Nosso amor do whatsapp

Se você quiser pode ler o texto ouvindo: Ed Sheeran РKiss Me

 

Ontem eu troquei o meu celular. Chegou o novo que eu estava esperando e demorou tanto. O seu n√ļmero continuou aqui, mas esse foi o √ļnico registro que ficou.

Te adicionei no whatsapp e quando fui olhar nos arquivos de m√≠dia, n√£o havia mais nada seu, nada nosso. N√£o havia fotos, v√≠deos, m√ļsicas… nada que compartilhamos um dia.

Eu nem quero ficar olhando essas recorda√ß√Ķes agora, mas pensei que daqui h√° um tempo, talvez eu sinta vontade…

Vontade de rever as fotos que você me mandava antes de dormir.

Os vídeos que gravava quando queria me fazer rir.

As m√ļsicas que me enviava todas as manh√£s.

As nossas fotos juntos que sempre eram tiradas do seu aparelho… n√£o s√≥ porque ele era melhor que o meu, mas porque o seu olhar sempre foi mais sens√≠vel.

Vontade de rever os nossos vídeos gravados nas viagens, nas festas dos amigos ou até mesmo na cama, nos finais de semana.

Saudade da tua voz nos áudios que me mandava só pra falar que ia chegar mais tarde, mas que levaria o meu chocolate preferido.

Vontade de ainda ter as fotos que me mostravam o teu corpo só de cueca e que eram enviadas com a péssima intenção de me deixar louca de desejo.

Não há também sequer uma palavra de todas as milhares de frases que já escrevemos um para o outro.

Nem as carinhosas, nem as carregadas de raiva.

Nem as declara√ß√Ķes do nosso amor, nem os desabafos contidos que muitas vezes magoavam.

Não há mais nenhum barulhinho de mensagem sua chegando, nenhuma notificação sua na tela.

Nada. Nem nos arquivos, nem na rotina do meu dia.

Curioso √© lembrar que algumas coisas nunca falamos, pessoalmente, mas escrevemos no whatsapp. Bastava ter d√ļvida ou saudade para ir l√° conferir.

Agora n√£o mais!

Sabe, eu adorei o meu aparelho novo… mas ele me parece frio, parece que n√£o √© meu, parece que falta alguma coisa.

Só agora descobri que falta você.

Falta o seu n√ļmero me ligando, as suas mensagens chegando e o meu cora√ß√£o disparando. Falta o nosso amor!

Preciso me acostumar, como tenho me acostumado a não ter você nos meus dias. As memórias do celular se foram, mas as outras ninguém vai me tirar.

Ficarão guardadas numa caixinha fechada lá no fundo do meu coração, pois esse não quebra e não será trocado.

Embora ainda muito machucado, chegará o momento em que vai se recuperar e relembrar a nossa história como um passado remoto.

Mas por hora permanece tudo assim… o whatsapp apagado e o cora√ß√£o adormecido.

 


Publicado em Sem categoria | Deixar um coment√°rio

Fica mais

Se você quiser pode ler o texto ouvindo: A Canção Que Faltava

 

Ent√£o voc√™ olha pra mim com aquela cara ainda amassada depois de ter dormido nos meus bra√ßos e diz ‚ÄúEu adoro quando voc√™ est√° perto de mim, eu adoro ficar com voc√™‚ÄĚ.

A frase pode até estar acompanhada de verdade e um certo carinho, mas me soa frágil porque posso contestá-la de pronto e mostrar que você nem sabe o que está dizendo.

Fala que adora quando estou perto, mas na verdade eu nunca estou longe. Fisicamente, talvez, mas o meu pensamento e a minha vontade estão sempre aí do seu lado.

Diz que adora ficar comigo, mas na verdade o que você nunca faz, é ficar. Está sempre indo, sem lua certa pra voltar.

Ficar, √© a palavra mais rid√≠cula para expressar as rela√ß√Ķes superficiais. Como chamar de ficante algu√©m que nunca fica, que chega s√≥ de passagem?

