Bahia

Cortejo, missas, água de cheiro e mais: conheça a história da Lavagem do Bonfim

A festa é considerada a maior manifestação religiosa popular da Bahia pelo Iphan

Lívia Oliveira (livia.oliveira@redebahia.com.br)
- Atualizada em

A segunda quinta-feira do mês de janeiro tem lugar marcado no coração dos baianos, pois é celebrada a Lavagem do Bonfim. O festejo inter-religioso reúne milhares de fiéis na Cidade Baixa, em Salvador, para participar de cultos ecumênicos e de uma caminhada de cerca de 8 km da Igreja da Conceição da Praia até a Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, onde acontece a lavagem da escadaria. 

O cortejo, que atrai turistas e baianos adeptos do catolicismo e de religiões de matriz africana, é comandado por baianas com trajes típicos e seus vasos com água de cheiro. Este é o dia do Senhor do Bonfim (para os católicos) e de Oxalá (para religiões de matriz africana). 

Imagem aérea dos Festejos da Lavagem do Senhor do Bonfim 2019 | Foto: Manu Dias/GOVBA

Em entrevista ao portal iBahia, o jornalista e pesquisador Nelson Cadena, explicou quais foram os acontecimentos históricos que construíram essa tradição religiosa e cultural.

De acordo com Nelson, a história da celebração está diretamente ligada a fé do português Theodósio Rodrigues de Faria, que era um capitão de mar e traficante de escravos. Para se proteger dos perigos da navegação entre a Europa e a América, ele prometeu que iria trazer uma imagem de Senhor do Bonfim para Salvador e que construiria uma igreja para cultuar esse santo, ao qual era devoto.

"Theodósio de Faria trouxe a imagem em 1745 e ela ficou guardada na Igreja Nossa Senhora da Penha até 1754, que foi quando a Igreja de Nosso Senhor do Bonfim ficou pronta e a festa realmente começou com a procissão para transferência da imagem de lugar", explicou o pesquisador, que também reforçou que todas as festas populares da Bahia nasceram direta ou indiretamente dos "homens do mar". 

Lavagem

A tradição da lavagem das escadarias é um verdadeiro mistério, já que ninguém sabe ao certo quando aconteceu a primeira e o que motivou o ato. Para Nelson Cadena, que é autor do livro  “Festas Populares da Bahia. Fé e Folia”, a lavagem não passava de uma faxina, como as que a gente costuma fazer para arrumar a casa antes de um dia de festa. 

Cortejo em 1992 | Foto: Marco Aurelio Martins/Arquivo Correio

"A festa do Senhor do Bonfim começa com uma novena que dura nove dias e termina com a realização de missa festiva. Então, nesse dia a igreja precisava estar limpinha e na quinta era feita uma lavagem pelos escravos libertos, normalmente mulheres. Depois, esse ato ganhou ares litúrgicos".

O pesquisador conta que para participar da festa do Senhor do Bonfim muitas pessoas precisavam pernoitar no lugar por quatro a seis dias, então era necessário que se levasse água, lenha, madeira e comida para ajudar nas acomodações dos romeiros. As pessoas que faziam essas atividades foram o primeiro público do festejo. Depois, com a criação da estrada dos Dendezeiros e a implantação da estrutura de transportes, a ocasião foi ganhando mais adeptos e tomando as formas que conhecemos atualmente. 

Foto: Elói Corrêa/GOVBA
O modelo de celebração que combina o sagrado e o profano incomodou a igreja Católica, que chegou a tentar reprimir a lavagem e a presença de adeptos das religiões de matrizes africanas.

Um dos pontos marcantes da história da celebração foi quando o arcebispo Dom Antônio Luís Santos publicou uma portaria que proibia as lavagens das igrejas em dias de festa, em homenagem aos santos (em 1889), e contou até com o apoio da polícia para alcançar o objetivo, o que não funcionou.

A festa do Bonfim foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 2013 e passou a ser considerada a maior manifestação religiosa popular da Bahia. 

Sagrado e Profano

As barraquinhas de bebida e comida, a venda de adereços litúrgicos (os santinhos, as fitinhas do Bonfim, etc) e a música sempre fizeram parte do percurso. Nelson Cadena chamou atenção que o sagrado e o profano caminham lado a lado.

"Uma coisa não exclui a outra. A pessoa vai lá por ter devoção, para agradecer, mas também toma sua cerveja pelo caminho, vai curtindo e acompanhando o som de uma marchinha", ressaltou. 

O pesquisador ainda afirmou que é justamente essa infraestrutura, de não fazer apenas uma procissão, que possibilita a festa popular crescer e sobreviver por tantos anos.

Foto: Elói Corrêa/GOVBA

Fitinhas do Bonfim 

Umlivro de Termo de Compromisso da Irmandade, de 1792, já possuía registros da existência da fita ou "medida" de Santo. O documento foi encontrado posteriormente, no século 21, por  Luis Geraldo Freire Urpia de Carvalho, tesoureiro da Irmandade.

Inicialmente, o adereço era chamado de "medida" e tinha o comprimento do braço direito da imagem do Bonfim. As primeiras fitinhas eram feitas de cetim e seda e usadas bordadas em chapéus ou no pescoço. 

Ao iBahia, Nelson Cadena explica que a fitinha como conhecemos hoje, colorida e fininha, provavelmente tenha influência europeia e foi estimulada pelos próprios órgãos de turismo. "Tem vários lugares do mundo em que existe a tradição dos três pedidos em locais turísticos, a gente adaptou isso as fitinhas do Senhor do Bonfim", acrescenta. 

Hino do Senhor do Bonfim

Foto: Elói Corrêa/GOVBA
A maioria dos fiéis que acompanham o cortejo da Lavagem do Bonfim cantando o hino do Senhor do Bonfim, uma composição de Arthur de Salles, que já foi regravada por Caetano Veloso e outros artistas. Mas, o que poucas pessoas sabem é que essa composição é fruto de um concurso realizado durante as comemorações do centenário da Independência da Bahia, em 1923, e que esse não foi o hino vencedor. 

"O hino vencedor foi o do poeta Péthion de Villar, musicado pelo maestro e compositor Remígio Domenech, que é mais formal. O Arthur de Salles conseguiu fazer uma ligação entre a religiosidade do baiano com o Senhor do Bonfim, por isso pegou e acabou se popularizando", analisa Nelson. 

Vale lembrar que por causa da pandemia do novo coronavírus o cortejo com a presença dos devotos não será realizado e toda programação será transmitida online através das redes sociais.