Economia de Água

Recursos hídricos no meio ambiente são finitos e escassez de água é um problema real

Consumo irresponsável de fontes potáveis de água pode fazer com que o recurso se esgote rapidamente

Especial de Conteúdo
- Atualizada em

Quando o assunto é economia de água, muita gente não leva a sério dicas simples que podem ajudar o planeta. No entanto, é preciso se informar e entender que os recursos hídricos no meio ambiente são finitos e sua disponibilidade depende de variáveis climáticas, ambientais e também da ação humana.

O Estado da Bahia, por exemplo, sofre com as secas, o que obrigou inúmeras cidades a entrar em regime racionamento ao longo de 2017. De acordo com a Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa),  em muitos casos, a implantação de racionamento é uma medida preventiva necessária  para garantir a continuidade do serviço até que volte a chover nas regiões afetadas pela seca.
 

Mas é preciso entender o nosso tipo de consumo influencia diretamente nessa situação. O consumo irresponsável, com desperdício, de água potável pode fazer com que o recurso se esgote rapidamente – o que reflete na vida de milhares de pessoas.

Ou seja, pequenas atitudes como fechar a torneira quando não está utilizando a água, só usar a máquina de lavar roupa com a carga máxima e lavar o carro com um balde ao invés de uma mangueira de água corrente são de grande ajuda para poupar água.

Processo de tratamento

O trabalho da Embasa começa com a captação da água bruta (encontrada na natureza), que pode conter micro-organismos prejudiciais a saúde. A água bruta é captada em rios, poços ou represas e direcionada para estações de tratamento, onde passa por diversos processos para se tornar adequada ao consumo, conforme os critérios estabelecidos na Portaria 2914/11 do Ministério da Saúde.

No tratamento, produtos químicos são adicionados à água bruta para que as partículas sólidas possam ser retiradas, nas etapas de coagulação, floculação e filtração. Na etapa de desinfecção, a água, já sem nenhuma partícula, recebe cloro para que micro-organismos nocivos à saúde sejam eliminados.

Depois do tratamento, a água é enviada para os centros de reservação e é distribuída para as casas, podendo percorrer quilômetros da captação até as torneiras.
Para conservar a qualidade da água distribuída, é fundamental que os reservatórios domiciliares sejam lavados periodicamente. O recomendável é que a limpeza seja feita a cada seis meses.