Salvador

Morre torcedor do Bahia baleado em atentado na sede da Bamor

Vítima estava internada no HGE desde o domingo passado, após ter sido atingido no ombro

Redação Correio 24h

O torcedor do Bahia Antonio Marcos Sadela, 49 anos, que foi baleado no ombro esquerdo em um atentado no domingo passado, na sede da Bamor, no Tororó, morreu por volta das 22h de sexta-feira, no Hospital Geral do Estado (HGE), onde estava internado. Ele também teve o pulmão atingido pela bala e estava hospitalizado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O enterro deve ocorrer às 16h deste sábado. O cemitério ainda não foi definido. Outros dois torcedos foram baleados no atentado, Daniel Sena Duarte, 20, atingido no abdômen, e Hugo dos Santos, 25, estão bem.

Torcedor Antônio Marco Sadela foi baleado no último domingo na sede da torcida organizada Bamor (Foto: Reprodução/Facebook)

Antonio Marcos era auxiliar de portaria, mas atuava também como DJ nas horas vagas. "Ele tinha como hobby mixar músicas. Era DJ nas horas vagas e colecionador de disco de vinil", contou um amigo, que não quis de identificar. Na Bamor há 26 anos, ele era  responsável pelo patrimônio da torcida, como faixas e bandeiras. "Nunca se envolveu com briga. Dificilmente se ouvia a voz dele", acrescentou o amigo.

Procurado pelo CORREIO, um porta-voz da diretoria da Bamor que pediu para não ser identificado, lamentou o ocorrido e disse que a torcida está de luto. Na ocasião do atentado, a Bamor emitiu uma nota. "Nossa diretoria vem a público reafirmar a sua posição de repúdio a todo e qualquer ato de violência e registrar que não tolera e nem promove nenhuma ação que represente fato agressivo dentro ou fora do estádio de futebol". 

Na nota, a Bamor ainda informou que  apela para a Secretária de Segurança Pública e o Ministério Público do Estado da Bahia no sentido de haver uma investigação que aponte todos os envolvidos "nesse episódio criminoso, evidente tentativa de homicídio, e que fiquem claras as motivações e autorias de modo a possibilitar as denúncias e processos criminais que o evento demanda".

Um amigo da vítima também usou uma rede social para lamentar a perda: "Poxa, mais uma amigo vai embora por causa da banalidade e esse aí era da paz mesmo. Sempre um cara exemplar, que em meu tempo de torcida, na minha infância, me ajudou e mostrou que a Bamor era festa e não violência. Ele ainda questionou essa violência no futebol: "Basta de violência futebol é alegria paz, fazer amigos. Temos adversários e não inimigos. Cada cidadão tem o livre arbítrio para torcer e fazer de sua vida o que quiser, não podemos continuar vivenciando essas barbaridades. Descanse em paz irmão".

Na ocasião do crime, a Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) informou que dois homens em um HB 20 branco efetuaram os disparos na porta da sede da entidade localizada na Travessa Florêncio Passos, no bairro do Tororó. Os tiros foram disparados no dia em que o Bahia e o Vitória disputariam a final do campeonato baiano. A autoria e motivação do crime são investigados pela Polícia Civil.