E. C. Bahia

Edigar comemora boa fase no time e diz que se inspira em ídolo Nonato

Atacante marcou nove gols nos últimos oito jogos do Bahia no Campeonato Brasileiro

Gabriel Rodrigues, do Correio 24h

Se o torcedor do Bahia for perguntado quem é o cara do time, certamente a resposta estará na ponta da língua: Edigar Junio. O atacante desandou a fazer gols no Campeonato Brasileiro e vem ajudando o tricolor a alçar voos cada vez mais altos na competição. 


Edigar assumiu a artilharia do Bahia na temporada e já soma 14 gols (Marcelo Malaquias/EC Bahia)

Com os dois gols marcados no empate contra o Atlético-MG, na Fonte Nova, Edigar chegou aos 14 na temporada, ultrapassou Régis e assumiu a artilharia do tricolor no ano. De quebra, o atacante ainda conquistou um recorde. Ele é o primeiro jogador a marcar nove gols em oito jogos consecutivos pelo Esquadrão no Campeonato Brasileiro. 

Sétimo maior artilheiro do Bahia com 125 gols, Nonato havia sido o último jogador tricolor a ter marca parecida. Em 2003, ele marcou oito vezes em sete jogos na Série A. O atacante, inclusive, tem sido usado como inspiração por Edigar Junio. 

“Vi alguns vídeos dele, sem dúvida é um atacante espetacular. Estou me inspirando aí, e que eu consiga fazer mais gols durante essa reta final”, afirmou o jogador.

Ao CORREIO, Nonato se mostrou surpreso e fez elogios ao jogador. “Eu fico feliz de um jogador como ele, que está se destacando, falar isso. Mostra que o trabalho que eu fiz foi bem feito, inspirando os novos jogadores. Eu estou sempre na torcida para que ele siga com essa sequência de gols e que ajude o Bahia a conseguir uma vaga na Libertadores depois de tanto tempo”, disse. 

Vivendo a melhor fase da carreira, Edigar Junio busca repetir também os passos de outro atacante que fez história com a camisa do Bahia. Com 11 gols no Brasileirão, ele tem os últimos quatro jogos para marcar pelo menos mais quatro e se igualar ao amigo Fernandão, que em 2013 virou o maior artilheiro do Bahia desde que o torneio passou a ser disputado em pontos corridos, em 2003. A primeira chance para colocar o plano em prática será quinta-feira, diante do Santos, na Fonte. 

“Estou aí para isso. A cada jogo quero ajudar o Bahia, seja com gols ou passes, quero colocar o Bahia na parte de cima da tabela. Se tiver que acontecer vai acontecer, vamos continuar com humildade, meus companheiros estão me ajudando, eu não faço nada sozinho, então tenho que manter o foco, os pés no chão e as coisas vão acontecer naturalmente”, explicou Edigar.

O sonho continua

Apesar do empate diante do Atlético-MG em casa, o Bahia mantém o sonho vivo de se classficar para a Copa Libertadores da América e voltar a disputar a principal competição do continente depois de 29 anos. A tarefa, no entanto, ficou um pouco mais difícil.

Com 46 pontos, o tricolor está na nona colocação, a quatro pontos do Flamengo, último time dentro da zona de classificação. 

A situação pode ficar mais favorável ao Esquadrão caso o Grêmio, atual vice-colocado do Brasileirão, vença a decisão contra o Lanús e conquiste o título da Libertadores, abrindo assim, mais uma vaga. Outra possibilidade é o Flamengo conquistar a Copa Sul-Americana - o time carioca está na fase semifinal -, o que pode fazer com que o Brasil tenha ate nove times na Libertadores.  

Entre os jogadores, o discurso é de otimismo. “A gente tem que mirar bem alto para alcançar os objetivos. Se tiver a possibilidade de buscar o G7, vamos buscar, mas o mais importante é no final todo mundo estar comemorando”, concluiu Edigar.