Nova Concha

Artistas destacam qualidades da Concha Acústica um ano após a reforma

Nesse período, shows de artistas como Gilberto Gil, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Ney Matogrosso e Zé Ramalho foram realizados

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Após um ano de reabertura da Concha Acústica, 240 mil baianos - e, claro, turistas - já curtiram os shows. Nesse período, 66 shows de artistas como Gilberto Gil, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Ney Matogrosso, Zé Ramalho, Nando Reis, Marisa Monte foram realizados. E se o local agrada ao público, o mesmo pode se dizer dos artistas.

Um deles é Tonho Matéria, que afirma que a Concha foi seu passaporte para o mundo da música. "A primeira vez que eu pisei na Concha Acústica foi em um festival chamado Fest in Bahia, junto com Salif Keita e com Araketu. Daquele momento em diante, a Concha me deu a possibilidade de ser respeitado dentro e fora da minha terra. Tanto que eu saí dali direto para fazer minha primeira turnê na Europa, em Zurique, e depois em Montreux. A Concha Acústica é a música, é a arte, é o espaço que nos agrega e que nos dá a possibilidade de existência enquanto artista”, ressalta o cantor".

Outro que se recorda de bons momentos na Concha é o vocalista da Baiana System, Russo Passapusso. "Tenho momentos inesquecíveis na Concha, alguns deles foram assistir Nação Zumbi, Gilberto Gil, Lucas Santana, e outras pessoas que a gente se espelha muito. Foi ali que vi o primeiro momento disso, de quebrar a quarta parede, um palco que por si próprio já quebra a quarta parede".

O irreverente Magary Lord também elogia a Concha. “É um lugar mágico, traz artistas locais e de fora. A comunidade agradece, a gente é muito feliz por ter esse espaço. Ainda mais agora, que passou pela reforma e está completando um ano da sua reabertura. Está linda, eu tive a oportunidade de participar de alguns shows lá. A casa já recebeu tanta gente consagrada, Caetano, Gilberto Gil, Gal Costa, Maria Bethânia, e é muito bom que esteja sendo preservada”.

Antônio Carlos dos Santos, o Vovô, presidente do Ilê Aiyê, destaca a localização do espaço. “A Concha é importante para a cultura da Bahia. Salvador é a cidade da música, mas tem poucos espaços receptivos como esse, com facilidade de acesso. É uma bola dentro do Governo do Estado ter recuperado e reinaugurado a Concha Acústica, porque as pessoas sempre se queixam dos espaços onde as apresentações são realizadas. A Concha é centralizada, bem localizada, um espaço privilegiado e para todos os artistas”.

Comentários