Bahia

Sesab afirma que a Bahia não irá antecipar 2ª dose de vacinas contra covid-19

No estado as vacinas continuarão seguindo o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Nesta quarta-feira (14), a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) informou que a Bahia não irá antecipar a segunda dose das vacinas contra a covid-19. Em alguns estados brasileiros, as datas de aplicação estão sendo adiantadas para conter a variante delta. As informações são do Correio.

As recomendações do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19 é de que os reforços das vacinas sejam aplicados após um número exato de dias. Para os imunizantes da Astrazeneca/Oxford e da Pfizer, esse prazo é de 12 semanas após a primeira dose; para a Coronavac, deve ser respeitado o intervalo de 28 dias; e a vacina da Janssen conta com apenas um única dose.

Para acelerar a vacinação e conter a variante delta, estados como Mato Grosso do Sul, Espírito Santo, Goiás e Maranhão, o intervalo de tempo entre as doses da AstraZeneca e da Pfizer foi diminuído e cada localidade adotou um novo padrão. Os estados de Pernambuco e do Rio de Janeiro também permitiram a antecipação.

Mas por que não antecipar na Bahia?

A ideia foi discutida e rejeitada durante a última reunião da CIB, comissão que reúne representantes dos 417 municípios baianos e o estado. 

Além disso, a Fiocruz emitiu um parecer na última terça-feira (13), onde reafirma a aplicação da vacina com o intervalo de 12 semanas. "A Fundação esclarece que o intervalo de 12 semanas entre as duas doses recomendada pela Fiocruz e pela AstraZeneca considera dados que demonstram uma proteção significativa já com a primeira dose e a produção de uma resposta imunológica mais robusta quando aplicado o intervalo maior", diz a nota. "Adicionalmente, o regime de 12 semanas permite ainda acelerar a campanha de vacinação, garantindo a proteção de um maior número de pessoas."