Salvador

Publicada em 13/10/2013 às 17h18. Atualizada em 13/10/2013 às 17h28

Família e amigos de irmãos mortos em Ondina fazem passeata e pedem paz


Além dos amigos e parentes, centenas baianos saíram nas ruas, vestidos de branco, para acompanhar o protesto em solidariedade à família das vítimas


Redação Correio 24h
publicidade

Surfistas participam de protesto

Cerca de duas mil pessoas participaram do protesto pacífico promovido por familiares e amigos dos irmãos Emanuel e Emanuelle Gomes, mortos em Ondina na última sexta-feira (11). O balanço foi feito pela Polícia Militar que também acompanhou a caminhada que saiu do Farol da Barra com destino ao local onde o casal morreu.

Além dos amigos e parentes, centenas baianos saíram nas ruas, vestidos de branco, para acompanhar o protesto em solidariedade à família das vítimas. A manifestação teve apoio da União dos Moto Clubes e Moto Grupos de Salvador que reuniu vários grupos de motociclistas. Os surfistas também participaram da caminhada carregando mensagens de paz e justiça em cartezes e pranchas.

O protesto começou por volta das 15h e terminou 16h30 em frente ao Ondina Apart Hotel. Os corpos dos irmãos foram sepultados na manhã deste sábado (12). Familiares e amigos participaram da cerimônia no Cemitério Campo Santo, na Federação.

Durante o enterro, a mãe não quis falar com a imprensa. Em entrevista ao Bahia Meio Dia, um primo de Emanuel e Emanuelle Gomes falou em nome da mãe dos dois, Marinubia Gomes. "Ela disse que a vida dela acabou, que tem um oco dentro dela, porque o que havia de mais precioso foi tirado dela", relatou Victor Dias.

A médica Kátia Vargas Leal Pereira, 45, envolvida no acidente, permanece internada no Hospital Aliança, sob custódia da polícia. O advogado da oftalmologista entrou com pedido de relaxamento da prisão em flagrante. Ele vai pedir que Kátia responda ao processo em liberdade. Até a publicação desta nota, o advogado não foi localizado para falar sobre o estado de saúde e previsão de alta médica para Kátia.

 Mãe dos dois jovens, no centro, se emociona durante o sepultamento






























Discussão
O acidente ocorreu por volta de 8h desta sexta-feira (11). Emanuel, que completaria 22 anos na terça-feira (15), trabalhava como modelo, assim como a irmã, que também cursava Direito. Ele levava a irmã ao aeroporto.

Antes de bater no poste, a moto em que a dupla estava, uma Yamaha XTZ (placa NTQ-8040), foi atingida por um Kia Sorento branco (placa NZK-6668), guiado pela médica oftalmologista Kátia Vargas. De acordo com a delegada Jussara Souza, titular da 7ª Delegacia, a médica será indiciada por homicídio com dolo eventual (quando se assume o risco de matar alguém).

A delegada se baseia em imagens de câmeras de segurança que filmaram o acidente. Segundo Jussara, a médica dirigia em alta velocidade, o que provocou uma discussão com Emanuel, que chegou a bater com o capacete no capô do Sorento.

Em seguida, ainda de acordo com a delegada, Kátia saiu em perseguição à moto, o que acabou gerando um toque. Então, Emanuel perdeu o controle e terminou batendo direto no poste. Ele e irmã morreram na hora.

Moto bateu em um poste em frente ao Ondina Apart Hotel. Irmãos morreram na hora






























Imagens
As imagens analisadas pela delegada confirmam o depoimento de quem viu o acidente. De acordo com testemunhas, a motocicleta havia sido fechada pelo Sorento na esquina da Rua do Escravo Miguel com a Avenida Oceânica, antes mesmo da primeira colisão.

O lavador de carros Maurício França de Jesus assistiu à cena. Segundo ele, após a fechada, Emanuel e Kátia discutiram. “Ela fechou a moto, daí começaram a discutir. Ela deixou ele acelerar e depois bateu nele por trás. Depois ela saiu bambeando com o carro e bateu”, disse Maurício.

Sem se identificar, um taxista disse que ambos furaram o sinal em alta velocidade. “Ele bateu no capô do carro, na certa para dizer que ela estava errada, e ela acelerou. Pelo visto, ela perdeu o controle, pegou na moto e eles foram direto no poste”.

Funcionários do Ondina Apart Hotel, também pedindo anonimato, contaram que Kátia chegou a entrar na contramão depois que a moto bateu no poste. “Ela jogou o carro na contramão, ia bater com outro carro, então fez a volta e jogou o carro em cima da calçada”, contou um funcionário. Segundo ele, a médica frequentava uma academia no apart.

O aposentado Antônio Tabajara,  72 anos, que costuma sentar diariamente em frente ao portão onde Kátia bateu, disse que escapou por pouco. “Eu ouvi a pancada, mas não tive perna para levantar. Por pouco, não fui atingido”, contou. Segundo Tabajara, a médica saiu do carro andando e demonstrava estar muito nervosa.





Tags: Protesto, irmãos mortos, ondina, assassinato, médica
{{ commentsTitle }}
Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Ao comentar o autor da mensagem esta aceitando os Termos e Condições de Uso.
{{comment.username}} {{comment.creation_tstamp*1000 | date:'dd/MM/yyyy - HH:mm'}}
{{comment.comment}}
  • {{comment.dislike_count | number}}
Comentário aguardando moderação
Agenda Cultural