bbb

'Não sei mensurar a dor que devo ter causado', diz Rodolffo no 'Mais Você'

Antes da eliminação, Tiago fez um discurso sobre branquitude e racismo e Rodolffo abraçou Camilla e João.

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Após ser eliminado do BBB21 com 50,48% dos votos do público, o sertanejo Rodolffo participou do programa 'Mais Você' com Ana Maria Braga nesta quarta-feira (7). Durante a entrevista, o cantor lamentou a dor que causou em João com o comentário estabelecendo uma comparação com a roupa do monstro. Ele disse ainda que estava feliz por ensinar pessoas que não tinham conhecimento que este tipo de comentário machuca.

"A partir de quando eu realmente entendi que causei dor, eu mudei minha opinião sobre o comentário que fiz. Detesto a sensação de causar dor em qualquer tipo de pessoa, qualquer raça ou orientação sexual. No primeiro dia na casa, eu falei na minha posição que provavelmente eu cometeria alguns erros em alguns sentidos que estão em alta e que não tenho conhecimento suficiente. Infelizmente aconteceu", disse o músico.

Antes da eliminação, Tiago fez um discurso sobre branquitude e racismo e Rodolffo abraçou Camilla e João.

"Não foi suficiente [abraçar ontem]. Revendo as cenas, aquele momento de surpresa tentando justificar, eu deveria ter perdido só desculpas para ele. Não sei mensurar a dor que devo ter causado por conta de um comentário idiota. Eu realmente sei hoje que talvez um simples pedido de desculpas não supra a dor que ele sentiu. Mas foi de coração", declarou.


"Acredito que aconteceu para o bem de outras pessoas. Fui a ponte de ensino para muitos que são mal informados. Fico feliz por fazer parte disso, mas triste de ser eu. Mas feliz de estar ensinando. É um assunto que veio a tona. Infelizmente estou no meio dele. A própria reação dele não foi de chatear na hora. Pegou num ponto dele que ele não conseguiu reagir", relatou ainda sobre o comentário feito sobre o cabelo de João.

"Dois pontos: falha minha mesmo de nunca ter aprofundado no assunto, coisas ou palavras e atitudes que pudessem magoar. Outra coisa que tem somatória significativa é que minha família por parte de pai é negra, só que a leveza que eles sempre levaram a cor da pele e cabelo foi diferente em casa. Meu pai nunca se sentiu incomodado com ataque, preconceito. Falha minha de não pesquisar. É obrigação de todo mundo. O Brasil e o mundo precisava se aprofundar de forma mais rápida", declarou.