E. C. Bahia

Bahia vira, mas leva dois gols de Robinho e empata com Atlético-MG

Edigar Junio volta a brilhar, mas tricolor deixa a Fonte Nova com empate em 2x2

Fernanda Varela, do jornal Correio (fernanda.varela@redebahia.com.br)

A expectativa era imensa. Mirando a Libertadores, o Bahia enfrentou o desfalcado Atlético Mineiro, adversário direto na briga pela vaga na competição, e saiu do jogo com um gosto amargo na boca. O tricolor saiu perdendo, chegou à virada, mas amargou um empate em 2x2 na Fonte Nova, neste domingo (12).

Antes da bola rolar, teve arrastão tricolor, empolgação e muita festa. A torcida ainda se preparava para esquentar o jogo quando Robinho, sem cerimônia, calou a Fonte Nova por alguns instantes e abriu o placar aos 4 minutos. O gol nasceu após uma jogada de velocidade de Valdívia, que deixou todo mundo para trás e tocou para Robinho, livre. Ele tirou Jean da jogada e mandou um chute alto no fundo do gol.

O Bahia teve maior volume de jogo na primeira etapa. Após sair atrás do marcador, o tricolor tentou chegar ao empate em cobrança de falta de Juninho e chute de fora da área de Allione, mas a chance clara de gol saiu dos pés de Mendoza, que perdeu um gol inacreditável na Fonte Nova.

Aos 35, Zé Rafael mandou um lindo lançamento para o colombiano, que partiu em velocidade e, cara a cara com Victor, chutou para fora e perdeu um gol feito. Apesar das jogadas criadas, aquela seria a única chance clara de gol do Bahia no primeiro tempo.

Na volta para a segunda etapa, o Bahia mostrou que não estava disposto a perder pontos preciosos em casa. Com apenas dois minutos, Allione chegou bem pela esquerda e tocou para Mendoza, que mandou um chute pelo lado de fora da rede e assustou o Galo.

O Bahia pressionou, pressionou e chegou lá. Aos 5, Edigar Junio desviou a bola após cobrança de escanteio e ela passou pertinho do gol. Dois minutos depois, Zé Rafael caiu após choque com Bremer e o árbitro marcou pênalti.

Em ótima fase, Edigar Junio partiu para a cobrança, sem chances para o goleiro Victor, e empatou. Parou por aí? Que nada. Aos 18, o tricolor conseguiu a virada com Edigar, que aproveitou cobrança de falta de Juninho e desviou de cabeça para o fundo do gol. Agora, o atacante tem nove gols nos últimos oito jogos. Artilheiro do time no Brasileirão, ele chegou ao 11º gol.

Quando a torcida tricolor fazia a festa, lá veio ele novamente para estragar tudo: Robinho. Aos 28, Luan fez um lançamento na medida, Tiago olhou a bola passar e parar com Robinho, que dominou e, sem deixar cair, mandou de primeira no fundo do gol de Jean. Tudo igual: 2x2.

Bahia e Galo ainda arriscaram, sem sucesso, e a partida terminou empatada. Com isso, o Bahia e Galo chegam a 46 pontos. A distância para o Flamengo, que está em sétimo e fecha a zona de classificação para a Libertadores, diminuiu de cinco para quatro pontos porque o rubro-negro carioca perdeu do Palmeiras por 2x0.

O Bahia, que completou cinco jogos de invencibilidade, volta a campo na quinta-feira (16), quando enfrentará o Santos, às 20h, na Fonte Nova. Até o fim do Brasileirão, o tricolor enfrentará ainda Sport (fora), Chapecoense (em casa) e São Paulo (fora).