Brasil

Boechat classifica morte de Moa do Katendê de 'bobagem' e é criticado

Crime aconteceu na madrugada dessa segunda-feira (8)

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

O apresentador Ricardo Boechat, da Band, foi criticado nas redes sociais por conta de um cometário feito, durante o jornal da BandNews, sobre a morte do capoeirista Moa do Katendê, crime aconteceu na madrugada dessa segunda-feira (8). O jornalista classificou o assassinato de 'bobagem' e afirmou que não sinalizava um período eleitoral violento.


"Não vejo agressividade na campanha. Tem um capoeirista morto, mas somos 200 milhões de pessoas. Quantas pessoas morrem por dia? Temos 65 mil homicídios por ano. Aí cita uma morte como fenômeno de campanha? Aquilo é uma bobagem, minha gente. Temos 65 mil homicídios.Tivemos uma eleição sem incidentes. A vida seguiu e está seguindo, estamos indo para o segundo turno", declarou o radialista.

Entenda o caso
O capoeirista e compositor Romualdo Rosário da Costa, 63 anos, conhecido como Moa do Catendê, foi morto a facadas na madrugada desta segunda-feira (08) após uma briga sobre política. Ele estava em um bar perto de casa, no bairro do Engenho Velho de Brotas, quando discutiu com outro homem após se posicionar contra o candidato Jair Bolsonaro. As informações são do Correio.

O irmão do artista, Germinio do Amor Divino Pereira, 51 anos, também foi ferido no braço durante a confusão e foi levado para o Hospital Geral do Estado (HGE) onde permanece internado. 

O autor do crime foi preso e será apresentado nesta segunda-feira (08) para a imprensa na sede do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP). 

Em entrevista ao Correio, o irmão das vítimas, Reginaldo Rosário, 68 anos, contou que Moa estava bebendo com ele e com Germino quando o autor do crime começou a defender Bolsonaro. O artista apresentou um posicionamento contrário ao que estava sendo dito e a discussão ficou acalorada.

Ainda de acordo com Reginaldo, o suspeito voltou para casa, retornou com uma faca e rapidamente atacou a vítima pelas costas. "Foi tudo muito rápido", disse.