Bahia

Guarda municipal é absolvido por morte e estupro de adolescente em Abrantes

O julgamento de 2013 foi anulado e um novo júri foi determinado pelos desembargadores do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA)

Redação Correio 24h
- Atualizada em

O guarda municipal José Pereira Júnior, acusado de estuprar e matar uma adolescente de 16 anos, foi absolvido em julgamento nesta quinta-feira (16) em Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador. Em julgamento realizado em 2013, ele havia sido condenado a 24 anos de prisão por homicídio triplamente qualificado e estupro. A adolescente foi morta em junho de 2011 em Vila de Abrantes.

O julgamento de 2013 foi anulado e um novo júri foi determinado pelos desembargadores do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), que entendeu que o julgamento de 2013 foi contrário à prova dos autos. A sessão de hoje foi presidida pelo juiz Sadraque Rios.

A família de José sempre protestou contra a acusação e afirmava que ele estava em uma festa longe do local do crime no dia da morte de Adriane. O retrato falado divulgado à época pela polícia também não guarda muita semelhança com o guarda municipal, argumentam os familiares.

Adriane foi morta aos 16 anos em 26 de junho de 2011 - ela foi rendida quando voltava para casa com o namorado, um adolescente de 17 anos que depois afirmou que um homem desceu de um carro e abordou a garota. O crime aconteceu em Vila de Abrantes. O adolescente foi a principal testemunha contra o guarda municipal.

José foi preso desde 19 de agosto de 2011 e foi solto em 2014, depois que o primeiro julgamento foi anulado. "Tô pagando por outra pessoa. Quem cometeu realmente deve estar por aí dando risada (...) Eu tenho esperança ainda de que seja feita a justiça", disse José em entrevista à TV Bahia na ocasião. Ele nunca confessou o crime.

Correio24horas