Bahia

Veja o ranking dos melhores e dos piores deputados federais da Bahia

Lista também avalia os deputados que mais gastaram a chamada cota para exercício da atividade parlamentar

Redação Correio 24h
Criado em 2012 por dois empresários brasileiros que integram movimentos de combate à corrupção, o Ranking dos Políticos atualizado com os dados dos três primeiros meses do ano traz a  lista dos cinco deputados federais baianos mais bem posicionados no páreo. O primeiro lugar na classificação geral é ocupado por João Gualberto (PSDB), o único do estado na relação dos dez parlamentares da Câmara com a maior pontuação, onde aparece em sétimo. Na segunda, terceira, quarta e quinta colocações, respectivamente, estão Cláudio Cajado (DEM), Lúcio Vieira Lima (PMDB), Benito Gama (PTB)  e Elmar Nascimento.
Na ponta contrária, a que reúne nomes com  baixa avaliação, a liderança ficou com Luiz Caetano (PT), último entre todos os 513 deputados. Abaixo dele, vêm Daniel Almeida (PCdoB) e João Carlos Bacelar (PR), 512º e 511º no ranking geral. Afonso Florence e Waldenor Pereira, ambos do PT, completam o time. Baseada em critérios como assiduidade, quantidade de processos judiciais a que respondem e o total gasto com a verba indenizatória, a ferramenta é alimentada por dados oficiais do Legislativo e do Judiciário disponíveis em portais de transparência. Não foi incluído quem pediu licença do mandato.
Presentes e faltosos
Em número de presença nas sessões, Davidson Magalhães (PCdoB) aparece com a maior pontuação entre os deputados baianos. Félix Mendonça Júnior (PDT), Bacelar (PTN), Antonio Brito (PSD) e Mario Negromonte  Júnior (PP) completam o ranking. Já a lista dos faltosos é encabeçada por Arthur Maia (PPS), relator da Reforma da Previdência, seguido  por Lucio Vieira Lima, Afonso Florence, Sérgio Brito (PSD) e Waldenor Pereira. Dos que respondem processos judiciais, Bacelar acumula a nota mais negativa. Na sequência, estão Roberto Britto (PP), Mário Júnior, Arthur Maia e Erivelton Santana (PEN).
Alta mordomia
O Ranking dos Políticos também avalia os deputados que mais gastaram a chamada cota para exercício da atividade parlamentar - repasse feito mensalmente pela Câmara para cobrir  despesas com o mandato, tais como combustível, telefonia, passagens aéreas, alimentação, hospedagem, manutenção de escritório nos estados de origem, aluguel de carros e aeronaves, divulgação do trabalho, consultoria e segurança. Nos cinco primeiros lugares, estão Sérgio Brito, Roberto Britto, Paulo Magalhães (PSD), José Carlos Araújo (PR) e Márcio Marinho (PRB). Os deputados que menos utilizaram a verba foram: Nelson Pelegrino (PT), Davidson Magalhães, Alice Portugal (PCdoB), João Gualberto e Antonio Brito.