Brasil

Após morte de cachorro, Carrefour anuncia parceria com instituição em prol dos animais

Companhia divulgou comunicado com futuras ações, como mutirões de castrações gratuitas, eventos de adoção e campanhas educativas

Agência O Globo

Quase um mês após a morte da cadela Manchinha, em 28 de novembro em uma unidade do Carrefour de Osasco, na Grande São Paulo, a companhia divulgou um comunicado em que anuncia uma parceria com a Ampara Animal, instituição de proteção aos animais. Com a iniciativa, o Carrefour diz que implementará ações de conscientização, mutirões de castração e adoção, entre outras.


Com o título "Tão importante quanto reconhecer é saber melhorar", o comunicado anuncia medidas para "minimizar o grave problema de animais desamparados no país". Entre elas, "revisão e aprimoramento dos procedimentos internos da empresa", elaboração de "material de treinamento e sensibilização dos funcionários e prestadores de serviços" da companhia, "coordenação de mutirões de castrações gratuitas", "eventos de adoção de animais nas lojas Carrefour", além de campanhas educativas para sensibilizar consumidores.

A empresa afirma ainda que está trabalhando com ONGs da cidade de Osasco e anunciará ações futuras específicas em breve. Nesta terça-feira, 18, um segurança foi responsabilizado pela morte da cadela. A Polícia Civil encaminhou o relatório da investigação para o Ministério Público, que vai decidir se oferece denúncia pelo crime de abuso e maus-tratos a animais.

Imagens mobilizam as redes

Imagens que circularam pela internet mostraram o segurança da rede de supermercados carregando uma barra de metal na direção do cachorro, mas não flagraram a agressão. À polícia, o segurança admitiu que bateu no animal com o objeto, mas negou que tivesse a intenção de feri-lo ou de matá-lo.

Os vídeos também mostram Manchinha sangrando e andando com dificuldade. Funcionários da prefeitura foram chamados para socorrer o animal, que não resistiu aos ferimentos. O relatório policial cita a análise feita por legistas para concluir que as lesões provocaram "hemorragia digestiva alta" no cachorro. Em nota enviada logo após o caso, o Carrefour afirmou que "repudia qualquer tipo de maus-tratos contra animais” e que estava colaborando com as autoridades.