Brasil

Carioca que fez vaquinha para se casar morre após realizar sonho

Em junho deste ano, Layra recebeu a notícia de que, após quatro anos combatendo o tumor, já não havia mais alternativas de tratamento

Agência O Globo

A carioca Layra Jordão, que fez uma vaquinha online para realizar o sonho de casar com o noivo Alex Silva, morreu na tarde desta segunda-feira. A estudante de gastronomia tinha um câncer agressivo na glândula salivar e estava internada no Instituto Nacional de Câncer (INCA) desde domingo. Em junho deste ano, Layra recebeu a notícia de que, após quatro anos combatendo o tumor, já não havia mais alternativas de tratamento. Na época, ela e Alex já planejavam se casar. Com a notícia e sem dinheiro para arcar com os custos da cerimônia, o casal recorreu a uma vaquinha online.

Layra e Alex mobilizaram a internet (Foto: Reprodução)

A campanha viralizou na internet e angariou R$ 25 mil em poucos dias. Há um mês e meio, Layra e Alex realizaram o grande sonho. O casamento foi organizado com doações de pessoas que se sensibilizaram com a história do casal. O dinheiro arrecadado foi doado por eles. A cerimônia, com cerca de 100 pessoas, foi celebrada por Ana Hoffmann, que acompanhou a história do casal pela internet e ofereceu o serviço, em um sítio em Vargem Grande, na Zona Oeste do Rio. Sob o entardecer, Layra e Alex, trocaram votos e celebraram a união.

Os dois se conheceram no trabalho, quando realizavam pesquisas de intenção de voto. Em uma viagem da empresa à Friburgo, o romance teve início. "Nosso amor tem sobrevivido a tantas tempestades que acho que merecemos esse momento", argumentou a estudante na postagem da vaquinha.

Layra conviveu com o câncer por quatro anos. Resistente aos medicamentos e de expansão rápida, a doença deixava o rosto dela inchado, mas a estudante sempre mantinha o bom humor quando o assunto era o câncer. Em entrevista ao Extra em junho deste ano, ela afirmou que viveria rindo. "Se eu não conseguisse fazer piada sobre a doença, eu não conseguiria fazer piada de mais nada. Não é que não me doa, que eu não tenha chorado escondida várias vezes. Mas eu vou viver rindo. A morte está ali. Enquanto ela não chega, eu faço valer a pena", falou Layra. Ela cumpriu a promessa.

(Foto: Reprodução)

Em seu texto mais recente publicado em sua página no Facebook, no último dia 19 de outubro, Layra agradeceu o apoio de amigos e familiares.

"Um dia sai do INCA com lágrimas nos olhos, Alex segurava minha mão. O olhar dele era tão perdido quanto o meu. Não há mais tratamento, o relógio começou a correr mais rápido. Nove anos juntos e não usávamos nem aquele anel que vinha no chiclete. Mas eu queria casar, queria ter o sobrenome dele, queria oficializar nossa união. A louca aqui resolveu fazer uma vaquinha na internet e quase matou Alex de vergonha. A dureza nunca foi novidade pra gente e também não importa porque sempre fomos felizes assim. Eu também estava com vergonha, mas resolvi divulgar para os amigos da faculdade e boom: começou a loucura mais gostosa da minha vida. Em minutos já tinha uma galera muito envolvida. A coisa cresceu, foi parar no jornal. Os amigos começaram a compartilhar e foi chegando nos corações de tanta gente feita de amor, tantas pessoas que poderiam ter visto, achado bacana e ok. Mas não, sentiram que precisavam fazer mais e fizeram. Se uniram, convocaram os amigos, reuniram doações. Fiquei baratinada. Em 4 dias eu vi um casamento se formando. E o trabalho não foi pouco, foi muita gente ralando, muita gente pensando em como fazer o melhor. Quando alguma coisa dava errada surgia alguém com uma solução. Vocês fizeram o melhor pra alguém que nem conheciam, vocês transformaram a minha vida. Me deram esperança, me deram amor, cuidaram de mim. Obrigada, muito obrigada! O nosso casamento foi lindo, foi o dia mais incrível da minha vida. Eu vou levar comigo cada um de vocês. Vocês são incríveis! Amo vocês", escreveu.

Nas redes sociais, os amigos lamentam a morte da estudante. "Minha amiga, descanse em paz. Te amamos muito", escreveu uma amiga de Layra. "Vai fazer muita falta", escreveu outra.