Tecnologia

Apple confirma que iPhones e iPads são vulneráveis a hackers

Google e outros pesquisadores de segurança da Alphabet revelaram as duas principais falhas de chip

Agência O Globo

A Apple confirmou que iPhones, iPads e computadores Mac são vulneráveis ao ataque de hackers por causa de falhas reveladas por fabricantes de chips. A empresa vai oferecer uma atualização para corrigir problemas para o navegador de web Safari nos iPhones, iPads e computadores Mac. O anúncio foi feito depois que os principais fabricantes de chips revelaram falhas que deixam praticamente todo dispositivo vulnerável a ação de hackers, chamadas Meltdown e Specter.

Foto: Divulgação

Os responsáveis pelos navegadores da Google, da Microsoft e do Mozilla Firefox confirmaram à agência de notícias "Reuters" que as atualizações que eles atualmente possuem não protegem os usuários do sistema operacional iOS. Com o Safari e praticamente todos os outros navegadores populares não corrigidos, centenas de milhões de usuários de iPhone e iPad podem não ter meios seguros de navegar na web até que a Apple emita sua atualização. A Apple destacou, porém, que não havia casos conhecidos de hackers se aproveitando da falha até então.

Na quarta-feira, o Google e outros pesquisadores de segurança da Alphabet revelaram as duas principais falhas de chip. A Meltdown afeta apenas chips da Intel, enquanto a Specter afeta quase todos os chips de computador feitos na última década. A notícia provocou uma venda das ações da Intel, já que os investidores tentaram avaliar os custos para o fabricante de chips.

Em uma declaração em seu site, a Apple disse que todos os dispositivos Mac e iOS foram afetados por Meltdown e Specter. No entanto, as atualizações mais recentes do sistema operacional para computadores Mac, TVs Apple, iPhones e iPads protegem os usuários contra o ataque Meltdown e não retardam os dispositivos. Além disso, o Apple Watch não é afetado pelo Meltdown.

Os dispositivos Mac e iOS são vulneráveis aos ataques do Specter por meio de um código que pode ser executado em navegadores da web. A Apple disse que emitiria uma atualização para corrigir o navegador Safari para esses dispositivos nos próximos dias.

Pouco depois que os pesquisadores divulgaram as falhas do chip, o Google e a Microsoft lançaram declarações dizendo aos usuários quais dos seus produtos haviam sido afetados. O Google disse que seus usuários de telefones Android — mais de 80% do mercado global — ficariam protegidos se tivessem as últimas atualizações de segurança.

A Apple manteve o silêncio por mais de um dia sobre o destino dos centenas de milhões de usuários de seus iPhones e iPads. Ben Johnson, co-fundador e estrategista-chefe da empresa de segurança cibernética Carbon Black, disse que o atraso na atualização pode afetar o impulso da Apple para obter mais clientes empresariais a adotar seu hardware, se os dispositivos da Apple estiverem em risco.

— Algo tão grave recebe a atenção de todos os funcionários e executivos em uma empresa, e quando eles perguntam às pessoas de TI e segurança sobre isso e a segurança não tem resposta para iPhones e iPads, ele simplesmente não oferece muita confiança — disse Johnson.