Cr̫nica РA Festa

Desde que terminamos, era a primeira vez que me sentia forte e preparada para reencontrá-lo. Sabia que você estaria naquela festa… talvez acompanhado ou só, mas estaria. Eu me sentia pronta para o embate, não iria desertar como fiz em tantas outras vezes… desistia de ir aos lugares, por medo de te encontrar e descobrir que ainda havia sentimento.

Dessa vez,não! Nada me afastaria da possibilidade de estar frente a frente com você. Mas não poderia ser de qualquer jeito, tinha que ser em grande estilo.

Cuidei de todos os detalhes… cabelos, mãos, pés, corpo hidratado, maquiagem perfeita e um vestido que tiraria o fôlego de qualquer homem… eu estava linda! A segurança e tranqüilidade que sentia me dava muito mais beleza e quando me olhei no espelho, tive certeza que você seria atingido.

Eu estava certa! Quando entrei na festa, percebi você de imediato… estava sozinho! Os nossos olhares se cruzaram e uma satisfação física percorreu o meu corpo quando notei no seu olhar, aquele mesmo desejo que tantas vezes vi de perto quando ainda estávamos juntos.

Acenei, de longe, e continuei caminhando. Notei que em vários momentos você tentou se aproximar de mim, mas eu estava sempre conversando com outras pessoas ou dançando… ou sorrindo… ou vivendo!

Em meio a todos os convites para dançar, aos homens  que insistiam em me ver de novo, às atenções todas voltadas para mim, era em você que estava o meu pensamento… nada daquilo me envaidecia, mas me causava uma alegria incontrolável ver que você estava incomodado com o meu brilho.

Quando eu já havia cumprido a minha missão… que era fazer você perceber o que perdeu, decidi que era hora de ir embora… mas não iria sozinha, escolheria algum dos rapazes que tanto me paqueraram para ir embora comigo.

E então ao me aproximar da saída, mesmo acompanhada, senti que você se aproximou e segurou o meu braço, pedindo que eu ficasse mais um pouco, pois queria falar comigo. Depois de ter passado um filme na minha cabeça de tudo o que sofri por você e de quantas vezes sonhei te ouvir me pedindo que ficasse, respondi apenas:

- Preciso ir… já é tarde! Muito tarde!

E assim te deixei ali… plantado na porta da festa, acompanhando com o olhar os meus passos até chegar no carro e ir embora na companhia de outro homem. Sim, a sensação era muito boa, era algo que esperei muito que um dia acontecesse.

Mas a vitória dessa batalha não era minha. O vencedor foi você! Mesmo tendo dançado e me divertido com outras pessoas, mesmo indo embora acompanhada de um homem lindo e interessante, mesmo não tendo ficado quando você me chamou…

Era nos seus braços que eu queria ter terminado aquela noite!

Esta entrada foi publicada em Românticos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

35 respostas a Cr̫nica РA Festa

  1. Capitão Caverna disse:

    A estória descreve a linda confissão de uma covarde mulher -- ardente em paixão e dissimulada para subjugar justo o indivíduo ao qual deseja ‘se entregar’ -- o mórbido prazer de vingança feminino -- Por vezes por ‘nada’; e que quase sempre a grande derrotada é a mulher (- a exemplo: a personagem -), que passará o resto de seus dias a lembrar e ou suspirar como poderia ter sido se, seu orgulho, não fosse o real inimigo de sua felicidade!
    No próximo baile, ela poderá estar linda como for: será apenas mais uma, porque com certeza o “cavalheiro” estará ocupado demais para dispensá-la atenção.

  2. Sá Vilares disse:

    Concordo plenamente com o Capitão Caverna, acho que se esta mulher não tivesse se importado com este tal homem e curtido a sua festa com certeza ela iria sair com outro olhar a respeito do cara. Mas as vezes a mulher só pelo simples fato de ser orgulhosa não teve a mínima humildade para cumprimentar o rapaz. Se ela fizesse isso com certeza iria se sair muito superior ao rapaz.
    As vezes as mulheres pensam e idealizam coisas que não existem.
    Então vai uma dica as mulheres: sejam humildes por q com isso vcs ganham muito mais a moral com o homem, agindo desta forma estúpida e humilhante só faz afastar mais um cara que pode se tornar um amigo seu :/

