Brasil

Após perder viagem para a Disney, família ganha indenização de R$ 60 mil

Caso aconteceu em Palmas (TO)

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Imagine planejar uma tão sonhada viagem à Disney e, no momento do embarque, ser impedido de entrar no avião por ter um nome escrito errado no bilhete? Essa foi a história de uma família de Palmas (TO), que entrou na justiça contra a companhia aérea e recebeu uma indenização de R$ 60 mil. As informações são do G1 Tocantins.

Segundo a Justiça, a família realizou a compra das passagens áreas no site , mas cadastraram o nome de um dos passageiros de forma incorreta e a empresa impediu que o erro fosse corrigido, o que implicou no impedimento do embarque. O voo era entre Palmas e Orlando (EUA).

Ainda de acordo com a apuração do G1, o pacote era para dois adultos e quatro crianças da mesma família. O erro foi no nome de uma das crianças. Sem conseguir realizar a correção no momento do voo, eles foram informados pela companhia que se quisessem viajar teriam que comprar uma passagem extra por R$ 8 mil. O pacote completo, com as seis passagens, custou R$ 9 mil pela agência.

Além dos prejuízos com as passagens, as reservas do carro e do hotel foram canceladas e foram pedidos os valores com os parques e com os seguros de viagem. Segundo a família, o prejuízo chegou a mais de R$ 25 mil.

A juíza do caso, Odete Batista Dias Almeida, compreendeu que as empresas, tanto a companhia aérea quanto a agência, não agiram de forma razoável. "Embora o equívoco no preenchimento do nome do passageiro possa ser atribuído à primeira requerida, o defeito na prestação do serviço ocorreu no momento em que a empresa aérea recusou-se (de forma desarrazoada, diga-se de passagem) a corrigir referido equívoco e ofertando como única solução viável para dirimir o impasse apenas a compra de uma nova passagem", escreveu ela na sentença.

Além do ressarcimento dos danos, foi determinado que a indenização será de R$ 10 mil por passageiro, o que totaliza R$ 60 mil.

A decisão ainda cabe recurso. Em nota do G1 Tocantins, a Latam disse que vai se manifestar apenas nos autos do processo. Já agência Submarino Viagens não respondeu ao portal.