Quisera eu te ver ficar!

Sem hora para ir embora, sem dias estabelecidos. Sem precisar devolver rápido a tua camiseta que eu queria ficar vestida o sábado inteiro. Sem pensar em você com uma saudade inexplicada, daquelas que a gente não sabe se vai matar ou criar.

E enquanto penso em tudo isso pra falar, ainda muda e meio com sono, você sorri e me desarma. Faz até com que eu questione se vale a pena exigir alguma coisa e perder os nossos momentos. Repenso em todas as minhas metas, focos e teses sobre relacionamentos.

Enquanto vou para o banho, vejo voc√™ levantar da cama, abrir a minha gaveta e escolher a lingerie que devo usar, como se tivesse algum poder sobre mim. Finjo que tem… uso o que voc√™ pede. Voc√™ acredita que pode me dizer o que fazer, que pode continuar ‚Äúficando‚ÄĚ vez ou outra. E eu vou deixando enquanto isso me parece conveniente.

Até o dia em que eu não queira mais ficar com você, nem por uma vida e nem por uma chuva.

E então você vai entender que ficar significa muito mais que estar.

 


Publicado em Sem categoria | Deixar um coment√°rio

Maturidade: onde compra?

N√£o me levem a mal, mas eu queria fazer uma pergunta simples.

Qual √© o n√ļmero suficiente de besteira que a gente precisa fazer pra ter um atestado de pessoa madura e bem resolvida?

Na verdade, isso me lembrou que tenho outra pergunta: existem pessoas bem resolvidas?

Pergunto porque acho que j√° devo ter extrapolado essa cota e at√© agora nunca consegui evitar alguns erros recorrentes, nunca consegui seguir aquele conselho que todos os dias postam nas redes sociais: ‚Äún√£o crie expectativa‚ÄĚ.

Nunca economizei os meus “sims” quando a vontade me impelia a us√°-los, ainda que eu soubesse que poderia me arrepender depois.

Eu sempre me apaixonei sem medo e jamais tomei antibiótico para isso. Essa cura não me pertence. Eu quero mais é amar, ainda que possa sofrer.

Uso muito as minhas milhas para o fundo do poço e todas as vezes que passo por lá, percebo que ele é necessário para o meu crescimento. Demoro lá, mas sempre acho a mola e volto linda e renovada.

Devo confessar que nem sempre quero levar tudo a s√©rio… at√© o final. As vezes enjoo, n√£o quero mais, ver o cara n√£o √© mais t√£o bacana quanto a semana passada, mas n√£o tenho o h√°bito de magoar ningu√©m. Em minha defesa, digo que sou o melhor ser humano entre os piores que conhe√ßo.

Tenho cara de boba e me derreto com pequenas e √≠nfimas demonstra√ß√Ķes de afeto, dispo a minha alma escrevendo poemas que ningu√©m l√™, mas sei bem que o amor n√£o √© esse sujeito que teimo tanto em defender. Ele traz junto o sofrimento, embora isto seja infinitamente menor que toda a alegria, sorriso e pele renovada que ele proporciona.

As vezes sinto um sopro leve de maturidade e ela me leva por caminhos mais seguros, mas volta e meia quero ser de novo aquela crian√ßa destemida que vive sem pensar muito, apenas sentindo… e o assustador √© que n√£o me arrependo.

Muitas vezes erro feio, mas sempre digo que foi sem querer e foi mesmo. Sem querer ficar na mesmice, sem querer parar de sonhar e arriscar, sem querer ser mais do mesmo, sem querer ser previsível.

Eu quero mesmo é ser feliz, por isso ignoro o que me fez sofrer e aceito a minha impermanência, os meus defeitos e os meus acertos.

Eu quero mesmo √© carinho na nuca, beijo molhado, abra√ßos quentes, gozos intermin√°veis, boas doses de Chico, Beth√Ęnia e do que vier na escolha aleat√≥ria da playlist do destino.

