Literatura

Livro infantil fala sobre as novas famílias

Uma Família Pra Lá de Diferente, de Lilia Gramacho, será lançado neste sábado em evento gratuito no Palacete das Artes

Laura Fernandes, do Correio 24h (laura.fernandes@redebahia.com.br)

Sabe aquela propaganda da “família margarina”que tem um núcleo formado por um pai, uma mãe e um casal de filhos cheios de sorrisos? Pois, durante muito tempo, esse modelo serviu de referência para a chamada “tradicional família brasileira”, até que o panorama mudou e a reconfiguração familiar passou a ditar as regras.

Foto: Divulgação

Pais separados, meio-irmãos, dois pais, duas mães e filhos de um pai só, fruto de adoção ou inseminação artificial. Tudo isso virou realidade há muito tempo e é justamente essa família contemporânea que a jornalista e psicóloga baiana Lilia Gramacho, 50 anos, mostra no livro Uma Família pra lá de Diferente (Solisluna | R$ 40 | 32 páginas). 


Dedicada ao público infantil, a obra ganha lançamento neste sábado (7), às 16h, em evento gratuito no Palacete das Artes, na Graça, com direito a sessão de autógrafos e apresentação do grupo musical Corrupio. Além do trabalho inédito, Lilia vai relançar o livro Camila e o Espelho (Solisluna | R$ 40 | 64 páginas), que já virou peça de teatro e curta-metragem.

Ilustrado por Rafa Anton, espanhol radicado em São Paulo, Uma Família pra lá de Diferente gira em torno do dilema de um garoto que enfrenta a separação dos pais e vê, literalmente, sua casa de cabeça para baixo. “O amor acaba?”, questiona o personagem principal do livro que provoca outras perguntas como “o amor se transforma?”, “o amor vira amizade?”.

Ao longo das 32 páginas, esse dilema ganha a companhia de novos personagens que passam a configurar uma família pra lá de diferente. “Essa é uma realidade que está posta. A gente não pode mais, hoje, falar de uma tradicional família brasileira”, destaca a autora, que é gerente de Conteúdo e Entretenimento da Rede Bahia.

Lilia se inspirou na própria família para escrever essa história. Tudo começou quando o filho, então com oito anos, explicou para a funcionária da agência de viagens: “Eu vou viajar com meu meio-irmão, que está levando a meia-irmã para visitar a meia-irmã”. Um pouco confusa, a funcionária perguntou para a mãe se a explicação estava correta. “Aquilo ficou para mim, essa coisa que a psicologia chama de família tentacular”, lembra Lilia sobre o momento com o filho: o arquiteto e artista plástico Pedro Alban, hoje com 25 anos.

Certa de que a dificuldade de enfrentar uma separação é, na maioria das vezes, colocada pelos pais para as crianças, Lilia explica que a ideia do livro é possibilitar o diálogo entre pais e filhos sobre uma questão cada vez mais comum. Assim, de forma lúdica, “o livro tenta dialogar com seu tempo”, explica Lilia que também é autora de O Filho do Meio (1993), livro adotado em várias escolas do Brasil.

“A chegada da mulher no mercado de trabalho e o uso da pílula anticoncepcional foram transformando esse modelo clássico de família. A literatura dialoga muito com seu tempo. Toda criança tem um colega adotado, ou filho de mãe que fez inseminação, ou filho de casal homoafetivo, ou que mantém o modelo tradicional de família, mas com pai de outro casamento. Isso está posto de forma irreversível, ainda bem”, comemora.

Aliada

Uma das curadoras da Fliquinha e da Flicaixinha, que terá nova edição nos dias 26 e 27 de maio, Lilia acredita que a literatura é importante aliada para refletir sobre temas delicados. O livro Camila e o Espelho, por exemplo, conta a história de uma menina que está enfrentando transformações no corpo: pé desproporcional, peito crescendo e aceitação dos meninos que “saem do lugar de chatos para algo atraente”.

Narrado em terceira pessoa, com ilustrações de Ju Castelo, o livro lançado em 2002 é conhecido por conquistar a admiração de meninas entre dez e onze anos. Uma delas, inclusive, escreveu para a autora perguntando: “Você me conhece?”. “Era como se ela dissesse, ‘li e me encontrei tanto que parece que foi escrito pra mim’”, lembra Lilia sorridente.

De formas diferentes, os dois livros de Lilia abordam transformação, diversidade e aceitação do outro. “A gente está sempre pensando em que mundo a gente vai deixar para os filhos, mas não pergunta que filhos a gente vai deixar para o mundo. Se tenho uma criança que já na infância experimenta a diversidade, ela vai crescer com tolerância e abertura de escuta. A democracia não é ‘falar o que pensa’: é ouvir o que não pensa”, destaca a autora.

Serviço

O quê: lançamento dos livros Uma Família pra lá de Diferente e Camila e o Espelho com show do grupo Corrupio

Onde: Palacetes das Artes (Rua da Graça, 289, Graça | 3117-6987)

Quando: sábado (7), às 16h

Entrada gratuita

Valor dos livros no lançamento: R$ 40 (cada)