Brasil

Bolsonaro diz que não tem previsão de estender auxílio emergencial para outras categorias

Na semana passada, o Senado aprovou uma proposta que aumenta as categorias com direito a receber o auxílio

Daniel Gullino, da Agência O Globo

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (dia 27) que não está prevista uma ampliação do auxílio emergencial R$ 600 para trabalhadores informais, mas disse que poderá ser "convencido" sobre isso, se houver recursos.

Na semana passada, o Senado aprovou uma proposta que aumenta as categorias com direito a receber o auxílio. O projeto agora será analisado por Bolsonaro.

— Não está prevista a ampliação, até porque cada parcela está na casa, um pouco acima, de 30 bilhões de reais — disse Bolsonaro, acrescentando depois sobre a inclusão de novas categorias: — Isso daí, por enquanto, não está previsto. Se houver necessidade, se nos convencerem e tiver recurso para tal, a gente estuda e defere ou não.

O texto aprovado pelo Senado acrescenta nominalmente categorias como beneficiárias da renda emergencial, além de outras mudanças, como a extensão a mães adolescentes solteiras — antes era preciso ter ao menos 18 anos — e inclusão de pais solteiros que, como as mães chefes de família, receberão R$ 1.200.

Entre as categorias que podem ganhar o direito de receber o auxílio estão taxistas e motoristas de aplicativo; pescadores; trabalhadores de artes e da cultura; agentes e guias de turismo; cabeleireiros e manicures e professores contratados que estão sem receber salário, entre outros.

O projeto também estabelece critério de renda de meio salário mínimo para a concessão do Benefício de Prestação Continuado (BPC), auxílio voltado para deficientes e idosos pobres.

Hoje, a permissão é para esse grupo de pessoas com renda de menos de meio salário mínimo. Segundo a equipe econômica, essa mudança no BPC teria impacto é de R$ 20 bilhões por ano, não restrito ao período da crise.