Moda e Beleza

Internautas acusam anúncio da H&M de racismo

Site mostra menino negro vestindo moletom com frase "macaco mais legal da selva"

Agência O Globo
- Atualizada em

Internautas estão acusando a gigante varejista sueca Hennes & Mauritz (H&M) de racismo devido a um anúncio no site da marca, que mostra a foto de um menino negro vestindo um moletom com a frase "Coolest monkey in the jungle" (O macaco mais legal da selva, em tradução livre). Diante da polêmica, a empresa emitiu um pedido de desculpas nesta segunda-feira.

"Nós sinceramente pedimos desculpas por esta imagem", afirmou a H&M em comunicado enviado à emissora americana "CBS". "Ela já foi removida de todos os sites e o produto não será comercializado nos Estados Unidos. Nós acreditamos na diversidade e inclusão em tudo o que fazemos, e vamos rever nossas atividades cotidianas", completou a empresa na nota.


O ator americano Jaleel White, da série "Family matters" fez um post no Facebook, nesta segunda-feira, pedindo à loja para não emitir um "comunicado fraco" referente à situação. "Apenas divulguem o nome de quem aprovou essa m...", afirmou na rede social.

"Eu me recuso a acreditar que a empresa toda possa ser tão burra e insensível ao colocar uma criança negra vestindo um moletom que diz 'o macaco mais legal da selva' e uma criança branca com um que diz 'especialista em sobrevivência'", salientou Jaleel White.

A blogueira Stephanie Yeboah também usou as redes sociais para criticar o anúncio do moletom. "De quem foi a ideia na H&M de colocar esse doce garotinho vestindo um casaco que diz 'o macaco mais legal da selva'?", questionou no Twitter. E continuou em outro post: "Qual foi o raciocínio por trás disso?", escreveu a influenciadora digital para seus mais de 14 mil seguidores.

A publicação de Stephanie Yeboah recebeu respostas de internautas que concordam com a crítica, mas também de pessoas que não enxergaram o erro da varejista. Para este segundo grupo, a blogueira também registrou um comentário: "O que deixa isso pior é que agora eu recebi grunhidos de homens brancos me dizendo que não há nada de errado com o moletom".