $ 80 bilhões de euros. abril.

As medidas adotas pelo BCE mostram que o Velho Continente está utilizando de políticas financeiras para desvalorizar a moeda e incentivar a economia. Ao que parece, isso vem se tornando uma prática comum no mundo desenvolvido, o Japão já adotou medidas similares e os Estados Unidos estão tentando parar com esse tipo de política, mas a ação dos seus pares tem dificultado os planos, a própria presidente do FED já afirmou que o órgão pode voltar a adotar ações mais expansionistas. Esse movimento tem prejudicado diretamente os emergentes e colocado mais dificuldade para Brasil, China, etc.

Para semana que se inicia, as manifestações populares e o encontro do PMDB, no final de semana, devem trazer novas projeções sobre o processo de impeachment da presidente Dilma. Nos EUA, o destaque é a reunião do FED.


Momento do Mercado

A resistência dos 49,5 mil pontos mostrou-se forte, fazendo com que o Ibovespa trabalhasse nesse patamar durante toda a semana. O suporte mais próximo para os preços está nos 46,4 mil pontos.

O rompimento da resistência dos 49,5 mil deve guiar os preços rumo aos 53,3 mil pontos.

Mesmo que haja uma realização, a tendência permanecerá de alta enquanto os preços estiverem acima dos 44 mil pontos.

Bons Investimentos,

Lucas Leal

lucas@officeinvestimentos.com.br


Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Panorama do Mercado РNa Resist̻ncia

Tivemos uma semana de euforia para a bolsa brasileira, levando o Ibovespa a uma valorização significativa de +18,01% no período, foi o melhor desempenho semanal nos últimos 10 anos.

No Brasil, a alta da bolsa esteve diretamente ligada ao crescimento da expectativa do impeachment de Dilma. O vazamento da suposta delação premiada do Senador Delcídio Amaral e ao desenrolar da operação Lava Jato, que teve como principal alvo o ex-presidente Lula, mostraram que o Governo está cada vez mais envolvido na crise e a Presidente terá muita dificuldade de se manter no poder. No cenário econômico, a queda de -3,8% do PIB, em 2015, confirmou que a economia brasileira está em forte retração, mesmo com a inflação permanecendo em alta. Além da divulgação do PIB, outras duas notícias merecem destaque: o Copom definiu pela manutenção da taxa Selic ,em 14,25% ao ano, e o volume de retiradas da poupança chegou a R$ 18,6 bilhões, o maior em 21 anos.

Nos EUA a divulgação do Livro Bege mostrou que a economia americana continua crescendo, mas algumas regiões e setores econômicos ainda estão apresentando dificuldades. De qualquer forma, as principais bolsas internacionais terminaram a semana em alta, refletindo um pouco mais de estabilidade.

Na semana que se inicia, o mercado deve continuar tendo como principal referência o desenrolar da crise política no Brasil. Vale ficar atento, pois qualquer movimento positivo para Governo pode levar os investidores mudarem rapidamente da euforia para depressão, visto que todo movimento de alta desta semana foi sustentado em expectativas, e não em dados concretos da economia. Na Europa irá acontecer a reunião do BCE, os investidores estão esperando novos incentivos da Autoridade Monetária.


Momento do Mercado

Conforme antecipamos no Panorama anterior a confirmação do suporte nos 41 mil pontos abriu espaço para um rali de alta, que  mostrou-se extremamente agressivo, levando os preços, rapidamente, para a resistência dos 49 mil pontos.

O rompimento dos 49 mil pontos abre espaço para continuidade da alta com objetivo nos 53,5 mil pontos.

A tendência de alta será mantida enquanto os preços permanecerem acima do 44 mil pontos e a Lta (Linha azul) estiver no comando.

Bons Investimentos,

Lucas Leal

lucas@officeinvestimentos.com.br


Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Panorama do Mercado – Lta Formada

Depois de começar a semana (segunda-feira) em forte alta, alimentando a esperança de recuperação, o Ibovespa teve quatro pregões seguidos de queda, devolvendo os ganhos e terminando o período com uma leve valorização de +0,12%.

No Brasil, a nova fase da operação Lava Jato, com a prisão do marqueteiro da campanha presidencial, chegou ainda mais perto do Governo Dilma. A falta de comando do Governo continua trazendo novos prejuízos para economia, nesta semana o país perdeu o selo de grau de investimento para mais uma agência de classificação de risco, a Moody’s. No relatório que rebaixa o Brasil, a agência citou que a relação dívida/PÌB brasileira pode chegar a 80% e colocou o país em perspectiva negativa, ou seja, sujeito a novos cortes.

Nos EUA a divulgação da segunda prévia do PIB mostrou que a economia americana cresceu 1%. O resultado veio acima das expectativas do mercado, que eram de 0,4%. Na China, o Banco Central sinalizou que poderá oferecer novos estímuos para incentivar a economia do país.

Na semana que se inicia, teremos a reunião do Copom e a divulgação do PIB brasileiro. Será o momento de confirmar o tamanho da recessão que o país se encontra. Nos EUA teremos a divulgação do Livro Bege, onde serão divulgados novos dados da economia americana.

