Nem Te Conto

Pedro Cardoso critica ao vivo presidente da EBC e abandona programa; assista

Caso aconteceu na edição do Sem Censura desta quinta-feira (23)

Redação Correio 24 horas
- Atualizada em

Convidado do programa Sem Censura desta quinta-feira (23) para lançar o Livro dos Títulos, seu primeiro romance, o ator Pedro Cardoso surpreendeu ao sentar no sofá do programa, mas se recusar a falar sobre o assunto para o qual convidado. "Eu não vou responder a essa pergunta nem a nenhuma outra, porque quando eu cheguei aqui eu encontrei uma empresa que está em greve. E eu não participo de programas de empresas que estão em greve", iniciou ele, manifestando apoio aos trabalhadores da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que estão em greve desde o último dia 14 de novembro.

O movimento grevista acontece nas praças de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Os trabalhadores lutam contra o congelamento de salários, benefícios e a retirada de direitos, como vale cesta alimentação, de acordo com o site do Sindicato de Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo.

"Eu vim sentar aqui porque além da greve que não me cabe julgar, não conheço a negociação, não estou a par. Também não me cabe emitir opinião sobre quem está em greve e quem está aqui trabalhando. Cabe a mim o maior respeito a todos vocês, aos que estão parados, aos que estão trabalhando, mas eu, diante deste governo que está governando o Brasil, eu tenho muita convicção que elas provavelmente estão cobertas de razão. Eu não vou falar do assunto que eu vim falar, nem de nenhum outro", reforçou.

"O que eu soube também quando cheguei aqui é que o presidente desta empresa [Laerte Rimoli], que é uma empresa que pertence ao povo brasileiro fez comentários extremamente inapropriados a respeito do que teria dito uma colega dele, em que a presença do sangue africano é visível na pele. Porque o sangue africano está presente em todos nós, mas em alguns está manifesto na pele", lembrou.

Em quase dois minutos de argumentação, Pedro Cardoso falou sem ser interrompido em nenhum momento. Ao final, a apresentadora Katy Navarro diz que entende perfeitamente a opinião dele e que "como estamos em uma democracia", ela ia respeitar o que ele dizia. Ele se despediu de todos, e Navarro chamou o intervalo - o programa seguiu normalmente após o episódio. Depois de deixar o programa, Pedro se juntou aos grevistas na porta da empresa, no Rio de Janeiro.