E. C. Bahia

Bahia supera desastre de Hernane e goleia Galícia na Fonte Nova

Jogador foi alvo de críticas após cobrança de pênalti no primeiro tempo

Fernanda Varela (fernanda.varela@redebahia.com.br)

O primeiro tempo deu a entender que Bahia x Galícia não seria um daqueles jogos bons de lembrar. Cobrança desastrosa de pênalti e placar enxuto. Mas nada que um segundo tempo não resolva. O tricolor reagiu, deu a volta por cima, goleou por 3x0 e deixou o torcedor tranquilão. Com o resultado, assumiu, provisoriamente, o 2º lugar no Baiano.

No primeiro tempo, a confiança em excesso atrapalhou. O Bahia entrou em campo com duas informações importantes em mente: é avassalador em casa, agora com 15 triunfos consecutivos, e tinha como adversário o pior time do Campeonato Baiano.

Melhor tecnicamente, mais rápido e presença constante no ataque. O tricolor foi superior ao Galícia durante todo o primeiro tempo. Chegou a meter uma bola na trave com uma cabeçada de Edson, desperdiçou três chances com Zé Rafael e assustou o goleiro do Galícia com um chute de Hernane. Ah, o chute de Hernane. Grave bem essa frase.

Aos 18 minutos, Matheus Reis cruzou uma bola para a área e Marcelo Sabino meteu o braço na bola. O árbitro marcou pênalti e Hernane partiu para a cobrança.  

O atacante partiu para a cobrança, ensaiou uma cavadinha e protagonizou, certamente, uma das suas piores cobranças da carreira. Chutou (lembra?) fraco, no centro do gol, como um recuo para os braços de Hugo. Foi feio. 

O torcedor do Bahia já começava a levantar para comprar uma cervejinha no intervalo para ajudar a digerir a pedrada do Brocador, quando, aos 41, Juninho cobrou escanteio para o meio da área. Lucas Fonseca apareceu e, de peito, mandou a bola para o fundo das redes: 1x0! 


Na volta para o segundo tempo, mais Bahia. Com lances de perigo do início ao fim, o tricolor tentou chegar ao segundo gol de todas as formas. Allione aproveitou rebote, Hernane tentou se redimir até sua última jogada em campo, Maikon Leite desperdiçou passe do Brocador. Mas, ironicamente, foi de pênalti que o Bahia chegou aos 2x0.

Aos 28, Adalto deu uma voadora em Allione na pequena área e o árbitro apontou a marca. O próprio argentino cobrou e mandou um foguete para o fundo do gol. Hernane, sentado no banco, assistiu e viu como se faz.

A torcida ainda comemorava o gol quando, no minuto seguinte, Edson Magal errou na saída de bola, Régis conseguiu chegar até a grande área, na saída de Hugo, com categoria, fez 3x0 e fechou o caixão. 

Comentários