 

 


Publicado em Sem categoria | 2 coment√°rios

Dia dos namorados. E aí?

Hoje √© o dia dos namorados e eu n√£o tenho nada a dizer. Curioso um blog que fala de amor, n√£o ter dicas de presentes, texto rom√Ęntico ou rela√ß√£o das melhores m√ļsicas para ouvir na hora do sexo, n√©? Me perdoem pela falha este ano!

Estar solteira no dia dos namorados nunca me incomodou. Acho que a cabe√ßa de publicit√°ria fala mais alto que o cora√ß√£o da rom√Ęntica, nessas datas promocionais. Mas sempre escrevo textos especiais nesse dia e adoro ver as redes sociais cheias de fotos de casais. S√©rio!

S√≥ que hoje n√£o tenho nada a dizer. Na verdade, eu tenho muito a dizer, estou quase transbordando e nesses momentos prefiro calar para n√£o deixar o lado pessoal falar muito alto. Mas isso √© uma outra hist√≥ria e n√£o tem nenhuma rela√ß√£o com o que vou escrever aqui… cada um com seus problemas.

Vim s√≥ pra mandar um papo reto, falar olho no olho com quem est√° triste e frustrado por n√£o poder trocar presentes, fazer jantarzinho rom√Ęntico ou ostentar a selfie no instagram. Para com isso!

Quem precisa de cara metade, n√£o se sabe sozinho.

Tem gente que quer muito namorar, mas mal suporta a si mesmo. Não gosta da própria companhia e só se sente bem se tiver um acompanhante para tudo e qualquer lugar.

Quer cuidar do outro, mas a pr√≥pria vida √© uma bagun√ßa sem tamanho que vai do furac√£o de roupas no arm√°rio at√© as emo√ß√Ķes amarrotadas. Diz que entende os sentimentos de quem est√° ao seu lado, mas sequer consegue administrar os seus.

Diz que est√° carente, que precisa de algu√©m para conversar e fazer planos, mas nunca conseguiu construir nada sozinho, nem mesmo aquelas resolu√ß√Ķes b√°sicas que se escreve em uma lista na virada do ano.

Tem muita gente que antes de desejar um namorado, precisa se entender, se aceitar e principalmente, se amar. Ninguém pode ser um bom parceiro se não souber quem é e o que, realmente, quer.

Deveria ser condição básica para namorar, ter primeiro namorado a si mesmo. Se curtir e se amar ao extremo. Que seja uma paixão avassaladora para que jamais seja esquecida e que mesmo com alguém ao lado, o seu amor próprio continue muito mais forte e maior que qualquer outro.

Acredite, essa sim é uma boa dica para o dia dos namorados!

 


Publicado em Sem categoria | Deixar um coment√°rio

Odeio por quase um segundo

Se você quiser pode ler o texto ouvindo: All of Me

 

Eu odeio tantas coisas em você.

Odeio esse seu poder de me desconcentrar.

A capacidade de me tirar do sério e me fazer mudar de ideia.

Odeio te perdoar todas as vezes que você faz alguma coisa que não gosto.

Querer o seu beijo quando deveria preferir a dist√Ęncia, salivar pelo teu corpo quando deveria me afastar dele.

Odeio pensar em você.

No meio de uma reuni√£o, no tr√Ęnsito, nas minhas ins√īnias e nos momentos que n√£o quero pensar em nada, mas voc√™ aparece.

Odeio acreditar nas suas cheganças.

Me derreter com a sua barba no meu pescoço, me arrepiar quando os seus dedos cruzam com os meus, me desestruturar apenas com o seu olhar.

Eu odeio mais que tudo, quando você tem razão.

Quando joga na minha cara os meus erros, mostra as atitudes que eu n√£o deveria ter tomado, prova que estava certo com os seus conselhos que n√£o segui.

Odeio quando quero ser imprudente e você consegue ser tão chato a ponto de me fazer pensar melhor.

