A par√°bola do Cachorro Uivando

Eu costumo contar em meus cursos, aulas e palestras, desde 2009, algumas parábolas que demonstram o quanto as pessoas reclamam e não fazem nada para melhorar uma determinada situação em que estão vivendo.

Entre tantas, as par√°bolas do ‚Äúsandu√≠che de mortadela‚ÄĚ, da ‚Äúvaquinha‚ÄĚ e a do ‚Äúcachorro uivando‚ÄĚ est√£o entre as minhas favoritas!

No meu primeiro dia de aula na disciplina de M√≠dias Sociais da Faculdade Social da Bahia, eu resolvi contar a par√°bola do ‚Äúcachorro uivando‚ÄĚ.

Antes que começasse a contar, uma aluna levantou a mão e falou que já havia escutado a história em uma palestra que eu tinha ministrado no ano passado.

Para minha surpresa, ela disse que a par√°bola n√£o s√≥ a fez pensar, como foi fundamental na sua tomada de decis√£o em sair do emprego! Ap√≥s refletir bastante, minha aluna resolveu tomar uma atitude contra o que ela denominava de ‚Äúordem burra‚ÄĚ e demitiu seu patr√£o!

Ela largou um emprego que pouco estava acrescentando à sua carreira e passou a empreender, montando um site sobre eventos em Salvador.

Perguntei, então, se ela estava feliz e se eu deveria contar a parábola para seus colegas. Minha aluna sorriu e disse que estava se sentindo bem melhor do que no seu antigo emprego e aconselhou os colegas a ouvir com atenção, pois, poderia mudar a vida de algum deles como havia mudado a dela.

Isso me fez refletir sobre a responsabilidade que temos quando propagamos alguma ideia ou conceito.

Quando falamos em p√ļblico, seja numa palestra, aula, curso ou, at√© mesmo, quando estamos aconselhando um amigo, podemos ser verdadeiros ‚Äúpontos de inflex√£o‚ÄĚ na vida de algu√©m! Uma semente jogada num terreno, quando encontra terra f√©rtil, pode gerar bons frutos!

Mas, a√≠ entra outro ponto fundamental: mesmo uma boa semente que encontre terra f√©rtil, vai germinar, crescer e render bons frutos sem ser regada, cuidada de um modo geral? Tirando rar√≠ssimas exce√ß√Ķes, a resposta √© N√ÉO!¬†O que significa que a responsabilidade de quem ouve √© t√£o grande quanto a de quem fala…

Essa √© a miss√£o da par√°bola do ‚Äúcachorro uivando‚ÄĚ: encontrar pessoas dispostas a sair da in√©rcia para buscar algo diferente em suas vidas!

Contar a parábola, em si, é como jogar as sementes. As pessoas que se encontram do outro lado, escutando a história, representam um terreno. E aquelas que apuram seus sentidos para escutar, representam a terra fértil.

Muitas pessoas presentes, sequer ir√£o ouvir, pois, estar√£o pensando em outras coisas, estar√£o conversando ou, simplesmente, estar√£o divagando…

As mesmas palavras, para outras tantas pessoas, ser√£o ouvidas, mas, como se ouvem tantas outras palavras durante os dias, semanas, meses.

Por√©m, decerto existir√£o aqueles que estar√£o atentos √†quelas palavras como quem pode estar diante de uma oportunidade, e agu√ßar√£o seus ouvidos, seus sentidos…

A par√°bola do CACHORRO UIVANDO

“Um homem estava viajando por uma estrada um tanto quanto deserta, quando percebeu que seu carro estava ficando com pouca gasolina e não seria prudente continuar viajando sem uma parada estratégica para abastecer.

Ao avistar um modesto posto, parou seu carro junto a uma das duas bombas de gasolina disponíveis e leu uma placa que indicava: SELF SERVICE.

Desceu do carro, olhou para um senhor que, tranquilamente, picava seu fumo numa cadeira de balanço na frente da entrada da lojinha do posto, acenou para ele e começou a abastecer seu carro.

Nesse momento, ele come√ßou a perceber um barulho estranho…

‚ÄúAAAUUUUUUUUUUUUU!!!‚ÄĚ

‚ÄúDe onde vem isso?‚ÄĚ ‚Äď Pensou ele.

