Saúde

Homens com funções físicas no trabalho têm maior risco de morte prematura, diz estudo

Relação com atividades físicas indica que exercícios podem ser danosos no trabalho, mas benéficos para a saúde quando praticados fora dele

Agência O Globo

Homens que desempenham trabalhos que exigem esforço físico têm maior risco de morrer prematuramente do que aqueles com vidas profissionais mais sedentárias. Isso é o que aponta um estudo de pesquisadores na Holanda. O aparente paradoxo com relação às atividades físicas indica que exercícios podem ser danosos no trabalho, mas benéficos para a saúde quando praticados fora dele.

O pesquisador em saúde pública na Universidade Vrije (VU), na Holanda, Pieter Coenen afirma que a razão para a aparente disparidade ainda não é clara, mas ele acredita que possa refletir os diferentes tipos de exercício que as pessoas fazem no trabalho em comparação com aqueles praticados em seu tempo livre.

"Enquanto sabemos que atividade física em momentos de lazer são boas para você, nós descobrimos que atividade física ocupacional tem um risco aumentado de 18% para morte prematura em homens," explicou Coenen. "Esses homens estão morrendo mais cedo do que aqueles que não estão fazendo atividade física em suas ocupações profissionais".

Para estudar os efeitos do exercício na saúde, os pesquisadores combinaram os resultados de 17 estudos publicados, o que os deu informações de aproximadamente 200 mil pessoas. Grande parte dos estudos incluídos considerava estilo de vida dos pesquisados, como tabagismo e consumo de álcool.

O estudo foi publicado no British Journal of Sports Medicine.

Estilo de vida

Pesquisas anteriores, no entanto, já indicaram que pessoas que têm trabalhos manuais ou que exigem funções físicas, como na construção civil, costumam praticar menos exercícios em seus momentos livres.

Por isso, há pesquisadores que acreditam que a descoberta possa simplesmente refletir uma maior possibilidade de que pessoas exercendo trabalhos manuais tenham um estilo de vida menos saudável, o que reduziria a expectativa de vida.

Mas Coenen, por sua vez, acredita que outros fatores estejam em jogo. "Se você sai para correr por meia-hora em seu tempo livre, isso aumenta a sua frequência cardíaca e você se sente bem depois. Mas, quando está fisicamente ativo no trabalho, é um outro tipo de atividade bem diferente. Você está trabalhando por oito horas em um dia e tem períodos limitados de descanso".

O pesquisador acrescenta: "Nossa hipótese é a de que esse tipo de atividade (trabalho manual, levantar peso), na verdade, tensiona seu sistema cardiovascular mais do que o ajuda a melhorá-lo".

"Eles têm um problema de dobro", indicou Coenen. "Não se beneficiam dos bons aspectos das atividades físicas no tempo livre, e estão expostos ao risco da atividade física ocupacional".

“Mesmo se você é ativo no trabalho, isso não significa que você não precise fazer uma atividade física fora do trabalho", conclui o pesquisador.