Salvador

Pai culpa motorista por morte da filha que pulou de ônibus

Luzenilda tentava fugir de um assalto; corpo foi enterrado neste sábado

Bruno Wendel, do Correio 24h

A vendedora Luzenilda Santos Avelino, 24 anos, que morreu após pular da porta traseira de um ônibus em movimento, na tentativa de fugir de um assalto na quinta-feira (6) na região do Iguatemi, foi enterrada na manhã deste sábado (7), no cemitério Campo Santo, na Federação. A equipe médica de uma empresa particular tentou socorrer Luzenilda, mas ela não resistiu e morreu ainda no local.

Foto: Bruno Wendel/CORREIO
Cerca de 200 pessoas foram ao enterro de Luzenilda, que ocorreu por volta das 10h.  O pai da vendedora, o lavrador Eliezer Souza Barbosa, 51, atribuiu a culpa da morte da filha também ao motorista do ônibus.  “Se ele estivesse parado, se a porta não estivesse aberta, isso não teria acontecido, ela não teria caído”, disse, em tom de revolta, Eliezer.

“Ela era uma filha exemplar. Muito carinhosa, trabalhadora, só pensava no futuro, pensava em casar e ter uma família. Morava junto com o namorado há quatro anos no Cabula”, lamentou Eliezer.   

A irmã mais velha de Luzenilda, a auxiliar de enfermagem Helenilza Santos Barbosa 28, buscava o impossível nos ombros do pai. “Quero ela de volta, pai. Eu sou a mais velha, era para eu ir primeiro”, repetia, incansavelmente, Helenilza.   Abatido, Eliezer respondeu: “Deus sabe o que faz, minha filha”. A família não permetiu que a imprensa acompanhasse o enterro.

Motorista
Através da análise de imagens do assalto, a Polícia Civil identificou um dos suspeitos do assalto que estava disfarçado de baleiro. Nas imagens, dois homens e uma mulher entram no coletivo fingindo serem baleiros. Eles anunciam o assalto e começam a saquear os passageiros. Houve pânico dentro do ônibus. Luzenilda tentou escapar e pulou do ônibus em movimento. Ela morreu após bater a cabeça na pista.

Outras pessoas também pularam do ônibus e sofreram ferimentos leves. O delegado e coordenador do Grupo Especial de Repressão a Roubos de Coletivos (Gerrc), José Nélis de Araújo, informou que o motorista do ônibus será indiciado pela morte de Luzenilda por ter deixado a porta aberta, com o veículo em movimento.