Salvador

Publicada em 17/08/2012 às 10h23. Atualizada em 17/08/2012 às 10h33

Homens culpam higiene e falta de banheiro público para urinar na rua


Na quarta-feira, o CORREIO publicou uma imagem, extraída do Google Street View, de um homem urinando na encosta da avenida Contorno


Alexandro Mota
(alexandro.silva@redebahia.com.br)
publicidade

A ocasião faz o “mijão” de rua. É assim que muitos moradores de  Salvador justificam a “tradição” de  urinar em via pública. E o argumento é o mesmo: faltam sanitários públicos na cidade e os disponíveis são muito sujos.

“Quando o jornal dá uma foto do Google que pegou um homem mijando na rua, as pessoas precisam também saber a situação crítica que a população passa”, diz o cobrador de ônibus Marco Aurélio dos Santos, 33 anos.



Na quarta-feira, o CORREIO publicou uma imagem de um homem urinando na encosta da avenida Contorno. A foto foi extraída do Google Street View, sistema de mapeamento com imagens panorâmicas do portal Google que desde terça disponibiliza registros da capital baiana.

O próprio Marco Aurélio conta que, às vezes, tem vontade de se aliviar na rua. “Os banheiros químicos do final de linha são podres, parece que têm mais de  15 dias que não limpam. Já tive que esperar mais de uma hora apertado até a garagem”, exemplifica.

Sujeira
No final da manhã de ontem, o CORREIO esteve no Terminal da França, no Comércio. O mau cheiro, as expressões de nojo e a desistência de quem tentava usar um dos sanitários químicos do local denunciavam a situação.

“Vim do Banco Central até aqui procurando um banheiro, já ia fazer na rua e quando chego aqui, é essa situação. Como é que depois querem prender quem fizer em qualquer lugar?”, reclama o pedreiro Joilson Queiroz, 38. Nos outros sanitários químicos perto dali, nas imediações do Terminal Marítimo, o nível de higiene não estava muito diferente.

Já no Farol da Barra, às 13h20, a situação era pior, com fezes espalhadas pelo equipamento. Questionada, uma vendedora ambulante com ponto no local afirmou que o sanitário havia sido limpo na manhã de quarta.

Confira os maiores flagras do Google Street View em Salvador

Já a assessoria da Empresa de Limpeza Urbana do Salvador (Limpurb) garante que todos os sanitários espalhados pela cidade recebem manutenção diária, com lavagem, sucção e aromatização. No entanto, a Limpurb não tem certeza de quantos equipamentos estão disponíveis. Segundo o órgão, são “cerca de 75”.

Além dos pontos já citados, de acordo com a Limpurb, há banheiros no Pelourinho, Barroquinha, Praça da Sé,  Largo do Bonfim, Ribeira, Boa Viagem, Praia do Flamengo, Ondina, Campo Grande e São Tomé de Paripe.

Problemas
No Terminal da França, o CORREIO flagrou dois moradores de rua entrando juntos no sanitário. Minutos depois, o casal saiu de mãos dadas. “Os sacizeiros compram pedra e vêm para o banheiro usar. O efeito da droga faz com que alguns deles façam a maior meleira”, conta um despachante de ônibus do terminal. O comandante da 16ª Companhia Independente de Polícia Militar, major Elias Neves, diz desconhecer a prática relatada.

Em 2010, quando o prefeito João Henrique quis transformar em crime o xixi na rua para prender os “mijões”, ele se espelhou numa iniciativa do Rio de Janeiro. “É uma questão cultural, sim, mas com ações firmes, apoio da população e da Guarda Municipal, é possível mudar. Foi o que fez com que a situação melhorasse no Rio”, diz o secretário da Ordem Pública da prefeitura carioca, Alex Costa. No Rio, com base no crime de ato obsceno, quem é flagrado urinando na rua vai parar na delegacia.

Matéria original: Correio 24h
Homens culpam higiene e falta de banheiro público para urinar na rua





Tags: Urinar na rua, Higiene, Falta de banheiro público, Homens
{{ commentsTitle }}
Os comentários não representam a opinião do Portal iBahia; a responsabilidade é do autor da mensagem. Ao comentar o autor da mensagem esta aceitando os Termos e Condições de Uso.
{{comment.username}} {{comment.creation_tstamp*1000 | date:'dd/MM/yyyy - HH:mm'}}
{{comment.comment}}
  • {{comment.dislike_count | number}}
Comentário aguardando moderação
Agenda Cultural