Bahia

Acidente em refinaria foi o segundo em dez dias; MPT vai investigar

Um explosão deixou três trabalhadores da refinaria Landulpho Alves feridos neste último domingo

Alexandro Mota (alexandro.mota@redebahia.com.br)
- Atualizada em
O Ministério Público do Trabalho (MPT) abriu na terça-feira (19) um procedimento de investigação para apurar a explosão que no domingo deixou três feridos na refinaria Landulpho Alves, em São Francisco do Conde, na Região Metropolitana de Salvador. “Tivemos informação de que é o segundo acidente em menos de dez dias na mesma refinaria. Então, precisamos de esclarecimentos”, afirmou ontem o procurador do trabalho Luís Carneiro.  O Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro) informou que, na última quarta-feira, já havia ocorrido um incêndio na unidade 30 da refinaria da Petrobras (o de domingo foi na unidade 38).

Acidente em refinaria foi o segundo em dez dias; MPT vai investigar
(Foto: Arquivo CORREIO)

Na terça-feira (19), os operários paralisaram as atividades e, por volta das 6h,  fecharam o Trevo da Resistência, próximo da rodovia BA-522. “Decidimos em assembleia parar todas as atividades de manutenção que estavam sendo realizadas. Todo mundo voltou para casa para que o espaço esteja livre para que haja uma perícia detalhada”, contou o coordenador-geral do Sindipetro, Deyvid Bacelar. As três vítimas, que foram arremessadas no momento da explosão, continuam internadas.  O caldeireiro Jonas Leal está internado no  Hospital de Medicina Humana, em Candeias. Ele teve queimaduras, mas a unidade não divulgou seu estado de saúde.

Funcionários da refinaria param atividades em protesto por acidente
(Foto: Wandaick Costa/Divulgação)

As outras duas vítimas foram encaminhadas para a UTI do Hospital da Bahia, em Salvador. Ontem, o quadro de ambos era estável. José Adilson teve traumatismo torácico e cerebral com lesão na região occipital (parte traseira inferior do crânio). Ele tem 40% do corpo queimado e fratura na tíbia. Já Jucilene de Jesus teve 15% do corpo queimado, inclusive o rosto, além de traumatismo craniano.   Procurada, a Petrobras repetiu o posicionamento do dia anterior e não comentou sobre a paralisação dos funcionários. “Não houve danos ao meio ambiente e o abastecimento ao mercado não será afetado”, informou, em nota, a empresa, que diz estar averiguando o que ocorreu.
Correio24horas