Brasil

Bebê de nove meses morre após receber injeção em hospital

Família relata que, após o medicamento, a bebê apresentou ânsia de vômito e ficou roxa

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Uma bebê de nove meses morreu momentos após receber uma injeção em um hospital de Guarujá (SP), onde estava internada. Inicialmente, no dia 25 de setembro, ela foi encaminhada para a instituição de saúde com quadro de febre e ao longo do tratamento apresentou melhoras. Só que, no último domingo, ao receber o medicamento, a criança passou mal e morreu. A polícia investiga se houve erro médico. As informações são do G1 Santos e Região.

Foto: Reprodução/Facebook
Ao G1, a tia da bebê, Karina Freire, explicou que ela foi submetida a diversos exames, inclusive para meningite. Ao longo da internação, ela recebeu diversos tipos de medicamentos. "A médica disse que ela estava com uma infecção muito forte", explicou.

Karina relatou ainda ao G1 que, no dia do ocorrido, a menina estava bem, brincando e conversando. A bebê só começou a apresentar mal-estar quando injetaram o medicamento, quando ela apresentou ânsia de vômito. "Ela começou a ficar roxa. Estava todo mundo no quarto. O pessoal da emergência chegou e levou a Alícia desacordada e ela não voltou mais", contou. A polícia investiga se houve erro médico.



A tia detalhou ainda que houve um pânico entre os funcionários do hospital no momento do ocorrido. "A médica estava socorrendo e, quando a enfermeira que aplicou a medicação chegou, ela gritou para ela sair dali. Os médicos se reuniram em um canto e conversaram. Achei que estavam resolvendo a situação da Alícia, mas depois vi que na verdade ela já estava morta, do outro lado da sala", lamentou.

Ao G1, Karina disse ainda que a família acredita que houve erro médico e que o medicamento pode ser ter sido trocado. "O último exame de sangue dela estava normal. Eu não aceito (a morte da menina). A mãe está inconsolável, assim como pai, pela forma como tudo ocorreu".

O caso foi registrado na delegacia da cidade e no laudo da autópsia consta resultado inconclusivo.

O diretor do Hospital Guarujá, Eldis Carossi, negou ao G1 que houve erro médico e que aguarda o exame toxicológico da polícia. "Para nós, não houve erro médico. A criança teve uma parada cardiorrespiratória súbita. Também estamos assustados com o que aconteceu", disse.

Carossi afirmou ainda que nem a própria médica que atendeu a criança não soube precisar o que causou a morte, já que a bebê foi desfalecendo e não resistiu. “Já averiguamos e não encontramos nada de errado no procedimento”, pontuou.