    Bjim Lôra… Tidollo!!! ;)
    :) :) :)

  3. Paloma disse:

    Quero maaaaaais!!!
    Ahh bem q podia ter próximos capítulos dessa história.
    Adorei. Tenho certeza q mtas mulheres já passaram por isso.
    Vc tem q escrever um livro, Liz..rsrsrs
    Beijos

  4. Nana disse:

    Sei bem o que é isso!!!
    Parece até q vc escreveu p mim :)
    Bjokas

  5. Andre disse:

    Linda crônica! E, como sempre, a foto ilustra de forma fantástica!
    Bjo, Lorão

  6. Marcela Oliva disse:

    Acredito que por mais que se deseje existem coisas que não precisam ser vividas novamente, já que o resultado final será o mesmo. Ela não precisa do olhar dele nas outras festas… o dia era aquele.
    Por mais que quisesse estar nos braços no final daquela noite, nas outras iria se arrepender…

  7. Lianne disse:

    Liz…
    achei que a vingança maligna daria a personagem o prazer de NÃO QUERER MAIS!
    Dar a ele o gostinho de que ainda o pensamento estava nele, é sem sombra de dúvidas a covardia de mulher em pessoa. LINDA, PERFEITA e GLAMOUROSA…. Não merecia um final assim… A mulher tem que dar a volta por cima e ser A poderosa do começo ao fim. Acho que o final merecia sim… um gostinho do desprezo e o pensamento de quê: ELE SABE O QUE PERDEU E NÃO ME MERECE. O cara lindo e perfeito da saída da festa é a possibilidade de fortalecer o ego esquecido. Fortalecer a auto-estima e pensar que todos os dias serão momentos de sentir-se linda como este.

    Adooooroo sempre. beijoooooooooo

  8. Patricia Guerra disse:

    Coisa fina essa moça… parece até gente q eu conheço !!!
    Ou então é cenário recorrente, história que se repete quando não se dá valor ao que se tem e acaba perdendo.

    A cereja do bolo, digo do post, foi o comentário de Dindinha Marcela.
    Arrasou,

    Lindo texto, Lorão !
    bjks

  9. Léo Nogueira disse:

    Concordo com Marcela!
    Não é preciso tentar de novo qdo se sabe onde vai dar.
    A mulher da história não é covarde, nem deixou q o cara percebesse os seus sentimentos.
    Ela segurou a onda e foi embora de cabeça erguida.
    Agora.. não tem como mandar no coração, ela ainda gosta, mas ele perdeu (fez alguma merda) e não vai ter a gata de volta!
    Pelo q entendi dessa linda crônica, o enredo é esse.
    Tô certo, Lorão????
    BEIJO

  10. Patricia Guerra disse:

    Léo,
    Vc pode faz parte daquele grupo: Universiários… Silvio Santos precisa de vc! hahahaha
    Matou a charada!

  11. Léo Nogueira disse:

    ahahahaha
    Valeu, Pat!
    Bjos

  12. Capitão Caverna disse:

    É verdade… .
    E por mais incrível que parecesse: os universitários (quase sempre) erravam; Dessa vez, não foi diferente, até mesmo no incentivo da ‘plateia’.

    Se o ‘cara’ da estória tivesse feito algo errado, ao invés da mocinha estar por dentro em pólvoras muito provavelmente, trataria de passar com um na cara do elegante ‘ex’, logo na chegada, ao invés de sair da festa com outro qualquer, como se assim imprimisse fuga…para não se jogar aos pés de quem de fato a seduz.

  13. Patricia Guerra disse:

    é Captain… como se relacionamento fosse receita de bolo.

    Alo ???

    tsc…

  14. Marcela Oliva disse:

    Discordo, Capitão.
    Acredito que essa modalidade de chegar na festa com um cara é mais uma estratégia de filme americano e novela da Globo e já esperada pelo ex. Nada melhor do que deixá-lo no canto janela enquanto ele a vê ser desejada por muitos e não apenas um.

    E o poder de escolha sempre foi dela, pois ela poderia sair da festa com qualquer um. Inclusive com ele.

