Empregos

Publicada em 18/06/2013 às 07h22. Atualizada em 18/06/2013 às 07h22

Coluna ValoRH: Conheça um pouco mais sobre a Engenharia de Produção


Especialista fala um pouco mais sobre uma das carreiras mais procuradas no momento


Da editoria Notícias & Empregos
publicidade


Retomando a coluna da semana passada  que abordou uma pesquisa do jornal 'Folha de São Paulo' sobre os profissionais mais procurados do mercado, vamos abordar uma das áreas mais promissoras da engenharia, destacada pela referida matéria: a Engenharia de Produção.

A Engenharia de Produção, a principio, parece uma profissão “nova”. Em relação às áreas tradicionais, como as engenharias Civil, Elétrica, Mecânica e Química, de fato ela é mais recente, o que não quer dizer que seja nova. Segundo a  Associação de Engenharia de Produção (ABEPRO),  os primeiros cursos do país datam de 1959, em São Paulo.  Segundo a mesma Associação existem 486 cursos de graduação em Engenharia de Produção no Brasil, sendo 24 na Bahia. Este número é crescente e hoje, segundo o CREA-BA,  a Engenharia de Produção é a segunda engenharia que mais requer  novos registros profissionais  no Estado (atrás apenas da Engenharia Civil).  Na Região Metropolitana de Salvador, grandes empresas do Pólo Petroquímico de Camaçari possuem engenheiros de produção em seus quadros. Recém formados na área em universidades baianas tem conseguido boas colocações também em processos de seleção de trainees nacionais.

Estes dados demonstram o crescimento da Engenharia de Produção  não só no pais, como também no Estado mas que ainda não consegue  atender às demandas de mercado. Mas porque este profissional  vem sendo tão procurado?    Afinal o que faz um Engenheiro de Produção? Engenharia de Produção é a mesma coisa que Administração? Vamos aqui tentar responder algumas destas perguntas e esclarecer um pouco mais sobre esta profissão.


A Engenharia de Produção é antes de tudo uma Engenharia. É um equivoco entrar num curso de Engenharia de Produção imaginando estudar apenas disciplinas da área gerencial ou então considerando-o uma Engenharia “mais fácil”. O objeto de trabalho do Engenheiro de Produção é o processo produtivo. A engenharia de produção busca a otimização de processos de produção, conciliando aspectos relacionados a custos, viabilidade econômica, qualidade, com aspectos técnicos relacionados a conhecimentos de engenharia.   O aluno de Engenharia de Produção aprende matérias relacionadas a economia, meio ambiente, finanças, gestão, etc.., além dos conhecimentos tecnológicos básicos da engenharia com disciplinas de  química, física, matemática, materiais, desenho técnico, eletrotécnica, automação industrial etc...

Com esta formação o Engenheiro de Produção é o único profissional do mercado que consegue enxergar os problemas de forma global, não fragmentada. Ele conhece os diversos problemas industriais e as tecnologias que são necessárias para resolvê-los, mas nem sempre é a pessoa que irá se concentrar no detalhe da solução a ser desenvolvida. Ele faz a ligação entre as diversas especialidades da engenharia assim como a conexão entre a área técnica e a alta gestão da empresa.

As áreas tradicionais de atuação do Engenheiro de Produção são: Planejamento e Controle da Produção, Pesquisa Operacional, Logística, Suprimentos, Projeto de Fábrica, Processos de Produção, Controle Estatístico de Processos, Análise de Investimentos , Ergonomia, Processo de Desenvolvimento de Produto, Manutenção e  Sustentabilidade.

"O Engenheiro de Produção é o único profissional do mercado que consegue enxergar os problemas de forma global, não fragmentada"


O engenheiro de Produção pode atuar em  indústrias de diversos setores como  automobilística, eletrodomésticos, química e petroquímica, alimentos, de equipamentos, etc.  Empresas de serviços tais como: transporte aéreo, transporte marítimo, construção, consultoria em qualidade, hospitais, consultoria em geral e cursos, etc. Instituições e empresas públicas tais como: Correios, Petrobras, Agência Nacional de Energia, Agência Nacional de Petróleo, BNDEs, etc. Empresas privadas de petróleo, usinas de açúcar, empresas de telefonia, agroindústrias,  bancos (parte operacional), seguradoras e fundos de pensão. Bancos de investimento (na análise de investimentos) entre outros.

O caráter generalista da formação do engenheiro de produção confere a este profissional  características diferenciadas em relação ás outras engenharias mais específicas, permitindo que o mesmo desenvolva habilidades que permitem sua atuação em diversos setores da economia, proporcionando-lhe maior empregabilidade. Estas características  ajudam a explicar a crescente procura do mercado por este profissional polivalente,e também o aumento do interesse pelo curso.

Se você se interessou por essa carreira, entre em contato e tire suas dúvidas!

Tatiana Spinola
Mestre em Administração –UFBA, Engenheira Civil, Coordenadora de curso de Engenharia de Produção.
Consultora da ValoRH





Tags: ValoRH, Coluna, Engenharia de Produção, Mercado de trabalho
{{ commentsTitle }}
Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Ao comentar o autor da mensagem esta aceitando os Termos e Condições de Uso.
{{comment.username}} {{comment.creation_tstamp*1000 | date:'dd/MM/yyyy - HH:mm'}}
{{comment.comment}}
  • {{comment.dislike_count | number}}
Comentário aguardando moderação
Agenda Cultural