Bahia

MEC corta vagas de enfermagem e farmácia em 14 faculdades na Bahia

Essas graduações ficaram com nota 1 ou 2 no Conceito Preliminar de Curso (CPC) de 2010

Da Redação*
Publicada em Atualizada em

O Ministério da Educação (MEC) anunciou hoje (29) o corte de mais 365 vagas em cursos de enfermagem e farmácia de 14 faculdades baianas que obtiveram resultado insatisfatório em avaliações da pasta.


Essas graduações ficaram com nota 1 ou 2 no Conceito Preliminar de Curso (CPC) de 2010, indicador que afere a qualidade da oferta do ensino em uma escala que vai de 0 a 5. As medidas foram publicadas no Diário Oficial da União de hoje. A maior redução foi na área de enfermagem: menos 296.
Veja a lista com as faculdades afetadas:

Cursos de enfermagem

FACULDADE SÃO FRANCISCO DE BARREIRAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

FACULDADE REGIONAL DE ALAGOINHAS

FACULDADE REGIONAL DA BAHIA

FACULDADE PITÁGORAS DE TEIXEIRA DE FREITAS

FACULDADE SANTO ANTONIO

FACULDADE DOM PEDRO II

FACULDADE SÃO CAMILO

FACULDADE SÃO SALVADOR

FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA

FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI

FACULDADE SÃO TOMAZ DE AQUINO


Cursos de Farmácia

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DA BAHIA (FIB)

FACULDADE DELTA

FACULDADE PITÁGORAS DE TEIXEIRA DE FREITAS


O corte faz parte do processo de supervisão pelo qual passarão esses cursos em função dos resultados considerados insuficientes. No restante do país, foram cortadas mais 3.968 vagas em 148 cursos de enfermagem, odontologia e farmácia.


O percentual de vagas suspensas variou de 20% a 65% da oferta original dependendo da nota alcançada pelo curso. No caso de graduações que já tinham conceito insatisfatório em 2007 e repetiram o mau desempenho em 2010 foi determinada uma redução adicional de 30%, segundo o MEC.


Mais cortesO ministério pretende suspender até o fim do ano 50 mil vagas em graduações na área da saúde, ciências contábeis e administração que tiveram resultado insatisfatório nas avaliações de 2009 ou 2010. Na avaliação do ano passado, 594 dos 4.143 cursos avaliados tiveram CPC 1 ou 2. A nota 3 é considera satisfatória e os CPCs 4 e 5 indicam que o curso é de boa qualidade.


As instituições de ensino terão o prazo de um ano para cumprir um termo de saneamento de deficiências e melhorar a qualidade da oferta. Após esse período, o MEC faz uma nova avaliação para verificar o cumprimento das exigências. Os cursos sob supervisão que estejam com pedidos de recredenciamento em tramitação no ministério terão os processos suspensos enquanto durar a medida cautelar. *Com informações da Agência Brasil.

Comentários