Moda e Beleza

Aprenda a identificar seu tipo de cacho e a melhor forma de cuidar das madeixas

A regra número um para manter fios enrolados saudáveis é gostar dele do jeito que é

Agência O Globo

Qual ondulada, cacheada ou crespa nunca ouviu que cabelo liso é mais chique? Ou ainda que cabelo enrolado não é profissional? E quando insistem que o ideal é fazer uma escova para ir a uma festa? Se você tem cachos, provavelmente escuta frases como essas desde criança. Isso porque, até outro dia, não ter os fios “escorridos” era um problema. O Brasil já foi um dos países em que mais se gastava dinheiro com tratamentos químicos de alisamento. Mas, agora, a ditadura do liso está perdendo espaço para a mulherada que deseja assumir suas raízes — ancestrais e capilares — e dar adeus às chapinhas e aos secadores de uma vez por todas.

Foto:  Marcelo Tabach/Beleza Natural/Divulgação

Corte adequado
Parece besteira, mas a regra número um para manter fios enrolados saudáveis é gostar dele do jeito que é. Volume não é ruim, é apenas uma característica do cabelo. Quando isso é entendido, já é meio caminho andado para se apaixonar por suas molinhas. Muitos são mistos e têm mais de uma textura. Procurar um profissional especializado em cachos é fundamental. “Um bom corte é essencial para o cabelo cacheado ter um caimento adequado”, diz o cabeleireiro Ricardo dos Anjos, consultor técnico de O Boticário.

Cabelo muda muito
Muitas mulheres tiveram cabelo liso na infância e alegam que ele ficou “esquisito” depois. Na verdade, o fio se tornou ondulado (o cabelo muda muito depois da menstruação e da gravidez), mas, como ninguém ensinou a cuidar dele naturalmente (e aí entram a chapinha, o relaxamento e a progressiva), o resultado é um cabelo armado, com frizz, e que não é liso nem cacheado. “Nesses casos, um creme de pentear resolve o ‘problema’. É bom aplicar o produto mecha a mecha fazendo fitagem e amassar os fios de baixo para cima”, explica o hairstylist Wilson Eliodório.
Foto: Marcelo Tabach/Beleza Natural/Divulgação

Rotina de cuidados
O formato em espiral dificulta a distribuição da oleosidade natural em toda a extensão do fio e, por isso, necessita de mais hidratação. “É fundamental que a cacheada siga uma rotina de cuidados com lavagem, condicionamento, hidratação e creme de pentear, de duas a três vezes por semana. É essencial também evitar a água quente na hora de lavar e enxaguar, já que o calor resseca ainda mais os fios”, explica Lucia Santana, coordenadora técnica do Beleza Natural.

Dicas boas e baratas

De acordo com uma pesquisa feita pela L’Oreal, as onduladas, crespas e cacheadas utilizam 22% mais tratamentos que as mulheres de fios lisos. Isso não significa, portanto, gastar muito. Há dicas caseiras e bem baratinhas que ajudam a hidratar e a nutrir as madeixas. “Uma boa água mineral ou soro fisiológico é ótimo para arrumar o cabelo no dia seguinte à lavagem, quando ele acorda desarrumado. Usar óleos vegetais, como de coco e azeite, antes de dormir e tirar de manhã é maravilhoso”, ensina Eliodório.

2A: como o de Gisele Bündchen, é considerado por muitas “o cabelo dos sonhos”. Possui uma leve ondulação nas pontas. Se usar um secador, o fio passa por liso tranquilamente.

O ideal é não usar nada muito oleoso para o fio não pesar e investir em produtos de consistência e formulação leves.

Para deixar as ondas mais marcadas, é indicado usar géis e musses com alta fixação. Mas não espere cachos nesse fio.

2B: esse tipo de cabelo tem a raiz lisa e as ondas mais acentuadas a partir da altura dos olhos, como o de Isis Valverde.

Ainda não tem cachos naturais, mas, se o fio for bem finalizado, o resultado pode ficar bem diferente. É um tipo de fácil definição. Aí, sim, os cachos podem surgir.

Esse cabelo tem uma leve tendência ao frizz. Mesmo precisando de produtos que não pesem, o fio 2B pede um condicionador mais hidratante.

2C:
esse ondulado, como o de Sophie Charlotte, é encorpado, tem mais volume e começa na raiz. As ondas são mais definidas e formam até cachos mais largos.<YR> <EP,1>

Nesse tipo, o óleo já pode ser usado em maior quantidade, porque esse fio é mais resistente e também propenso ao frizz.

Usar e abusar de finalizadores vai deixar o cacho mais definido. O corte em camadas é ideal para valorizar ainda mais as ondas e os cachos.

3A: os cachos são largos e soltos e podem ser confundidos com aqueles produzidos por babyliss. É fácil de modelar e bem flexível. É o tipo de cabelo de Leandra Leal.

Dependendo da finalização, esse fio é diferente todo dia. Creme de pentear com óleo é uma boa combinação.

A oleosidade fica presente na raiz. O ideal é usar o xampu sem sulfato ou revezar o xampu tradicional com um condicionador limpante.

3B: os cachos têm a forma da letra “S” e são mais apertados, como na foto de Juliana Paes. Não é um cabelo tão brilhoso quanto o anterior, e sua textura é mais ressecada.

O comprimento interfere bastante na definição dos cachos: eles são mais encaracolados em fios curtos e perdem definição se estão muito grandes.

A modelagem é um pouco mais difícil que o tipo 3A. Cremes e géis são ótimos para reduzir o frizz e dar mais definição.

3C: aqui, os cachos são mais apertados, com a circunferência parecida com a de um lápis, como o cabelo de Lucy Ramos. Tem mais volume que os tipos anteriores, mas com os cachos mais abertos que os fios 4.

É um cacheado que quer ser crespo. Se soltar a raiz com um pente garfo, ele passa tranquilamente por um tipo 4.

É um cabelo que define com o uso de cremes e dispensa géis, que podem ressecar os fios.

4A:
esse primeiro tipo de crespo tem cachos que parecem molinhas, como os de Taís Araújo. Quando está molhado, parece um 3C, mas, quando seca, ganha volume.

Apesar de parecer ser um fio grosso, a textura é fina e frágil. Isso o deixa mais propenso a danos naturais.

Manteigas e óleos vegetais são fundamentais para manter os fios hidratados e nutridos. Para lavar, o ideal é usar condicionadores limpantes e abolir o xampu.

4B:
esse crespo não segue um padrão definido e às vezes tem um ângulo parecido com o “Z”. Os fios são firmes e dobradinhos, como os de Erika Januza.

O fator encolhimento faz o cabelo perder 75% do tamanho quando seca. Os fios adoram condicionador limpante para higienização.

Escovas para fazer fitagem facilitam o desembaraço sem arrebentar os fios, que também são finíssimos e precisam de hidratação constante.

4C: dificilmente segue um padrão: é livre e muda bastante. Pode ter fios finos e grossos, e com alguns aglomerados. É o tipo de cabelo de Tatiana Tiburcio.

É um cabelo mais difícil de ser definido e precisa ser bem estilizado para ganhar cachos mais formadinhos.

O cabelo é frágil e precisa de constante cuidado para ficar saudável. É versátil e permite uma variedade de penteado. Os óleos são aliados para criar estilos diferentes.