  15. Capitão Caverna disse:

    Srta. Patrícia Guerra,

    Ao que me consta, quem pôs uma “cereja” nessa estória, não fui eu. Deduz-se que seria confeito de bolo!Realmente, tem gente pelo mundo afora que prepara excelentes pratos, de memória -- sem a necessidade de ‘receita’! (- rsrs -)

    Sra. Marcela Oliva,

    O cavalheiro poderia ‘até’ esboçar uma expressão corporal que presumisse deseja-la, porém, de mais a mais, convenhamos: um sabor experimentado, nunca mais será um gosto esquecido.
    Assim sendo, já foi…e que venham novas receitas!! (- rsrs -)

  16. Patricia Guerra disse:

    aham.. sua teoria é boa demais…
    E se é tao boa tá fazendo o q em casa numa sexta feira a noite ??

    Falando nisso,… fui.. xo ir comer meu bolinho!
    hahahahaha

  17. Capitão Caverna disse:

    E por que é sexta feira, a noite, obrigatoriamente tinha que estar na rua?
    Desculpe jovem: nossos “finais de semana” têm indicativos nominais diferentes: minha sexta, começa na sua segunda e termina na quarta (ou raramente na quinta) feira.

    Cuidado pra não engasgar com a semente da cereja!!

  18. Marcela Oliva disse:

    Capitão, acredito que não estamos lendo o mesmo texto.
    Está dito desde o início linha que ele a desejava. O desejo dela você só soube porque ela contou. Nunca brinque com uma mulher magoada, ela é mais brilhante do que imagina sua vã filosofia.
    E um gosto pode até não ser esquecido, mas com certeza pode ser superado.

  19. Patricia Guerra disse:

    Pode deixar q se rolar semente eu engulo.
    hauhauahuahua

    Santo bom humor omeu hoje!
    Fui que o bolinho tá pronto.

    hahahaha

  20. Capitão Caverna disse:

    Sra. Marcela Oliva,

    Gosto do desafio -- um pouco de emoção sempre dá um tempero a mais. {- as vezes, a depender do que seja, é legal “jogar fora”, só pra ter o gostinho de “lutar” pra ter de novo e conseguir -}

    O que é a vida sem grandes emoções ?! (- rsrs -)

  21. Brida disse:

    A moça aprendeu na raça que “o ódio tem melhor memória que o amor” e agora entende que ao menos para sua vida teria sido melhor se o fim daquela história os tivesse transformado em estranhos que não se reconhecem em meio à multidão. Mas, ainda assim, amanhã ou na próxima vez que se encontrarem ela vai enfiar a mão nos bolsos para disfarçar a tremedeira do corpo e com um sorriso lhe desejará bom dia.
    E se essa moça teve a coragem de humilhar o alguém que ela um dia ousou amar, quando ao mesmo tempo ela ainda queria ele, isso demonstra que, ela desesperadamente no impulso descobriu que pode se doar de novo, se apaixonar e sentir que um outro alguém, mesmo não sendo aquele cara, sentir atração por ela. Aí chega no ponto em que, ele descobre a mulher que perdeu… e ela sentiu o gosto do desafio!

    E o Capitão Caverna gosta de desafios… como se alguma Mulher das Cavernas um dia não esteve ocupado com outro enquanto ele pensava nela, ou não?

  22. Capitão Caverna disse:

    Sr(t) a. Brida,

    Planejar o futuro é interessante, estimulante, agradável…mas, ficar ‘sonhando’ acordado, (- quando se tem o domínio da razão -) com ‘algo’ que já passou (?), é bem mais fácil e menos dispendioso substituir por ‘outra’.
    Sempre ha alternativaS {- melhores e mais interessantes -}.
    Por que ficar atormentando-se?! {- isso é coisa de saudosista ou sado-masoquista -}
    Penso e vivo o presente; o passado, foi algo vivido ou não e lá permanecerá; o futuro?, não sei…quando tornar-se-a presente, quem sabe, talvez lhe diga.

    Como já dito: um sabor experimentado, nunca mais será um gosto esquecido!
    Quem venham os novos aromas!!

  23. Rodrigo disse:

    Dizer q os seus textos são maravilhosos é lugar comum!
    Sou apaixonado pelo blog e pela blogueira :)
    Beijos, Flor de Liz!!!!!!!!!!

