Brasil

Antes de morrer, menina com leucemia deixa bilhete para voluntária 'Obrigada por me ver'

Bacharel em Direito contou que em uma das ações, há cerca de dois anos, conheceu Júlia, a espera de uma família para adotá-la

Agência O Globo
- Atualizada em

Antes de morrer em decorrência da leucemia, a pequena Júlia, de 8 anos, deixou uma carta para a voluntária Gabriella Pereira, que costumava visitá-la quatro vezes por semana em um abrigo para crianças em Carapicuíba, na Região Metropolitana de São Paulo. Nas páginas de uma agenda de princesa, a menina esbanja amor e gratidão diante de todo o carinho que recebeu da jovem. O conteúdo da mensagem foi divulgado em uma rede social na última quinta-feira, um dia após a morte da menina, e vem emocionando internautas. O post angariou cerca de 33 mil curtidas e 18 mil compartilhamentos.

Foto: Reprodução

A bacharel em Direito contou que costuma realizar trabalhos sociais há seis anos e, em uma das ações, há cerca de dois anos, conheceu Júlia, a espera de uma família para adotá-la.

"Desde então, não era mais um trabalho, era amor. Dia das crianças, aniversário, Natal, entre outras datas, sempre tive comigo que precisava dar uma passadinha pra ver a magrelinha, porque as outras crianças tinham alguém que visitava e ela tinha apenas eu. Sua irmã foi adotada quando tinha meses, mas a Júlia estava com 8 (anos) e tinha leucemia e lutava pela cura todos os dias", afirmou a voluntária no post.

Em entrevista ao EXTRA nesta terça-feira, Gabriella explicou que todo domingo ocorre recreação no abrigo, contando com a presença das mães, porque nem todas as crianças moram no local. Segundo a jovem, que também visitava Júlia às segundas, quartas e sextas-feiras, há famílias que não têm condições ou que são usuários de drogas.

— Quando melhoram, costumam ver os filhos e buscá-los, mas a Júlia realmente foi abandonada. Ela estava para adoção — disse.

A voluntária afirmou que, em seu caso, seria difícil um juiz aceitar o pedido de adoção, mas mesmo assim não desistiu e seguiu com um processo com o apoio de sua família.

— Entrei com a documentação pra fazer a adoção, estava com um pedido em andamento, mas não deu tempo.

Gabriella, de 23 anos, ressaltou, porém, ter feito tudo ao seu alcance para atender as vontades da menina.

— O primeiro pedido dela foi que queria ter cabelo, então cortei o meu e doei pra ela — afirmou.

E esse amor entre as duas ficou bastante claro na carta escrita pela criança.

"Quero pedir obrigado por me conhecer por vim (sic) me ver e por me dar o video game que te pedi, eu sabia que era muito caro e pra comprar o video game precisa vender uma casa, mesmo assim você me deu, obrigada pela sandália de salto que me deu, e por trazer aquele lanche que eu sempre vi na TV, obrigada por vim (sic) me ver no meu aniversário e trazer o sorvete de morango", disse Júlia.

Ainda que emocionada por ter tido a oportunidade de conhecer a menina no abrigo, Gabriella destacou a importância de crianças terem uma família estruturada e com amor.

"Só faço aqui um pedido às mães que colocam crianças no mundo e abandonam, vocês não fazem ideia do que é uma criança crescer sem ter um apoio fixo. É um funcionário do orfanato que dá um pouco de atenção, depois um enfermeiro que pega amor, ou a mãe de um coleguinha que leva um presente no Natal, ou às vezes, a mãe do coleguinha está em uma viagem, o enfermeiro trocou de plantão e o funcionário trocou de emprego, nessas horas ela está sozinha novamente. Não tem quem ensinar a escrever, não tem quem ensinar a segurar o garfo nas refeições, não tem quem fazer um penteado no cabelo, e nem passar o batom que ela tanto gostava", afirmou. "Mas enfim, tudo isso acabou, agora a Júlia é uma estrela e uma das mais lindas e guerreiras que podem existir, foi com o Papai do Céu que ela tanto queria".