bbb

Fiuk comenta beijo em Gil e diz não receber mesada de Fábio Jr: 'Emancipado desde 16 anos'

Brother diz que as dificuldades citadas na casa foram impostas pela pandemia

Agência O Globo
- Atualizada em

Durante sua participação no "Big Brother Brasil 21", Fiuk falou diversas vezes que um de seus objetivos de entrar no programa era "sair do casulo". Terceiro lugar na competição, o cantor considera que cumpriu seu objetivo. Agora fora do reality, esclarece para o público as dúvidas sobre sua vida financeira, tópico que levantou nas últimas semanas de programa. Também revela que, diferente do que costumam esperar, não recebe mesada de seu pai. 

Foto: Reprodução

"Eu já vi alguns memes. Eu sou emancipado desde os 16 anos, desde essa idade ninguém me paga nada, eu pago minhas contas. Eu não tenho vergonha da minha trajetória. Desde os 15 anos não recebo mesada, ele (Fábio Jr.) sempre me educou muito bem, mas se eu ganhasse mesada não teria vergonha", conta.

"Eu tinha acabado de investir em um evento, logo começou a pandemia. Não tenho vergonha de dizer que passei por um momento ruim. Sempre tive vergonha, escondi isso também, mas já que eu estava me expondo, perdi a vergonha. Mas confesso que acho que me emocionei demais".

Mas o confinamento o trouxe outras aprendizados. Para o cantor, a experiência de se mostrar completamente ao público o transformou e o ensinou a lidar melhor com todos os seus defeitos, qualidades e com a pressão de ser filho de uma figura tão renomada.

"Acho que tive coragem de ser eu com todos os defeitos e qualidades. Vivemos em um mundo em que temos que ser perfeitos. Sou filho do Fábio Jr., ator e cantor, não posso me dar mal. Sempre fui inseguro e escondi isso, mas me dei o direito de ser imperfeito. Sempre escondi minha depressão e meu TDAH por conta das redes sociais. Sempre fiz questão de não postar ou falar algo sobre, mas a casa foi o momento de me aceitar. Foi doloroso, mas também foi uma experiência que não tem como explicar, foi transformador, foi lindo, foi legal ", comenta. 

Também revela ter sido convidado para a edição passada do programa, mas, por não estar lidando bem com a pandemia, acabou declinando o convite:

"Confesso que não foi fácil, sempre vivi de eventos, e sempre me arrisquei muito nas coisas. Mas não foi fácil, tive que aprender a lidar. Eu já havia sido convidado no ano passado, mas o convite neste ano mexeu tanto comigo que não sabia explicar. Fiquei pensando um pouco, pensando porque fiquei tão mexido. De fato, participar me ajudou e está me ajudando. Foi transformador na minha vida".

Ele vê sua relação com Gil como um dos destaques de sua participação, e afirma que espera que se mantenham amigos por toda a vida, mas não descarta dar alguns beijos no economista.

" Meu Gilzinho do Vigor, meu vigorado. A gente já deu um beijinho, ele quer dar outro? (risos). Eu tenho um carinho enorme por ele, quem sabe nós não damos uns beijinhos de amigo agora," brinca: "Meu amor por ele permanece e vai ser pela vida toda. Ele é muito especial para mim".