Momento do Mercado

Conforme apresentado no Panorama anterior,o rompimento da Ltb abriu espaço para um rali de alta que levou os preços para próximo dos 44 mil pontos na máxima do dia, na terça feira (43,6 mil). Contudo o movimento perdeu força, fazendo com que o Ibovespa terminasse o período nos 41,5 mil pontos. Vale lembrar que no patamar de 41 mil pontos temos um suporte importante que precisa ser respeitado, para que a tendência de alta (Lta) seja mantida.

A confirmação do suporte na faixa de 41 pontos deve levar os preços de volta para a resistência de 43,6 mil pontos.

A perda dos 40 mil pontos anula o movimento positivo e abre espaço para novas realizações.

Bons Investimentos,

Lucas Leal

lucas@officeinvestimentos.com.br


Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Panorama do Mercado – Tentativa de rali

Tivemos uma semana de alta para a bolsa brasileira, continuando o movimento de recuperação das semanas anteriores, o Ibovespa registrou ganhos em quatro pregões e terminou o período com valorização de +4,36%.

No cenário internacional, a notícia que a Arábia Saudita não está preparada para um corte na produção, esfriou as apostas que os maiores produtores de petróleo possam reduzir a oferta para tentar elevar o preço da commodities. Na China, indicadores mostraram que a expansão do crédito veio melhor do que previsto, trazendo otimismo ao mercado. Nos EUA a incerteza sobre a próxima decisão do Federal Reserve continua alta, especula-se que a ação drástica de outros Bancos Centrais de operar com juros negativo, pode interferir na decisão da Autoridade Monetária americana.

No Brasil, a Standard & Poor´s promoveu mais uma redução para a nota de crédito do país. A agência justificou a atitude informando que os desafios econômicos para o país continuam altos e a expectativa é que o processo de ajuste seja longo. Em entrevista na Globo News, o presidente do Banco Central deu a entender que, em virtude da persistência da inflação, não há espaço para corte de juros, resta saber se a Presidente Dilma tem o mesmo entendimento, ou se ele vai voltar atrás assim que a chefa mandar. O dólar fechou a R$ 4,02 e o juros futuro continuou recuando.

Na semana que se inicia, o destaque será a divulgação do PIB de grandes potencias, Alemanha, Reino Unido e EUA.

 

Momento do Mercado

Depois de romper os 40,8 mil pontos, o Ibovespa está tentando confirmar a formação de um novo Pivot de alta, mas o mesmo está sofrendo pressão da importante Ltb nos 42 mil pontos. Na próxima semana a disputa nesse patamar deve ser grande.

Caso a Ltb seja rompida um rali de alta deve conduzir os preços para a resistência no patamar dos 44 mil pontos.

Caso os preços recuem e percam os 40 mil pontos, o movimento positivo está desfeito e o risco de realização aumenta muito.

Bons Investimentos,

Lucas Leal

lucas@officeinvestimentos.com.br


Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Panorama do Mercado – Repique de alta

Tivemos uma semana de recuperação para a bolsa brasileira. A euforia voltou a tomar conta do mercado, levando o Ibovespa a uma alta de +6,24%. Ainda assim, nem mesmo o movimento positivo foi suficiente para evitar a forte queda do mês de janeiro, que terminou com desvalorização de -6,79%.

No Japão, o Banco Central passou a trabalhar com taxa de juros negativa de -0,10%, a medida visa combater a espiral deflacionária e foi bem recebida pelo mercado. Nos EUA, a divulgação do Pib mostrou que a economia americana cresceu 0,7%, abaixo das previsões dos analistas. O Federal Reserve manteve a taxa de juros inalterada no país. As bolsas internacionais tiveram uma semana de recuperação, projetando a melhora de cenário.

No Brasil as contas públicas apresentaram déficit primário de R$ 71,7 bilhões em dezembro, com isso, o déficit consolidado de 2015 ficou em R$ 111,249 bilhões, o que representa 1,88% do Pib. Trata-se do pior resultado desde 2001. Vale ressaltar que a dívida bruta nacional já chegou ao patamar de 66,2% do PIB.

Na semana que se inicia, nos EUA teremos a divulgação do relatório de emprego, os dados devem ajudar a projetar os próximos movimentos do FED sobre o juros. No Brasil, a volta dos trabalhos no congresso vai mostrar como está a situação da presidente Dilma.

Momento do Mercado

Conforme antecipado no Panorama anterior a faixa de suporte mostrou-se forte, levando os preços a um forte repique de alta. O movimento pode continuar, mas vale lembrar que a tendência de baixa (Ltb) permanece como a principal referência do mercado.

O repique tem como objetivo os 42,5 mil pontos, na Ltb.

O movimento de queda deve dar uma trégua e o cenário só volta a ficar negativo se o ibovespa perder o patamar de 37 mil pontos.

Bons Investimentos,

Lucas Leal

lucas@officeinvestimentos.com.br


Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário