Bahia

Após suspensão de atendimento médico, Procon-Ba notifica Bradesco Saúde

Órgão notificou a empresa para participar da reunião marcada para o dia 30 de junho

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em
Após ser suspenso o atendimento médico em todo o estado da Bahia pelo Sindicato dos médicos da Bahia (Sindimed-BA), o PROCON-BA, órgão vinculado à Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), notificou nesta quinta-feira (26), a Bradesco Saúde S/A, para participar da reunião que será promovida pelo PROCON-BA, no dia 30 de junho.

O objetivo do encontro é intermediar uma solução para a paralisação dos atendimentos médicos por meio do plano Bradesco Saúde S/A.Durante a reunião, também estarão presentes representantes do Sindicato dos Médicos no Estado da Bahia (SINDMED), da Agência Nacional de Saúde (ANS), da Comissão Estadual de Honorários Médicos (CEHM), além do Ministério Público e Defensoria Pública.

Segundo o superintendente do órgão, Ricardo Maurício Freire Soares, o atendimento médico é um direito de qualquer pessoa e teve que ser intervido quando suspenso.“Por tratar a paralisação dos serviços médicos de matéria que engloba o direito do consumidor à regular prestação do serviço, faz-se necessária a presença do PROCON-BA, a fim de mediar negociações, no sentido de salvaguardar os consumidores, buscando o equilíbrio e a proteção à vida e saúde dos consumidores”, ressaltou.
Órgão notificou a empresa para para participar da reunião marcada para o dia 30 de junho
Os procedimentos médicos e consultas eletivas não poderão ser realizadas, apenas em casos de urgência e emergência. Em entrevista ao iBahia, o presidente do Sindicato, Dr. Francisco Magalhães, afirmou que tentou negociar de todas as formas com a empresa, que há algum tempo se recusa a realizar um reajuste nos valores dos procedimentos médicos. "A partir de hoje, os médicos que atendem por esse plano suspenderam suas atividades porquê o plano de saúde Bradesco pratica preços irrisórios em relação à consulta e procedimentos médicos. Nós estamos tentando negociar com eles. Existe, inclusive, uma decisão jurídica que determina que o plano se sente à mesa com o Sindicato para negociar, mas eles se negam e a única medida que pudemos que tomar foi essa", disse.