Bahia

Bahia tem mais de 70 mil crianças e adolescentes de 5 a 14 anos trabalhando

O estado ocupa a oitava posição entre todas as unidades da federação. Entre 2002 e 2015, a redução foi de 74,4%

Redação Correio 24h

Quem pensa que o trabalho infantil foi erradicado no Brasil – e na Bahia – nos últimos anos está enganado. Em todo o país, ainda há mais de 638 mil crianças e adolescentes com idades entre 5 e 14 anos trabalhando. Na Bahia, o total é de 71.773 crianças trabalhando, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2015 para a Bahia e Brasil: isso faz com que o estado ocupe a oitava posição entre as unidades da federação. 

A Bahia ainda tem mais de 70 mil crianças e adolescentes de 5 a 14 anos trabalhando
 (Foto: Geraldo Ataíde/Arquivo CORREIO)

De fato, no estado, houve uma ‘expressiva redução desse contingente’, na avaliação do próprio Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2002, eram 279.974 pessoas de 5 a 14 anos sendo exploradas em espaços de trabalho – significava 9,7% do total de crianças e adolescentes baianos. Ou seja: praticamente uma em cada 10 crianças e adolescentes trabalhavam na Bahia. Agora, a taxa é de 2,9% da população baiana com essas idades.

Quem pensa que o trabalho infantil foi erradicado no Brasil – e na Bahia – nos últimos anos está enganado. Em todo o país, ainda há mais de 638 mil crianças e adolescentes com idades entre 5 e 14 anos trabalhando. Na Bahia, o total é de 71.773 crianças trabalhando, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2015 para a Bahia e Brasil: isso faz com que o estado ocupe a oitava posição entre as unidades da federação. 

De fato, no estado, houve uma ‘expressiva redução desse contingente’, na avaliação do próprio Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2002, eram 279.974 pessoas de 5 a 14 anos sendo exploradas em espaços de trabalho – significava 9,7% do total de crianças e adolescentes baianos. Ou seja: praticamente uma em cada 10 crianças e adolescentes trabalhavam na Bahia. Agora, a taxa é de 2,9% da população baiana com essas idades.