‚ÄúAAAAUUUUUUUUUUU!!‚ÄĚ

O homem encheu o tanque, colocou a mangueira de volta na bomba e andou em dire√ß√£o ao senhor, que continuava a picar seu fumo…

‚ÄúAAAAAAUUUUUUUUUUUUU!!‚ÄĚ

- Boa tarde! ‚Äď Disse ele retirando sua carteira, mas, visivelmente incomodado com o barulho…

- Boa! S√£o setenta e seis reais! ‚Äď Disse o senhor, malmente olhando pra ele.

O homem retirou o dinheiro, entregou ao senhor e perguntou:

- O senhor n√£o est√° ouvindo um barulho?

‚ÄúAAAAAAAAAUUUUUUUUUUUUUU!!‚ÄĚ

- Estou, sim! Basta voc√™ olhar ali, do lado da casa e voc√™ vai ver meu cachorro…

O homem, num repente, foi at√© o lado da casa e viu um cachorro um pouco sujo, mas, grande e saud√°vel, deitado e uivando: ‚ÄúAAAAAUUUUUUUUUUUU!!‚ÄĚ

O homem voltou e perguntou ao senhor:

- Mas, porque ele est√° uivando?

- Ah! Isso é porque ali, onde ele está deitado, tem uma tábua que está com um prego pra cima!

‚ÄúAAAAAUUUUUUUUU!‚ÄĚ

O homem, quase que indignado, perguntou:

- Ele est√° deitado num prego? Mas, porque ele n√£o se levanta, ent√£o?

O senhor parou de picar seu fumo, fitou o homem nos olhos e disse:

- Com certeza, N√ÉO DEVE ESTAR DOENDO TANTO…‚ÄĚ

‚ÄúaaaAAAAAAAUUUUUUUUUUU!!‚ÄĚ

* * *

Se voc√™ chegou at√© aqui e leu esse texto, acredito que a par√°bola do ‚Äúcachorro uivando‚ÄĚ possa ser √ļtil EM ALGUM MOMENTO DA SUA VIDA…

Se o seu emprego, sua faculdade, seu professor, seu parceiro, sua vida ou, at√© voc√™ mesmo n√£o estiverem agradando, pare de ficar “uivando e uivando” e pense em como sair desta situa√ß√£o inc√īmoda para outra em que voc√™ possa se sentir melhor!

Por maiores que os obstáculos possam parecer, existe sempre algo que pode ser feito para mudar e melhorar o que você está vivenciando neste momento.

Saia do lugar comum. Observe. Escute. Conecte-se com novas possibilidades…

marca-blog-conectividade-por-pedro-cordier-para-o-portal-ibahia-versao-quadrada

Ou voc√™ pode busca novas escolhas que levem a diferentes caminhos ou…

‚ÄúaaaaAAAAAAAAAUUUUUUUUUUUUUUUU!‚ÄĚ

A escolha √© sua…

Sobre Pedro Cordier

Pedro Cordier √© CEO da Equilibra Digital, consultor, palestrante e especialista em Comunica√ß√£o, Criatividade e Conectividade. Mestrando em Cibercultura pela UFBA, formado em Marketing e P√≥s-graduado em Jornalismo Digital, Cordier √© professor em cursos de Gradua√ß√£o e de MBA (Gest√£o Estrat√©gica em M√≠dias Sociais), onde ministra a disciplina "Criatividade e Inova√ß√£o". Como Creative Technologist da ag√™ncia √önica, ganhou o pr√™mio colunistas Norte-Nordeste pelo case ‚ÄúTweetdoor‚ÄĚ, em 2011 e o 1¬ļ lugar, em 2012, na categoria Reconhecimento de Marca (tamb√©m com o case ‚ÄúTweetdoor‚ÄĚ) pela Internacional Newsmedia Marketing Association (INMA), uma das mais tradicionais premia√ß√Ķes do planeta. Eleito "o melhor perfil de Profissional de Comunica√ß√£o no Twitter" em 2010 e em 2011 (vota√ß√£o promovida pelo site Midiatismo). Eleito em 2012, um dos 100 Top Marketing Professors on Twitter pela conceituada revista Social Media Marketing Magazine.
Esta entrada foi publicada em Par√°bolas e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

18 respostas a A par√°bola do Cachorro Uivando

  1. Fernanda Menezes Fernandes disse:

    Professor, cada vez mais admiro os seus textos. Esses texto servem para visualizar mais al√©m e observar o tamanho da dist√Ęncia e das dificuldades que colocamos para resolver problemas simples. Com isso tudo, venho aprendendo cada vez mais, que quando um prego me incomodar, tenho quer parar de uivar e buscar solu√ß√£o.