Odeio…

O teu jeito de me persuadir, de me fazer esquecer rapidamente das minhas doses necess√°rias de rancor.

A tua forma de acabar com o meu mau humor tão respeitosamente construído.

Odeio perder o meu autocontrole… √© isso que voc√™ vive fazendo comigo.

E faz muito bem.

Nunca pensei que alguém pudesse ter tanta interferência no que sou, no que faço, no que quero e no que sinto.

Isso me assusta.

Ainda não assumi que toda a sua influência em mim só faz bem, que me transforma em alguém melhor e me faz mais feliz.

Como você sempre me diz, falta mesmo é perder o medo de sentir.

Talvez as minhas cicatrizes ainda sejam maiores que a coragem de tentar de novo e por isso prefiro pensar que odeio tudo o que você causa em mim.

Odeio, principalmente, ter que reescrever em um próximo e previsível momento outro texto confessando que por você eu posso sentir os mais variados sentimentos, mas que ódio nunca foi e nunca será um deles.

Eu odeio tudo isso e te amo cada vez mais.


Publicado em Sem categoria | 7 coment√°rios

Coração frio e alma pegando fogo

Se você quiser, pode ler o texto ouvindo: Set fire to the rain

 

Desculpa, mas estou abandonando o barco!

N√£o quero mais ser uma das √ļltimas rom√Ęnticas dos litorais desse oceano Atl√Ęntico. Chega.

Quero morar em terras mornas, sem muita intensidade. Quero ser fria para suportar algumas coisas que fogem do meu entendimento.

Não estou querendo justificar todas as merdas que faço na contramão do amor, pois sei que vou continuar fazendo. Só não quero sentir tanto, tudo.

Quando saio de casa levando a minha coragem no bolso da calça jeans, não é por medo de amar, mas para enfrentar todo o fardo que vem a cada fim.

Estou cansada disso.

Quero ser fria. Quero um signo novo, que não sinta influência de nenhum planeta, muito menos da lua que me enlouquece a cada fase.

Todas as vezes que algu√©m mentir ou me enganar, n√£o quero ser sens√≠vel e chorar, quero seguir em frente e apagar essa pessoa da minha vida em 3, 2… j√° foi!

Se um cara passar uma noite comigo e depois sumir, n√£o falar, ignorar… quero achar normal e n√£o uma falta de respeito com os meus sentimentos.

Quero ser vil, ter o coração gelado e apenas o corpo quente.

Chega de supervalorizar beijos, abraços e frases piegas.

Chega!

Estou doando as minhas cartas de amor n√£o enviadas, os meus cds de Beth√Ęnia e a minha cole√ß√£o de textos do Caio Fernando Abreu. Mando entregar e nem cobro frete.

A tend√™ncia agora √© gostar de todo mundo e n√£o querer ningu√©m, √© repetir os mesmos di√°logos doces com v√°rias pessoas, √© n√£o ter prefer√™ncia por nenhum sorriso, mas fingir e fazer o outro acreditar que √© √ļnico.

Game over para n√≥s, os rom√Ęnticos!

S√£o tantas provas de que somos bobos, que √© hora de acreditar que estamos fora de moda mesmo… ultrapassados.

Agora quero um coração sem sobressaltos, sem disparos. O apito linear do eletrocardiograma pode até incomodar no início, mas uma hora ele para e aí é sinal que os aparelhos que alimentavam o amor, foram desligados.

Me tragam uma dose dupla de frieza, sem borboletas no est√īmago para acompanhar, sem suspiros, sem l√°grimas… s√≥ com gelo, muito gelo!

 


Publicado em Sem categoria | 22 coment√°rios

Eu, você e quase nós dois

Se voc√™ quiser, pode ler o texto ouvindo:¬†Won’t Go Home Without You

 

A gente quase n√£o se conhecia.

Quase o acaso n√£o ajudava para que um notasse o outro.

Quase desistimos de sair na primeira vez.

Quase n√£o tentamos de novo.

Quase liguei desmarcando a segunda vez.

