Brasil

Antes de ser preso, Lula escolhe trilha sonora de missa para dona Marisa

A ex-presidente Dilma pediu que fosse tocada também “Maria, Maria”, de Milton Nascimento.

Da Redação Correio 24h (redacao@correio24horas.com.br)

O ex-presidente Lula escolheu as músicas que serão cantadas na missa em homenagem à ex-primeira-dama, Marisa Letícia neste sábado (07). A missa acontecerá antes de Lula se entregar à Polícia Federal, em São Paulo. “Tem que ter Asa Branca”, disse ele aos jovens que estão ajudando a convidar os artistas que vão participar da celebração.

Além do clássico de Luiz Gonzaga, pediu “Deixa a vida me levar”, de Zeca Pagodinho, e muitas canções de Clara Nunes. Fez ainda um pedido especial: “Porto Solidão”, sucesso de Jessé e a canção preferida de dona Marisa. Ficou com olhos marejados ao ver que “Apesar de Você”, de Chico Buarque, estava no setlist, que contará ainda com “O que é, o que é”, de Gonzaguinha.


A ex-presidente Dilma pediu que fosse tocada também “Maria, Maria”, de Milton Nascimento. Entre os artistas confirmados estavam Maria Gadú, Tulipa, Leci Brandão, Fióti e Thaíde. O repertório proposto inicialmente pelos jovens era de clássicos dos anos 60, até Lula se envolver pessoalmente na escolha. 

Negociação

Por volta das 18h de sexta-feira (06), saiu a primeira confirmação de que ele se entregaria, mas queria negociar prazos. O petista pediu para primeiro poder assistir à missa, marcada para às 9h30 deste sábado (7), na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo. Marisa completaria 68 anos neste sábado (7). Ela morreu em 3 de fevereiro de 2017, vítima de Acidente Vascular Cerebral (AVC que sofreu no dia 24 de janeiro. 

Marisa foi casada com Lula por 43 anos e o acompanhou desde o início da trajetória política do sindicalista. Depois voltou atrás. Foi tratada da possibilidade dele se apresentar na sede da PF em São Paulo. Houve também pedido para que ele se entregasse apenas na segunda-feira (9), também na capital paulista. O que a polícia quer evitar é ter que ir até o Sindicato dos Bancários buscar Lula com hora marcada.

Igor de Paula afirmou, antes das conversas finais, durante a tarde de ontem (6), que a possibilidade entrar no local, onde o petista dormiu os últimos dois dias, depois de saber do decreto de prisão, cercado por manifestantes e apoiadores, 'é remota'. “A prioridade é evitar confronto, o que faria inflar ainda mais os ânimos”, disse após reunião com forças de segurança estaduais para definir a operação de chegada de Lula à Curitiba.

Casa 

Outra exigência divulgada por apoiadores de Lula seria a de que ele queria garantiras de cumprir pena em São Paulo. A ordem de Moro, no entanto, determina que ela se apresente na PF, em Curitiba, onde há uma sala reservada para ele, separada da carceragem, com status de sala de Estado-Maior.

O problema é que a PF, que está conversado com os emissários, não tem poderes para negociar o cumprimento da pena. Tem apenas que executar a prisão. E não há negociação com a Justiça Federal. Nem mesmo Moro pode tratar do assunto. Depois de cumprida a ordem de prisão, o caso deixará de ser responsabilidade da 13.ª Vara, passará a ser um novo processo na 12.ª Vara Federal, responsável pela execução penal do caso.

“Após o cumprimento dos mandados, expeçam-se em seguida as guias de recolhimento, distribuindo ao Juízo da 12ª Vara Federal”, registra o despacho de Moro. Será nesse processo e para o juiz competente que a defesa de Lula - ou seus emissários - terá que buscar uma transferência para uma unidade prisional perto de sua residência, em São Bernardo do Campo (SP).