  24. Brida disse:

    Nunca é tarde demais para experimentar novos ares, claro, conhecer novas paixões, viver um novo sabor, buscar uma paixão diferente… e o texto demonstra que, por mais que a moça quisesse ficar com seu ex amor, ela preferiu fugir da tentação… mas acontece que, a carne é fraca, a alma é safada e o diabo tema em atentar, e depende dela, no seu domínio de razão ou ela ficava com o ex ou simplesmente o abandonava…

  25. Shirlei disse:

    Liiiiiiiiiiiiiizzzzzzzzz,
    Este texto tá bombando nas opiniões amiga!
    Eu já fiz isto aí igualzinho…claro que já tem um tempinho. A sensação de poder é sublime!!!
    Não acho conveniente ela cair nos braços do ex!!! por mais sofrido que fosse o termino e por maior que fosse seu desejo. Se ele deu um ponto final que seja assim a sua vontade!!! ela precisa viver outros sabores, pq o anterior já “azedou” kkkkkk… quem vive de passado é museu.
    Amiga estou sentindo falta dos post de Cindy!

    Bjs e Feliz Dia das Mães!

  26. Rebeca disse:

    Perfeito!!

  27. Bruna Batista disse:

    Liiz,
    ando acompanhando seu trabalho com o blog a tempos,
    e cada vez, você esta melhor! Parabéns!
    Este texto é simplesmente tudo que uma mulher quer fazer com um homem que não soube dar o devido valor a ela!
    Otimo! :)

  28. LEO TXA disse:

    Tá vendo o que faz o orgulho bobo … rsrsr

    Eu no lugar dele daria mais atenção a cerveja, até porque mulher é igual a biscoito come uma vem 18.

    THE END.

  29. Bruna disse:

    PERFEITO!!!
    O gostinho de ter “dado a volta por cima”, o ego curado.. ahh isso sim é indescritível.
    Tbm queria a continuação dessa historia.
    Beijos prima lindaaaaaaa

  30. Capitão Caverna disse:

    Qual foi a “volta por cima” ?

    Saiu quase “fugida”, se jogando nos braços de um qualquer, só pra não dar o braço a torcer!

    Isso é “volta por cima” ?; Vai passar o resto da vida convivendo com a dúvida de como poderia ter sido, se não fizesse essa besteira e a lembrança do que viveu. Amargurada -- e depois infernizando a vida de outro, num resgate constante do que viveu anteriormente!!

    Como diz a molecada hoje em dia, “se ligue” : O mar não pra peixe. Fez carinha feia, fez biquinho: DANÇA.

    E a receita não mudou: “vacilou”, dançou…e para O indivíduo recompor-se: Beber TODAS com a ‘rapeize’ e ”””namorar””” muito! Rapidinho o coração fica leve, a alma fica solta e sempre pinta um novo e intenso amorzinho….pra começar tudo de novo novamente outra vez (- com toda redundancia e pleonasmo a que tem direito -)!

    Valeu?!!

  31. Bruna disse:

    A moca comeca falando de que ENFIM se sentia forte e preparada para rencontrar o seu antigo amor, sendo que em outras TANTAS VEZES ela ja tinha deixado de sair, com medo de encontra-lo.
    Estava se sentindo segura e tranquila, linda para reencontrar aquele que a tinha feito sofrer.
    Isso ja eh uma volta por cima.. nao?!
    “a sensação era muito boa, era algo que esperei muito que um dia acontecesse”

  32. carolly disse:

    Capitão Caverna.

    Isso é normal .
    Toda mulher gosta de se sentir assim.
    É muito gostoso.
    E se ela tiver que ficar com ele
    depois a sós…quem sabe?
    Mais alí não.
    O momento é de tortura.
    Pra ele pensar: Poxa perdi tudo isso?
    È produção total.
    Só pra causar o impacto.
    Ela nem precisa ficar com o cara com quem ela saiu.
    Ela só nunca poderia ter saído só.
    Aí sim, estaria tudo perdido.
    Nota 10 pra ela.
    E 1000 pra Liz,
    Que consegue tocar no ponto fraco de cada uma de nós.

  33. Capitão disse:

    Essa ‘volta’ dada pela personagem, saindo com ‘ares de superioridade’ só teria vigência enquanto o cavalheiro não passasse a ser ‘alvo’ ou caça de uma riva da própria personagem!

    Ou seja…continue delirando querida….JÁ FOI!!

  34. juliana disse:

    nuuuuuu…arrazouuuuuuuuuuuuuuuuuu!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

*