Santa Casa

Do século XIX à tecnologia: conheça a história do Cemitério Campo Santo

Cemitério mais antigo em atividade de Salvador, Campo Santo foi comprado pela Santa Casa em 1840

Especial de Conteúdo
- Atualizada em

Oferecimento
Se você é soteropolitano ou tem o mínimo de conhecimento sobre Salvador, já ouviu falar da "ladeira do Campo Santo". O Cemitério em atividade mais antigo da cidade virou referência e, sim, nome de rua. Construído no bairro da Federação, o local tem muito mais história do que a população imagina. E essa história começa em meados dos anos de 1800. 

Fundado em 1836, o Campo Santo marcou o fim dos enterros realizados no interior das igrejas por conta de novas regras de vigilância sanitária. A população resistiu porque não considerava sagrados sepultamentos ao ar livre, o que deu origem à revolta da Cemiterada. 

Foto: Divulgação / Bapress

Passado o período de conflito, o cemitério foi comprado pela Santa Casa da Bahia em 1840, com atividades iniciadas em 1844. Para Osvaldina Cezar, museóloga da instituição, o Campo Santo é um registro material da cultura baiana.  

“Ele é representativo de um modo de pensar da sociedade em determinado período histórico e, consequentemente, documenta as diversas manifestações e atitudes diante da morte que marcaram a sociedade baiana no século XIX”, destacou. 

Atualmente, o Cemitério conta com mais 62.000m² de área total construída e mais de 32 mil sepulturas.

O marco de uma época

Estátua da Fé foi tombada como patrimônio histórico nacional / Foto: Divulgação / Bapress

Único cemitério de Salvador entre 1840 e 1856, o Campo Santo realizou sepultamentos de cidadãos de toda a capital, o que inclui as famílias mais tradicionais e abastadas da cidade, que mandavam construir mausoléus e campas para os enterros.

Em homenagem aos falecidos entes queridos, as sepulturas eram construídas com esculturas que simbolizam o sentimento dos clãs familiares em relação àquela perda. Esculpida em único bloco de mármore de Carrara, a Estátua da Fé é um dos exemplos.

A peça, que foi encomendada pelo Barão de Cajaíba, Alexandre Gomes de Argolo Ferrão, para ornamentar o túmulo do filho, é de 1865 e foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1936.

Como a Estátua da Fé, outras centenas de esculturas construídas ao logo do tempo são reconhecidas pelo rico valor artístico, fato que deu ao Campo Santo o apelido de "Museu a Céu Aberto".

Entendendo as esculturas

Para quem está em busca de conhecer curiosidades ou apreciar um tipo diferente de arte, o Campo Santo é um prato cheio.

Foto: Divulgação / Bapress

“Do ponto de vista da história e da representatividade da arquitetura cemiterial, todos os mausoléus merecem destaque porque são frutos de uma produção de uma época e refletem o modo de pensar da sociedade em determinados momentos", destaca a museóloga da Santa Casa da Bahia.  

Mausoléus com a coluna quebrada, por exemplo, simbolizam que o chefe da família se foi. “É como se a família tivesse perdido o seu sustentáculo.”, explica Osvaldina. 

Da reforma à ampliação

Obras em busca de ampliação e modernização sempre foram uma constante na história do Campo Santo, desde as primeiras décadas de funcionamento. Os anos de 1970, por exemplo, ficaram marcados pela reforma das salas de velório e das instalações administrativas. 

Em maio de 2017, a Santa Casa da Bahia aumentou o número de vagas para sepultamentos no Cemitério Campo Santo com o lançamento de novos módulos verticais, compostos por gavetas.

De acordo com o provedor da instituição, Roberto Sá Menezes, a obra foi feita em uma área vaga do cemitério. "Pretendemos, aos poucos, substituir as antigas carneiras pelo modelo novo", explicou à época.

Tecnologia e modernização

Tecnologia utilizada nas novas gavetas do cemitério são inéditas na Bahia / Foto: Divulgação / Bapress

As novas gavetas, inéditas na Bahia, trouxeram uma nova tecnologia ao Campo Santo. A estrutura conta com um aparato tecnológico inovador de tratamento de gases, que garante um impacto ambiental mínimo, de acordo com a Santa Casa. 

O cemitério também oferece aos clientes o Velório Online, serviço que permite a parentes e amigos geograficamente distantes acompanharem a despedida de um ente querido. O pioneirismo também está presente no Campo Santo Familiar.