Quase não nos víamos nunca mais.

Quase não acreditei que a nossa insistência nos uniu por tanto tempo.

Quase nos dissemos eu te amo, mas n√£o… melhor n√£o.

Quase nos odiamos, mas decidimos digerir o veneno que destilaríamos no outro.

Quase pedimos desculpas, mas havia sempre um perd√£o a espera.

Quase matamos a saudade, mas o tempo nunca era suficiente.

Quase fomos amantes, namorados ou qualquer coisa.

Quase pensei que não nos veríamos nunca mais.

Quase achei que estivesse curada de você.

Quase te liguei naquela noite pra pedir que nunca mais me procurasse.

Quase pensei que você diria alguma coisa que me fizesse ficar.

Quase acreditei que havia sentimento quando você voltou.

Quase me senti feliz quando você foi embora.

Quase esqueci quanta falta você faz.

Quase fiz um diário para anotar todas as frases lindas que você me disse.

Quase quis apagar da minha memória todas as suas lembranças.

De tudo o que dissemos, sentimos, fomos e vivemos, nada me incomoda mais do que o quase.

Porque ‚Äúquase‚ÄĚ n√£o √© pouco nem √© muito.

Quase, é nada!

Quase, é não ser inteiro ou completo. São pedaços, migalhas e metades.

O ‚Äúquase‚ÄĚ, √© assustador.

As quase vontades, as quase decis√Ķes, as quase verdades e as quase alegrias.

√Č estranho quase ter algu√©m, quando o seu cora√ß√£o quer ser, completamente, do outro.

Quase é o meio do caminho.

Assim é a nossa quase história.

Metade eu, metade você e quase nós dois.

 

 


Publicado em Sem categoria | 8 coment√°rios

Procura-se um coração

Se você quiser, pode ler o texto ouvindo: Kelly Clarkson РBreakaway

 

Se alguém aí souber de um coração tão bobo quanto o meu, me avise.

Quero perguntar à ele se é só em mim que o amor quer criar raízes ou se existem outros terrenos férteis como o meu.

Vou perguntar se ele tamb√©m confia, se entrega, quer construir um ‚Äún√≥s‚ÄĚ ou se tudo isso n√£o passa de loucura do meu romantismo.

Preciso entender, se s√≥ eu acho que √© poss√≠vel viver um amor que seja capaz de trazer muito mais felicidade que ang√ļstia ou se isso √© utopia e apego.

Vou querer saber se a expectativa que nos faz sorrir mais fácil, precisa sempre resvalar em frustração ou se em algum momento ela será não só superada, mas correspondida.

Quero saber se √© normal querer algu√©m que me olhe de um jeito que seja s√≥ meu, que goste de rir de besteiras, falar coisas s√©rias e rid√≠culas, acordar no meio da noite e dizer ‚Äúeu te amo‚ÄĚ… e fazer todas as coisas clich√™s que a paix√£o nos permite.

Preciso saber se esse coração também acredita que é possível existir sinceridade nas palavras do outro ou se estaremos sempre nos decepcionando, relendo velhas mensagens e percebendo que tudo não passou de um engano.

Eu preciso achar um coração bobo como o meu!

Talvez ele consiga entender a vontade que tenho de cuidar, proteger e amar quem estiver ao meu lado.

Talvez ele não me critique por ter construído um muro de dificuldades, para evitar que pessoas superficiais se aproximassem de mim.

Talvez ele j√° tenha sofrido tanto quanto o meu e diga por onde devo ir ou o que fazer.

Talvez confirme que ficar sozinha é mais confortável que me decepcionar e enganar tantas vezes.

Ou talvez me diga que tenho que continuar tentando, arriscando, ainda que as vezes chorando.

Procura-se, desesperadamente, um coração tão bobo quanto o meu.

S√≥ ele vai poder me provar que n√£o sou uma insana portadora de ilus√Ķes, ali√°s desde quando amar sem se entregar, √© amar?

