Brasil

Acusados de matar Marielle responderão por duplo homicídio triplamente qualificado

Justiça aceitou denúncia do Ministério Público do Rio; decisão também determina apreensão dos bens de Ronnie Lessa e Élcio Queiroz

Agência O Globo

Na mesma decisão em que autoriza a transferência de Ronnie Lessa e Élcio Queiroz para presídios federais fora do Estado do Rio , o juiz Gustavo Kalil, do 4º tribunal do júri do Rio, também aceitou a denúncia do Ministério Público do Rio contra a dupla, acusada de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes.

Agora, eles viram réus e responderão ação penal por duplo homicídio triplamente qualificado - motivo torpe, emboscada e recurso que dificulta a defesa da vítima -, além de tentativa de homicídio contra a assessora de Marielle, Fernanda Chaves, única sobrevivente da tocaia.

Foto: reprodução

Também foi determinada a apreensão de todos os bens móveis e imóveis em nome de Ronnie e Élicio, até o limite dos valores requeridos pelo MP para indenizações às vítimas do crime.

De acordo com o pedido do Gaeco/MPRJ, a medida é necessária para assegurar o ressarcimento dos danos materiais e morais causados à vítima sobrevivente e aos familiares das vítimas fatais. Segundo a denúncia, a partir de quebra de dados telemáticos, teria sido descoberta nos documentos de Ronnie uma nota fiscal referente a uma lancha, com a suspeita de que o sargento reformado estaria tentado ocultar o patrimônio, utilizando-se de outra pessoa.

Silêncio e transferência

Nesta sexta-feira, eles foram chamados para prestar depoimento na Delegacia de Homicídios, onde estavam presos, mas permaneceram em silêncio e afirmaram que só irão se manifestar em juízo . Em seguida, Ronnie e Élcio foram levados para Bangu 1, onde ficarão até haver definição sobre qual presídio federal fora do Estado do Rio eles serão levados. A transferência foi pedida pelo MP, que investiga ligação da dupla com um grupo de milicianos da Zona Oeste, composto por PMs da ativa.



Presos na Operação Lume

A investigação da Polícia Civil e o Ministério Público acredita que Ronnie Lessa é o autor dos disparos que mataram Marielle e Anderson, e que Élcio Queiroz era o condutor do Cobalt prata utilizado para a tocaia daquela noite, 14 de março de 2018. Eles foram presos durante a madrugada da última terça-feira na Operação Lume, nome em referência ao Buraco do Lume, no Centro, praça onde a vereadora costumava se reunir com militantes para tratar de assuntos ligados aos direitos humanos.