  2. @MauricioDrum disse:

    O interessante √© que √© justamente isso o que acontece com muitas pessoas, seja em relacionamento, Faculdade… e principalmente no Trabalho onde isso mais de enquadra. N√≥s reclamamos de tudo , mas n√£o temos a coragem de sair do lugar para buscar o melhor.
    Basta uma atitude, um gesto, uma escolha e as coisas podem mudar pra melhor.

    • Pedro Cordier disse:

      Maur√≠cio, relembre as aulas da boa e velha F√ćSICA e ir√° perceber que precisamos utilizar uma determinada for√ßa para fazer com que um determinado corpo “saia da in√©rcia”… Nem que seja, a “for√ßa de vontade”! ;) )

  3. Aimê Silva disse:

    Muito reflexivo esse texto. Eu observo ao redor e vejo que o que faz as pessoas não reagirem é não quererem enfrentar o novo. O medo paralisa as pessoas e as coloca em situação de inércia. Então, elas não tem coragem de sair de um emprego que pague bem ou dar um fim em um casamento que já não existe mais, por medo de não encontrar uma nova pessoa.

    Preferem sofrer do que viver novas emo√ß√Ķes e vivem sempre reclamando ou colocando a culpa em Deus ou nas outras pessoas.

  4. Jaqueline Assemany disse:

    Excelente texto professor! Acomodar-se nunca é uma boa alternativa.

  5. Soane Souza disse:

    Em primeiro lugar! Parabéns professor, seu texto é muito bom.
    Me ajudou bastante, me ajudou a ter outra vis√£o na minha vida de agora em diante.
    Quantas vezes, j√° reclamei de v√°rias coisas, e n√£o procurei melhora.
    Nesse texto eu percebi que muitas pessoas reclamam e n√£o tentam melhorar.
    A mudança é o melhor caminho, com ela nós podemos deixar os problemas de lado.
    Nós podemos diminuir as dificuldades que colocamos nas coisas.
    Com outras escolhas e atitudes, podemos mudar nosso futuro.
    E torn√°-lo bem melhor.
    Chega de AAAUUUUUUUUUUUUUUUU, e vamos atr√°s de novos caminhos.

  6. Daniela Dantas de Oliveira disse:

    Excelente inje√ß√£o de √Ęnimo, para quem parou para ver o trem passar…

    √Č preciso seguir em frente, buscando novas expectativas sem medo de errar, e perceber que buscar o novo √© inevit√°vel, pois, pra frente √© que se anda…

  7. Camilla Luz disse:

    Concordo plenamente com as s√°bias palavras. As pessoas costumam se conformar com o estado em que se encontram a ponto de aceitar aquilo que tanto te incomoda por medo, receio ou seja por costume de “uivar”, de reclamar da vida, mas n√£o se impulsionam a reverter a situa√ß√£o.
    Penso que devemos sempre ir em busca do melhor , a vida é feita de oportunidades e se ficarmos alheios à isso, até mesmo um pequeno prego (fácil de ser retirado) se torna um grande problema em nossas mãos e a vida segue simplesmente porque deve seguir e nós continuamos sem propósitos, parados no meio do caminho reclamando do que poderia ter sido mas não foi.

  8. raquel gouveia disse:

    Estou sozinha no meu apartamento as 23:05 da noite, pensando em o quanto eu quero que algumas coisas fossem diferentes, mas tambem pensava que eu podia perder o que ja tenho nas maos por algumas coisas tao dificeis de acontecer,mas sabe, acho que assim como esse cachorrinho estou uivando, e a partir desse momento vou lutar pelo que eu quero e tenho certeza que vou conseguir.e com lagrimas nos olhos te agradeco pelo ensinamento e te digo que mesmo sem saber quem sou voce foi muito importante na minha vida. Obrigada.

  9. Eduardo disse:

    Abençoada a parabola, didatica e reflexiva!
    Gostaria de receber a parabola do sanduiche de mortadela!

    Grato Deus abençoe vc!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

*