Salvador

Nove são presos em operação contra Bonde do Maluco, diz polícia

Além da Bahia, policiais cumpriram mandados em Sergipe, Alagoas e Goiás

Bruno Wendel, Redação Correio 24horas (bruno.cardoso@redebahia.com.br)

A Polícia Federal (PF) divulgou nesta quarta-feira (13) o balanço atualizado da Operação Última Estação, realizada nesta terça-feira (12), que teve como alvo desmantelar uma das maiores facções da Bahia, o Bonde do Maluco (BDM). A ação contou com a participação de policiais civis. Além da Bahia, os policiais cumpriram mandados em três estados: Sergipe, Alagoas e Goiás, onde a facção tem ramificações.   

Operação Última Estação foi realizada pela Polícia Federal e SSP (Foto: Mauro Akin Nassor/CORREIO)

De acordo com os dados da PF foram realizadas nove prisões, seis conduções coercitivas, 22 bloqueios em conta, cumpridos 18 mandados de busca e apreensão, apreendidos R$ 29 mil em espécie, além de uma pistola e uma certa quantidade de droga. 

Segundo as investigações, o BDM tem em dinheiro e imóveis um patrimônio avaliado em cerca de R$ 5 milhões, já descobertos pelas polícias Federal e Civil. O império do grupo criminoso baiano, criado dentro do Presídio Salvador há dois anos, é resultado de um esquema de lavagem de dinheiro e investimentos em empresas no ramo de veículos.  

Rafinha 

Um dos mandados de prisão cumpridos foi o de Rafael Almeida de Jesus, 28 anos, o Rafinha - que já está preso desde outubro no Conjunto Penal de Serrinha. Já a esposa de Rafinha, Bárbara Laís Santos Pereira Alves, 24 anos, foi presa em Alagoinhas, com um total de R$ 23 mil em espécie. Na casa do irmão de Bárbara, a polícia apreendeu uma mala cheia de documentos falsos.

Esta é a segunda fase da operação, que foi iniciada em setembro, após morte de Marcelo Batista dos Santos, o Marreno, um dos líderes da BDM na Bahia. Ele morreu em confronto com a polícia e o auto de resistência provocou um toque de recolher em alguns bairros de Salvador. Fontes ligadas à operação contaram ao CORREIO que após a morte de Marreno, o comando da BDM na Bahia está sob a responsabilidade de Rafinha. 

Delegado da Polícia Federal, Fábio Marques, coordenador da operação, explicou ao CORREIO a cronologia das investigações. "Após a primeira fase da operação, que foi depois da morte de Marreno, identificamos que o líder substituto utilizava a mesma forma de lavagem de dinheiro. Marreno já havia construído um patrimônio por meio de documentos falsos. O substituto continou fazendo do mesmo jeito, com documentações falsas, inclusive dos filhos, eles criam vidas paralelas. Em geral, morando em condomínios bastante luxosos", relatou, sem dar nomes.

Oito de Paus do Baralho do Crime da SSP, Rafinha acabou preso no dia 22 de outubro com mais quatro suspeitos, entre eles, a mulher dele, Bárbara Laís Santos Pereira Alves, a cunhada, Laiane Santos Pereira, 18, e os comparsas Bruno Ferreira de Souza, 22, Israel de Jesus Avelino Júnior, 35.  Ele está custodiado em Serrinha. 

A esposa de Rafinha foi solta, mas continuou a participar dos esquemas. "A pessoa presa em Alagoinhas é a esposa do atual líder. Além do dinheiro, R$ 23 mil, foi encontrado na casa do irmão dela uma mala cheia de documentos, inclusive de crianças", disse Marques, sem citar nomes.

Também na operação, que contou com a participação de 150 policiais, foi preso em flagrante Paulo Henrique Conceição de Jesus. Ele estava no bairro de São Cristóvão, com uma pistola 380, 96 pinos de cocaína e 129 trouxas da droga pronta para consumo. No mesmo bairro, um adolescente foi apreendido e dois mandados de prisão foram cumpridos contra Douglas Xavier Ribeiro Santos e Rafael Pereira dos Reis. 

Tiveram mandados cumpridos dentro do Presídio Salvador, no Complexo Penitenciário da Mata Escura, Israel Avelino Júnior e outro detento que não teve o nome divulgado. Outros três suspeitos são considerados foragidos.