Brasil

Caso Daniel: áudios revelam que testemunha sofreu ameaça de morte; ouça

'Está atrás de você pra te apagar', diz uma das mensagens entregues pela defesa

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

A primeira testemunha que prestou depoimento à polícia sobre a morte do jogador Daniel Corrêa recebeu ameaças de morte, disse o advogado. Áudios e mensagens com este conteúdo foram entregar às autoridades pela defesa do jovem neste segunda-feira (19). As informações são do G1 Paraná.

Primeira testemunha se encontrou no shopping com a família Brittes. Após esta ocasião, ele decidiu procurar à polícia e pedir proteção (Foto: Reprodução)
De acordo com o advogado da testemunha, Jacob Filho, as mensagens de áudio e textos recebidas pelo jovem e pela mãe dele são um alerta sobre as ameaças. No mesmo dia em que Edison Brittes confessou ter matado Daniel, um amigo em comum entre os dois avisou que o jovem estava correndo o perigo.

AMIGO DA TESTEMUNHA
"Foi um cara bandidão na casa do... lá, querendo saber de você. Aí ele mandou avisar que nem é pra você você voltar porque ele está atrás de você para te apagar".

Ele estava presenta na casa da família Birttes no dia em que o jogador foi espancado e morto. A testemunha também foi ao encontro promovido pelo empresário dois dias após o crime, em um shopping de Curitiba (PR). Foi justamente nesta ocasião que o jovem se sentiu ameaçado e decidiu procurar a polícia.

O advogado da defesa apresentou também uma mensagem recebida pela mãe do jovem enviada também pelo amigo em comum.

AMIGO DA TESTEMUNHA

"Veio um amigo meu perguntar dele. Falaram que estavam atrás dele uns caras mais da pesada. Então, melhor ele ficar por aí mesmo".

A primeira testemunha está escondida em um local fora do estado do Paraná. Ele está escondido, com muito medo, amedrontado, obviamente, porque se deparou com uma situação como essa", contou o advogado.

A defesa do assassino confesso do jogador, Edison Brottes, disse que os áudios apresentados não possuem validade jurídica.

"Apenas demonstram a necessidade de quem os trouxe manter um protagonismo no caso Daniel”, diz trecho da nota enviada ao G1 pelo advogado Claudio Dalledone.

Ouça os áudios: