Brasil

Bolsonaro 'acha difícil' Congresso aumentar valor do saque FGTS

A medida provisória (MP) limitou o saque emergencial em R$ 500

Agência O Globo

O presidente Jair Bolsonaro negou na manhã desta sexta que tenha atendido interesse de construtoras ao liberar saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) com limite em R$ 500. Disse também que "acha difícil" o Congresso aprovar um aumento no valor do saque, mas que os parlamentares têm o direito de alterar. No entanto, ressaltou que é preciso mostrar de onde tirar recursos para continuidade do programa "Minha casa, minha vida".

— Acho difícil eles (o Parlamento) tomarem medida nesse sentido, mas tem todo o direito de tomar. Se, na ponta do lápis, eles falarem que não será atingida a construção de casa popular no Brasil, não tem problema. Depende de eles mostrarem. Matemática não tem como fugir. Dois e dois são quatro e ponto final — afirmou Bolsonaro, ao deixar o Palácio da Alvorada.

A medida provisória (MP) que limitou o saque emergencial em R$ 500, neste ano, por conta ativa ou inativa do FGTS foi assinada na quarta-feira. O presidente destacou que o governo procurou atender 82% de pessoas com saldo abaixo de R$ 500.

— Alguns falam que eu atendi interesses de construtoras. Não, atendi interesse do povo não majorando isso, porque nós temos que ter recursos para continuar o programa Minha Casa Minha Vida que é muito importante para quem não tem onde morar. Essa que é a nossa intenção — disse o presidente.