Esportes

Torcedor do Nacional que ironizou acidente da Chapecoense pede desculpas

Por conta da atitude no dia do jogo, Correa e o outro torcedor foram expulsos pelo Nacional do quadro de sócios do clube

Agência O Globo
- Atualizada em


Onde Está Meu Trio?


O uruguaio Nicolás Correa, um dos torcedores do Nacional (URU) que no dia 31 de janeiro, na partida contra a Chapecoense, pela Pré-Libertadores, ironizaram o desastre aéreo da equipe catarinense, pediu desculpas a ambos os clubes e ao povo brasileiro nesta segunda-feira.

Foto: Reprodução/ Twitter

“Quero pedir desculpas ao povo do Brasil, aos torcedores da Chapecoense e aos torcedores do Nacional, que é a minha vida. Estamos arrependidos... tanto eu como o outro rapaz que aparece no vídeo”, disse Correa, em entrevista à emissora uruguaia “Sport 890”.

“Prejudicamos o clube e agora esperamos uma punição”, acrescentou Correa.

Ele explicou ainda que, antes do deboche, ele e outros torcedores do Nacional foram provocados por torcedores da Chapecoense na Arena Condá.

“Quando entramos no campo, eles começaram a nos insultar. Insulto vai, insulto vem... Infelizmente, aconteceu de fazer aquele gesto (do avião) e sabemos como terminou tudo”, detalhou o jovem.

Por conta da atitude, Correa e o outro torcedor foram expulsos pelo Nacional do quadro de sócios do clube.

ENTENDA O CASO
Em novembro de 2016, a queda de uma aeronave contratada pelos catarinenses que levava esportistas e jornalistas à Colômbia deixou 71 mortos. A referência à tragédia (por parte dos torcedores do Nacional) causou indignação entre internautas e membros do esporte e mobilizou a Conmebol, que abriu uma investigação e pode até expulsar a equipe uruguaia da competição.

Em comunicado, o Nacional se desculpou pela conduta dos torcedores, a qual chamou de “horrenda”. O comportamento dos fãs no jogo trouxe à equipe ‘uma profunda vergonha’, diz a nota. Os uruguaios também esclareceram que vão apoiar as investigações da confederação e que esperam ‘severas penalidades’ para os responsáveis.

“Infelizmente, várias mentes doentes canalizaram sua irracionalidade no cenário do esporte. O Nacional fez o esforço, como outros clubes do continente, de evitar episódios do tipo. Em nome do clube, nós expressamos ao presidente (da Chape) nossa mais profunda empatia e profunda vergonha”, lê-se no comunicado da equipe uruguaia.

A investigação aberta pela Conmebol se baseia no artigo 14 (discriminação e comportamentos similares) do Regulamento Disciplinar da entidade, em concordância com o artigo 8, que prevê punição aos clubes pelo comportamento de seus torcedores. As penas vão de multa ou perda de mando de campo até a expulsão do torneio.

O Nacional venceu a Chapecoense por 1 a 0, na primeira partida classificatória. A equipe catarinense conseguiu vaga para a Pré-Libertadores em função de seu desempenho no Campeonato Brasileiro — o que foi celebrado pelo clube e por fãs do esporte por se tratar de um grande feito apenas um ano após a tragédia. A partida de volta será dia 7 de fevereiro, no Uruguai.

Em novembro de 2016, jogadores da Chapecoense, membros da comissão técnica e jornalistas viajavam à Colômbia para a final da Taça Sul-Americana quando o avião ficou sem combustível e caiu nas montanhas. Apenas cinco pessoas sobreviveram.

O Atlético Nacional, adversário naquela final, pediu à competição que o troféu fosse entregue ao time brasileiro. Uma investigação mostrou que o desastre foi causado por falha humana.