Bahia

Hacker invade aula virtual e exibe vídeos pornográficos para crianças

Caso aconteceu em uma aula virtual do colégio Acadêmico, de Lauro de Freitas; ele também ameaçou os alunos

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Um hacker invadiu diversas vezes uma sala virtual do colégio Acadêmico, de Lauro Freitas, região metropolitana de Salvador, nos últimos dias. Na ocasião, ele ameaça estudantes, escreve mensagens indevidas  e exibe vídeos pornográficos. A turma é composta por crianças. As informações são do G1 Bahia.

Em entrevista ao G1, a mãe de um dos alunos, que não quis se identificar, relatou que os ataques começaram a ocorrer desde o dia 19 de fevereiro. Após esta data, conteúdos mais sérios foram expostos nas aulas virtuais.

"A partir de segunda-feira [22], que foi o início da aula normal, a situação ficou caótica, porque a professora não conseguia dar aula, toda hora ele [hacker] entrava, toda hora com xingamentos, vários xingamentos pesados, inclusive mencionando o nome das crianças. ‘Fulano, eu vou achar seu endereço, e vou aí’, sabe? Ameaçando", disse a mãe em entrevista ao G1.

Ela contou ainda que o hacker xingou as crianças e passou a colocar vídeos de pornografia durante as aulas.

“Inicialmente, o invasor só ameaçava: ‘Eu vou roubar sua conta, vou pegar seu e-mail, telefone, endereço’, e algumas vezes mencionava o nome de alunos. Depois, começaram com xingamentos e na quinta-feira [25] colocou vários vídeos de sexo explícito”.

A mãe disse que a professora tentou até resolver a situação em uma das invasões, mas não obteve sucesso.

“A professora acionou o professor que é responsável pela área de informática. Ele entrou e garantiu para a gente: ‘Agora eu já derrubei ele [hacker]. Estou colocando a senha dele e ele não vai entrar mais’. Aí ele [hacker] entrava de novo e dizia: ‘Entrei, sei otário, kkkkkkk’", conta ela.

Em entrevista ao G1, outra mãe também se mostrou preocupada com a sequência de invasões e cobrou um posicionamento da escola.

“A gente já conseguiu retirar a criança da frente do computador o mais rápido possível, assim que a gente detectou que a coisa tinha acontecido. E realmente foi um susto muito grande, e ao mesmo tempo uma necessidade de uma resposta. Que atitude a escola vai tomar? Porque a gente precisa de alguma resposta, precisamos saber o que vai acontecer e se isso vai tornar a acontecer", pontuou ao G1.

Em nota enviada ao G1, o Colégio Acadêmico disse que iria tomar as devidas providências com o suporte do Google e que as senhas foram redefinidas.

O comunicado diz ainda que a escola registrou um boletim de ocorrência que foi encaminhado para o grupo de investigações de crimes na internet com o intuito de identificar e punir o hacker. Ainda não se sabe detalhes sobre o suspeito e se ele já foi identificado.