Brasil

Bolsonaro recomenda fazer cocô dia sim, dia não para preservar o meio ambiente

Na ocasião, o presidente ainda disse que 'pessoas que têm mais cultura têm menos filhos'

Agência O Globo

O presidente Jair Bolsonaro sugeriu nesta sexta-feira (9) para um repórter fazer "faça cocô dia sim, dia não" e coma menos para combater a poluição ambiental. Ele havia sido questionado se é possível fazer o país crescer com preservação, depois de destacar a necessidade de alimentar a população crescente e dizer que que a pressão internacional contra o desmatamento ocorre porque "eles querem a Amazônia. As falas foram proferidas durante na saída do Palácio da Alvorada

— É lógico que sim [é possível crescer com preservação]. É só você deixar de comer menos um pouquinho. Quando se fala em poluição ambiental, é só você fazer cocô dia sim, dia não, que melhora bastante a nossa vida também, tá certo? — declarou o presidente, durante entrevista coletiva na saída do Palácio da Alvorada, pela manhã.

Além disso, Bolsonaro afirmou que "pessoas que têm mais cultura têm menos filhos" ao defender uma política de planejamento familiar. Em entrevista coletiva na saída do Palácio da Alvorada, Bolsonaro disse que ele era "uma exceção à regra".

Em seguida, ele defendeu a adoção de uma política de planejamento familiar, apontando que nascem 70 milhões de pessoas no mundo por ano. Pai de cinco filhos, ele citou o próprio exemplo como uma exceção.

— Não é controle não, você vai botar na capa da "Folha" amanhã que eu tô dizendo que tem que ter controle de natalidade. Planejamento familiar. Você olha que as as pessoas que têm mais cultura têm menos filhos. Eu sou uma exceção à regra, tenho cinco, tá certo? Mas como regra é isso — afirmou após apontar que nascem 70 milhões de pessoas no mundo por ano.

O presidente disse que o mundo tem hoje aproximadamente 7,6 bilhões de habitantes e se referiu a números que disse ter recebido do Ministério da Defesa, contabilizados no alistamento militar obrigatório, que equivale a nascidos há 18 anos, para dizer que o Brasil ganha um pouco mais de 2 milhões de habitantes anualmente.


— O pessoal tem que comer. E como é que você tem que estimular o agronegócio? É a parte da economia que mais está dando certo no Brasil. Nós concorremos com Austrália, Estados Unidos, então temos que colaborar com esse setor — afirmou.