Brasil

Carro encontrado em Minas Gerais não foi usado no assassinato de Marielle Franco

Polícia Civil descartou a hipótese de o automóvel ter sido um dos veículos que perseguiu o carro da vereadora

Agência O Globo

O Renault Logan encontrado pela polícia na cidade de Ubá, em Minas Gerais, após uma denúncia anônima, não foi utilizado na morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Pedro Gomes. Neste domingo, agentes da Divisão de Homicídios (DH) da Capital estiveram no município mineiro. Após uma vistoria, a Polícia Civil do Rio descartou a hipótese de o automóvel ter sido um dos veículos que perseguiu o carro da vereadora.

Foto: Reprodução/ Web Tv Minas
O dono do Logan encontrado em Minas Gerais é Luciano Dias Gonçalves, de 45 anos, mas o carro está no nome da DR da Silva Leilão de Veículos. Luciano tem passagens por tráfico de drogas. A última prisão dele foi no dia 22 de fevereiro, em Ubá, por porte de arma. Segundo a polícia, ele pagou fiança e foi solto.

O delegado Gutemberg Souza Filho disse que Luciano não soube explicar como e onde comprou o veículo. Ele teria fornecido informações desencontradas. O delegado disse ainda que, em princípio, está descartada a participação de Luciano na morte de Marielle.

À polícia, Luciano disse que tinha comprado o carro em uma loja em Ipanema, na Zona sul do Rio. Depois, disse que comprou o veículo na Barra da Tijuca, na Zona Oeste da cidade. Ele também contou ter adquirido o carro de um lojista.

Dois carros no crime
A polícia acredita que pelo menos dois veículos participaram do crime. Imagens de câmeras de segurança do Centro do Rio mostram o carro onde estava Marielle aparentemente sendo seguido por outros dois veículos de cor prata. O veículo onde estava o atirador é um Cobalt prata, cuja a placa é conhecida, mas estava clonada. O outro, um Logan, teria dado cobertura ao crime.

Suspeitos de tocaía

Imagens de câmera de segurança, obtidas pela TV Globo, mostram como os prováveis suspeitos ficaram de tocaia pouco antes do assassinato de Marielle e Anderson. Às 6h58m, um Cobalt prata para perto do local do evento em que a veredeadora iria participar na Lapa. Sem vaga para estacionar, fica na saída de um beco. O veículo apagou todas as luzes. Dentro do carro havia motorista mexendo no celular e uma outra pessoa - é possível ver o braço dela no banco de trás.