Preciso saber se posso seguir assim sem medo ou se estou sozinha em um mundo onde n√£o existem mais cora√ß√Ķes como o meu… bobos e cheios de amor.

 


Publicado em Sem categoria | 4 coment√°rios

Ci√ļme nos olhos dos outros √© teoria, do outro lado √© agonia

Dia desses um leitor do blog, muito querido, me perguntou (e me pediu para escrever) sobre o que eu achava do ci√ļme. Confesso que depois de um bom tempo sem me permitir sentir ou pensar sobre isso, foi um pouco dif√≠cil come√ßar a expor as minhas considera√ß√Ķes sobre este sentimento que, por muito pouco, n√£o se tornou o oitavo pecado capital.

O ci√ļme √© doentio, aprisiona, incomoda e faz sofrer quem sente e quem √© v√≠tima, j√° diriam os defensores da liberdade.

O ci√ļme √© medo de perder, quem ama sempre sente e √© estranho quem diz n√£o sentir, defenderiam os mais passionais e v√≠timas constantes dele.

A questão se tornou tão séria e mal vista, que até os que sentem, começaram a disfarçar, sufocar, dizer que não sentem apenas para não serem vistos como seres à margem da sociedade.

√Č quase certo que na luta pelo preconceito ainda vamos encontrar, junto √†s placas de ‚Äúabaixo a homofobia‚ÄĚ, ‚Äúabaixo o racismo‚ÄĚ, a n√£o menos importante ‚Äúabaixo os ciumentos‚ÄĚ.

Existem graus nocivos de controle. Algumas pessoas n√£o dominam a ira, n√£o pensam duas vezes em brigar, expor e humilhar o parceiro, chamando de ci√ļme o que na minha opini√£o parece mais com falta de controle emocional ou psicol√≥gico, como queiram.

Esse tipo de rea√ß√£o comumente associada ao ci√ļme, √© deplor√°vel, sem sentido ou prop√≥sito e acredito que erra mais quem se submete e n√£o d√° um basta em rela√ß√Ķes constru√≠das nesse alicerce de grilh√Ķes e algemas.

Do outro lado da hist√≥ria, est√£o aqueles que cultivam o medo que vem junto com o amor… aquela sensa√ß√£o de inseguran√ßa √† menor amea√ßa de perder quem est√° ao seu lado.

O fato √© que √© dif√≠cil ou raro, n√£o sentir ‚Äúnada‚ÄĚ. Olhar quem voc√™ ama e achar normal se essa pessoa quiser sair sozinha sempre, passar dias longe e dar o mesmo tipo de carinho para voc√™ e v√°rias pessoas… sem distinguir ou mostrar que voc√™ √© mais especial.

Da mesma forma que nem sempre é bom ouvir ou sentir que o outro não se importa muito. Perceber que o parceiro lhe deixa solto demais, sem nenhuma preocupação.

Na real, o que acho mesmo, √© que sentir ci√ļmes √© p√©ssimo… ser v√≠tima de um ci√ļme excessivo √© p√©ssimo, ver que o outro n√£o se importa com voc√™, √© p√©ssimo e deixar de se importar tamb√©m √© p√©ssimo, pois √© sinal de que, talvez, o sentimento tenha acabado.

N√£o sei se √© um problema t√£o grande como pintam, o fato de sentir aquele ciuminho bobo, quando se est√° em um relacionamento. Desde que voc√™ n√£o seja prejudicado por ele, nem prejudique ningu√©m. Alguns at√© classificam o ci√ļme como term√īmetro. Se ainda sentem, gostam! Mas quando j√° n√£o se incomodam e ele nem aparece, √© sinal que acabou. N√£o concordo muito, mas respeito!

De qualquer forma, se chegar em um ponto que machuque ou tire o centro, a tranquilidade, aí não dá. A paz interior é impagável e nada que a ameace, valerá a pena, para nenhum dos lados.

