Bahia

Especial no Globo Repórter relembra histórias marcantes de baianos

O programa vai mergulhar na história da emissora, que surgiu em 1985, e vai resgatar diversas histórias

Marina Montenegro (marina.montenegro@redebahia.com.br)
- Atualizada em
O Globo Repórter exibe nesta sexta-feira (3), às 22h30, depois da novela Babilônia, uma edição especial sobre os 30 anos da TV Bahia. O programa vai mergulhar na história da emissora, que surgiu em 1985, e vai resgatar diversas histórias e personagens que marcaram as últimas três décadas.
Amilton dos Santos, o operário baiano que se recusou a demolir duas na periferia (Foto: Gilvan Reis/iBahia)
Apresentado por Sérgio Chapelin e com reportagem do baiano José Raimundo, o Globo Repórter vai homenagear o aniversário da emissora e relembrar histórias que ficaram marcadas na mente dos baianos. São histórias como das gêmeas que não se viam há mais de 40 anos e se reencontraram no quadro Desaparecidos, que vai ao ar às quartas-feiras, na Praça da Piedade; a do homem que ficou um ano e meio sem tomar banho porque faltava água até para beber; a tragédia da Fonte Nova; o caso do menino das agulhas que foi torturado pelo padrasto; do tratorista que virou herói e do tratamento de doenças com células tronco descoberto por cientistas baianos.
Gêmeas separadas há mais de 40 anos se reencontraram
em programa (Foto: Reprodução/TV Globo)
A proposta é recuperar histórias significativas que foram presenciadas pelas equipes da TV Bahia e verificar a atual situação de algumas das pessoas envolvidas. “Vamos resgatar histórias e personagens marcantes e atualizar essas histórias, ver como estão essas pessoas atualmente. A ideia é que seja um resgate atualizado da história da emissora”, destaca José Raimundo.
Para o repórter, a homenagem à emissora, que conquistou, em 2014, a maior audiência entre todas as afiliadas da Globo no Brasil, representa “uma viagem pela história da Bahia nos últimos 30 anos”, conta. O Globo Repórter vai exibir também histórias da religiosidade baiana como a atual situação do processo de canonização de Irmã Dulce (1914- 1992) e as lembranças de Mãe Menininha do Gantois (1894- 1986).
O programa, que só será exibido na Bahia, vai mostrar ainda como funciona a maior rede de televisão do Norte e Nordeste e a equipe por trás das câmeras: “Vamos mostrar os profissionais que fazem o jornalismo da TV Bahia e como esse trabalho consegue abranger todos os municípios baianos”, destaca José Raimundo.
Correio24horas