Brasil

Ativista que denunciou Neymar por homofobia sobre ameaças de morte, diz colunista

De acordo com Fábia Oliveira, Agripino Magalhães está assustado com as ligações que recebeu nos últimos dias

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

O ativista LGBTI+ Agripino Magalhães, que realizou uma denúncia contra Neymar e 'parças' por homofobia contra Tiago Ramos, contou à colunista do O Dia, Fabia Oliviera, que está sofrendo constantes ameaças de morte através de ligações telefônicas e redes sociais.

De acordo com a colunista, ele deu entrada no Ministério Público nesta quinta (11) com um pedido de inquérito para apurar as ameaças de morte desde quando realizou a denúncia contra o atacante.

“Recebi mensagens pesadas nas redes sociais, mas comecei a ficar assustado mesmo com as ligações telefônicas. As pessoas me ameaçam e demonstram saber da minha rotina, da minha vida. Estou com medo”, contou Agripino para a coluna.

Ele contou que o seu advogado, Ângelo Carbone, irá entrar com um pedido de proteção especial da polícia caso as ameaças continuem. Agripino disse ainda à colunista que, além de denunciar Neymar por homofobia, ele pediu para a Justiça a apreensão do passaporte do jogador para que ele não saia do país e, consequentemente, atrapalhe as investigações.

Agripino já tinha falado anteriormente para a coluna que ficou indignado com o áudio vazado da conversa de Neymar com os 'parças' onde, além das ofensas homofóbicas, há incentivo a agressões físicas contra Tiago Ramos. Por causa disso, ele pede uma indenização no valor de R$ 2 milhões que serão destinados a uma ONG LGBTQ+.