 

 


Publicado em Sem categoria | 1 coment√°rio

Terminamos o seu namoro em 30 segundos

Ontem, uma amiga me marcou no link de uma mat√©ria que falava de um site especializado em ‚Äúterminar relacionamentos‚ÄĚ, a partir de R$15,00. Existe mesmo. √Č um site americano, ent√£o se a pessoa que voc√™ quer terminar, n√£o souber ingl√™s, n√£o vai ajudar muito. Caso queiram conhecer, √© s√≥ clicar aqui.

Mas fiquei imaginando uma versão desse negócio, aqui no Brasil, na Bahia, em Salvador. Pior, na sua caixa de texto ou em uma ligação inesperada.

Imagine você que em uma sexta-feira a tarde, você está feliz pois vai encontrar a criatura e começar um final de semana a dois, quando de repente, não mais que de repente, o seu celular toca.

Cliente: Al√ī

Empresa: Boa tarde! √Č a senhora Maria?

Cliente: Sim. Quem fala?

Empresa: Aqui √© Oduvaldo da empresa ‚ÄúDeu ruim pra voc√™‚ÄĚ e quer√≠amos lhe encaminhar uma mensagem encomendada pelo seu namorado, que na verdade est√° deixando de ser neste exato momento.

Cliente: Como? O que? Isso é um trote?

Empresa: Não, senhora! Nós somos uma empresa séria. E a partir de agora, lhe falarei a mensagem, ok?

Cliente: T√° bom. Pode falar.

Empresa: Segue: ‚ÄúOi Mom√īzi‚ÄĚ

Cliente: Epa! Que intimidade é essa?

Empresa: Senhora, é que ele pediu para lhe chamar pelo apelido que ele usa.

Cliente: Ah t√°…

Empresa: Por favor, n√£o me interrompa mais: ‚ÄúMom√īzi, eu sei que voc√™ acha que t√° tudo bem entre n√≥s, mas na verdade, n√£o est√°. Eu t√ī super-hiper-mega nem a√≠ pra voc√™ e j√° engatei at√© uma pega√ß√£o com a colega do meu curso. Espero que voc√™ entenda esse meu momento e seja feliz. Beijo. Moz√£o.‚ÄĚ

Cliente: (em prantos) Eu n√£o posso acreditar que o Flavinho fez isso comigo.

Empresa: Senhora, eu pe√ßo que se acalme para anotar o n√ļmero do protocolo, caso queira ligar e pedir que esta mensagem seja falada, novamente.

Cliente: (continua em prantos) Tá. Tem alguma versão escrita pra você me mandar um print?

Empresa: Não! Ele optou pelo pacote simples. Ligação e mensagem escrita é mais caro.

Cliente: Miser√°vel, m√£o de vaca, insens√≠vel, filho de uma p…

Empresa: Senhora? N√£o gostaria de nos contratar para passarmos esta mensagem para ele?

Cliente: N√£oooo! Quero que ele v√° pro inferno… e voc√™ tamb√©m.

Empresa: Ok! A ‚ÄúDeu ruim pra voc√™‚ÄĚ agradece a sua aten√ß√£o e se coloca √† disposi√ß√£o para qualquer coisa que precisar… foras, retomadas, pedidos de desculpas e cart√£o C&A, caso ainda n√£o tenha. Boa noite e bom final de semana.

 

Minha gente, a situa√ß√£o √© cr√≠tica! √Č claro que devem existir vers√Ķes carinhosas e clich√™s usadas pelo site, mas isso n√£o melhora o absurdo que √© um tipo de servi√ßo como este, na minha opini√£o.

Quem não tem coragem de se expressar, de falar o que sente em nenhuma das etapas do relacionamento, deve achar esse negócio, o máximo.

Quanto a n√≥s, que ainda acreditamos na sinceridade e respeito, continuemos da maneira tradicional mesmo… aquela de terminar olhando no olho, sabe? F√°cil n√£o √©, mas √© muito mais nobre.

 

 


Publicado em Sem categoria | Deixar um coment√°rio